Com quem será, com quem será que a Elizabeth II vai casar?

Postado em 19 de abr de 2012 / Por Marcus Vinicius

Assintindo a uma cena do último casamento real, observei que durante a execução do hino britânico, "God Save the Queen", todos cantam enquanto a rainha fica ali, impassível, sem mexer um músculo sequer do rosto.
Lógico que isso é o mais sensato a se fazer, porque o que ela iria cantar? "Deus me salve"? Por isso ela fica quieta ali, esperando a música terminar.

Mas como ela já passa por isso há 60 anos, nem deve ficar constrangida, tipo "nah, nah. obrigado galera, deixem isso, chega, chega", mas já pensou se fosse contigo? Cada vez que fosse num batizado, num jogo de futebol ou no teatro ter que parar e ouvir "Deus Salve a Juliana"?

Nem sei quantos anos de treinamento foram necessários para que ela conseguisse não ficar com aquela cara de aniversariante esperando o final do "Parabéns" quanto cantam esse hino. Aliás, falando em "Parabéns pra você", acho que se existisse um National Geographic no mundo animal, um dos programas que mais chocariam os bichos seria "Humanos comemorando aniversários em restaurantes"  (o "com quem será" mereceria aviso para cardíacos).


Voltando ao assunto, essa história do "God Save the Queen" ficou na minha cabeça principalmente porque sou uma pessoa que não lida bem com elogios. Sei me comportar muito melhor se me chamarem de "merda inútil FDP" do que se vierem me elogiar, principalmente porque reagir ao xingamento é até mais natural, dado a força do hábito de quem vive sendo xingado.

Sabe aquele amigo bêbado que começa a dizer o quanto gosta de você, como te admira, como não se esquece daquela carona que você deu há 10 anos? Pois é, acho menos constrangedor ele vomitar no meu pé do que fazer isso. Lidar com elogios, saber aceitar uma parabenização dividindo bem a reação para não parecer falso humilde, grosseiro ou metido demais é uma arte que pouca gente domina.

Afinal, ninguém acha que vai ouvir um "é verdade, eu sou fodaço mesmo" depois que diz para o outro que ele fez um excelente trabalho, tanto quanto não espera uma resposta como "competente nada, eu só engano os idiotas fazendo eles acharem que uma tarefa simples muito complicada".

Mas pior mesmo é são aquelas mutações de elogio com ofensa, que te deixam meio perdido sem saber se agradece ou dá uma cadeirada na pessoa:

- Está lindo isso, nem parece que foi você que fez!

- Nossa, nunca imaginei que você fosse inteligente assim.

- Admiro como você tem noção do ridículo e não vem para a praia de biquini que nem as outras gordas.

Seria mais ou menos como os britânicos cantarem "Deus Salve a rainha, chefe dessa família de parasitas que vivem às custas da nação, mas se não estiver muito ocupado, Deus, salve nossa rainha!".

2 Comentários:

Roberta Ricchezza postou 21 de abril de 2012 14:11

hahahahaha Verdade! Eu tenho muita dificuldade de dar parabéns no aniversário das pessoas por exemplo,coisa mais forçada... Imagina, parabéns pelo quê? Por ter sobrevivido até aqui? Bom sendo morador do RJ até faz sentido...

Flávia Dias postou 8 de maio de 2012 12:52

kkkk, os elogios são bem tensos mesmos.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo