Eu acho que vi um gatinho

Postado em 17 de mai de 2012 / Por Marcus Vinicius

Quando digo para as pessoas que não sou muito fã de cachorros, sempre me olham com aquela expressão de quem acabou de se deparar com um carrasco nazista. E a reação geralmente piora quando falo que meu animal predileto é o gato.

Invariavelmente ouço aquela ladainha de que gatos são traiçoeiros, só amam a casa e não o dono, que são interesseiros, não obedecem e mais um monte de outros mitos que contribuem para uma certa fama de mau do felino.

Pois bem. O curioso é que cada "defeito" que apontam nos gatos, para mim, na realidade, é uma qualidade que me faz gostar ainda mais dele. Vamos analisar: por que traiçoeiro, interesseiro e desobediente?

Simples, porque gatos não levam desaforo para casa, não se contentam com pouco e são independentes.

Jamais um gato vai apanhar do dono e sair rastejando atrás dele, cheirando seus pés. Se você o maltrata, ele responde. Se você lhe nega comida, ele vai embora atrás de algum lugar onde o tratem melhor. Se você quer impor a ele suas vontades - aquela coisa do "senta, pula, finge de morto" - ele vai te mandar plantar batatas.

E tudo isso da forma mais elegante do mundo, tal qual é um miado, com certeza mil vezes mais sutil do que um latido.

Gatos não são para principiantes. Primeiro de tudo você precisa ser humilde, tem que saber que nem sempre que você chegar em casa afim de assistir televisão com ele sentado do seu lado no sofá, o bichano vai estar afim. Se ele não quiser, ele não fica e pronto.


Para conviver com um gato, temos entender que eles não precisam do nosso carinho, mas ao contrário, ainda que gostem de carinho, não abrem mão de decidir quando vão recebê-lo.

A amizade e o amor de um gato são tão raros quanto preciosos e você precisa conquistá-los. Eles realmente lidam com os humanos de igual para igual, ainda que tenham a certeza de ser superiores. Gatos não têm donos, eles possuem humanos, quem nunca leu isso?

São o inverso do que os ditos racionais esperam. Se ele abana o rabo, está irritado. Se o rabo fica arrepiado, é porque está com medo. Se roça entre suas pernas, ele quer dizer: confio em você. E quando se irritam, não só arranham, também mordem melhor do que qualquer pastor alemão.

Mas apesar de compexos, nada é mais gratificante do que ser acordado com eles roendo seu pé ou seu nariz delicadamente, do que ver a expressão - sim, eles são muito expressivos - de felicidade quando ganham a comida preferida ou simplesmente o som de um ronronar, que na linguagem deles equivale quase a um "eu te amo".

Como disse muito bem Arthur da Távola, os gatos são "uma lição diária de afeto verdadeiro e fiel", feitos para quem sabe observar e ter paciência de entender os detalhes, as minúncias e sutilezas.

Ele é, no mundo animal, talvez o mais próximo que um humano possa encontrar que não seja outro humano. Cheio de sentimentos, ambições e vontades, capaz de amar, de odiar ou simplesmente desprezar, o que fazem com muito mais charme do que nós.

E ainda que jamais consigamos compreendê-los por completo, estes pequenos felinos que já foram até deuses no Egito, tenha certeza de que eles também não nos entendem muito, afinal, quem é que poderia desprezar um presente tão maravilhoso quanto um pombo morto, que eles colocam cuidadosamente em nossa porta?

Só mesmo os humanos, que se não fornecessem a eles diariamente aqueles deliciosos patês de atum, certamente não mereceriam tanta paciência. 

10 Comentários:

Isabel postou 18 de maio de 2012 11:37

Eu particularmente prefiro cachorro, mas gostei muito do seu texto. Acho que até simpatizei mais com os gatos depois de lê-lo! :)

Anônimo postou 18 de maio de 2012 13:44

Amo gatos. Tenho dois. E cada um com uma personalidade diferente. Eles conseguem ser mais engraçados que o cães, que tem o humor ''bobão.''

Pisico Pata postou 19 de maio de 2012 14:19

Seu texto é PERFEITO,concordo plenamente com tudo que está ai,tenho a mesma gata a 10 anos eu a respeito mais do que respeito certos seres humanos!

Anônimo postou 20 de maio de 2012 17:27

Vera disse
Sou, verdadeiramente apaixonada por gatos. Convivo com "eles" desde 1978. Já tive vários ,perdí outros tantos mas sempre descubro as personalidades, totalmente diferentes de cada um. Prefiro sempre as fêmeas (claro que castradas). Adorei sue texto e concordo que os felinos precisam ser conquistados a cada dia. No momento tenho duas que me dão muita alegria e amor.

Pâmela postou 22 de maio de 2012 06:45

N eh obrigado tratar um cachorro a base do senta,deita e rola...O cachorro mostra sentimentos pelo dono e eh fiel até a morte,(procure isso num gato)nada contra gatos inclusive,ja salvei a vida de muitos,mas dizer q prefere gato q cachorro soa de uma forma bem fria...

Juliana Bassan postou 22 de maio de 2012 06:50

Perfeito esse texto, expressou tudo o que eu sinto em relação aos gatos.

Viviane Moreira postou 22 de maio de 2012 06:58

Que texto fantástico!
Eu gosto de tudo, gato, cachorro, passarinho, enfim tudo que é bicho, mas gato é demais de especial, tenho duas com suas particularidades, amo de paixão e é um gato que escolhi ter nessa vida, nada me proíbe de futuramente ter um cão, mas os gatos estão aqui no meu coração, com suas patinhas marcadas nele! Amor eterno!
Bjss
Vi, mãe de duas gatas! :-D

Priscila Henning postou 22 de maio de 2012 09:57

Gostei muito de seu texto, uma descrição precisa da alma e da personalidade franca e sincera (até desconcertante) de um gato na relação com seu humano (à guisa de um "dono"). O ser humano, sempre acostumado a ser "servido", não consegue lidar com um bicho que não se submete - daí todas essas lendas pejorativas. Gato não segue ordens, mas até vem quando vc chama - se ele estiver a fim. Eu gosto de cachorros, mas amo, adoro e admiro os gatos. Todos respeitam a necessidade de calma, quietude e independência um do outro - sem exigir atenção, carinho ou obediencia.
Tenho dois gatos em casa, três na casa dos meus pais, e nos damos todos muito bem. Basta ter respeito sempre e aceitar que o gato é assim, sem forçar a barra.

Muito bom seu texto. Vou compartilhar!

Natália Estevez postou 24 de maio de 2012 11:38

Em geral as pessoas gostam de mandar em alguém, gostam de ter total controle sobre algo e conseguem isso com os cães e não com os gatos, por isso da maioria escolha óbvia. De fato, gatos não são para principiantes.

josyany postou 30 de maio de 2012 21:47

Eu achei fantastico esse texto!aki em casa temos uma gata e nos entedemos perfeitamente bem,cada um respeitando o espaço uns dos outros!!Uma vez me disseram que as pessoas humildes sinceras e que sabem ter empatia por outro ser humano e suficiente capaz de entender e compreender os gatos!!

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo