Porque fotografar comida não é um pecado capital, mas pode ser evitado

Postado em 14 de fev de 2012 / Por Marcus Vinicius

Já notou como ninguém normal chega no motel, tira foto da outra pessoa e posta no Facebook, mas curiosamente vivem fazendo isso com o que vão comer no restaurante? Basta navegar um pouco pela internet que você nota como, às vezes, tudo se parece com um "caiu na net" gastronômico.

Entre chamar os outros de porcos enquanto joga lixo no chão; alimentar, dar banho e sair por aí catando as fezes de um animal e ainda assim dizer que é seu "dono", frequentar micaretas e tirar fotos na frente do espelho do banheiro, com certeza fotografar comida seria um hábito humano passível de estudo por alienígenas. Eles se perguntariam em desespero "porque eles fazem isso, porque?".

Como não sou um E.T. (pelo menos eu acho) confesso que já caí nessa muitas vezes (ainda hoje tiro muitas fotos de comida), mas tenho procurado evitar, porque o melhor da comida é mesmo o gosto, logo em seguida vem o cheiro, a aparência ajuda, claro, mas numa foto sempre vão faltar dois dos três elementos principais do prazer da comida.

Lógico que queremos eternizar momentos, deixar uma lembrança pelo menos visual daquele gosto que pode nunca mais ser o mesmo, porque podemos não voltar mais ali, o lugar pode fechar, podem tirar aquela bomba de maracujá de linha, algum acidente com radiação pode te fazer só sentir gosto de biscoito Trakinas em tudo - seja uma picanha ou um biscoito Trakinas - mas o que explica fotos de coxinhas de galinha, mistos-quentes e pratos de arroz com feijão?


E ainda que popularizassem um cinema 5, 6 ou 7D, com cheiro e tudo - o que sempre me causa certo nojo quando penso em filmes de zumbis - não seria aquele Mc Lanche Feliz que estaria em cartaz, não é? Porque assim como ninguém compra um ingresso para assistir "Aniversário do Pedrinho 2 - O Retorno do Animador de Festas", não creio que alguém pagaria um ingresso do tal cinema com aromas para assistir "Tentativas de Bife Acebolado da Tati - A Saga do Arroz Queimado".

Assim como grandes diretores, somente grandes "chefs" apareceriam no cinema, então, continua a dúvida: pra quê fotografar comida e colocar na internet?

Some-se a isso o fato de geralmente pedirmos comida quando estamos com fome, o que torna ainda mais inexplicável essa auto-tortura de atrasar sua degustação para tirar uma foto. É como ter sede, abrir a geladeira mais esbaforido do que um pastor alemão na praia, pegar um copo d'água e dizer:

- Não, pera aí, vou tirar uma foto porque esse é um belo copo d'água.

E se você não faz isso com água, não deveria fazer com um brownie. Porque assim como aquela pessoa que você leva pro motel faria se você parasse de dois em dois minutos para tirar uma foto, se o brownie falasse, certamente ele te diria:

- Me come logo, e esquece a porra da foto pro Facebook.

A menos, é claro, que vá você, a pessoa, o brownie, um sorvete, cenourinhas americanas e uma melancia, mas aí já seria um bacanal gastrômico e uma foto seria ainda mais inaceitável.

6 Comentários:

Omputsman postou 14 de fevereiro de 2012 07:51

Muito bom o seu post para variar, mas deixo uma questão no ar:

No restaurante bebe-se entrelaçando sabores da a comida dom uma bebida que o alinhasse, e no caso do motel bebe-se antes de comer, mas com a mesma função de amaciar a carne.

Enquanto ébrios estamos suscetíveis à comer uma buchada de bode no motel, sendo que as fotografias só nos seriam consequências negativas, pois há pratos de comidas que ninguém quer comer mas todos comem às escondidas.

O testemunho do "eu já comi" serviria tão somente aos pratos "mais sofisticados" como é o caso da iguaria "Paris Hilton" que é um prato quase Diet não fosse a presença flagrante do Mignon que é, e logo, teríamos fotos do motel.

Enquanto Ébrios não haveria Photoshop que fizesse o prato parecer mais suculento.

Se a comida é boa a vergonha não existe, mas tem cada parto de motel que dá uma azia...

Sem contar que por vezes levamos a comida de outro cliente para comê-la às escondidas.

Salve o Menu a Trois!!!!

mvsmotta postou 14 de fevereiro de 2012 07:56

Nesse caso seria melhor até confiscar as câmeras em caso de bebedeira, não é mesmo? Rsrsrsrsrs

Ri do "menu a trois" aqui.

Abração!

MBSjnr postou 14 de fevereiro de 2012 08:00

:: Sou legítimo representante
dessa "corrente". Acho que tem
até um nome pra isso - Porn Food.

Não sei se é desculpa, mas eu gosto
de indicar lugares e pratos pros
amigos. E nada mais contundente do
que uma bela foto do, digamos,
"L'Entrecôte". Por exemplo.

Se precisa de um incentivo a mais,
caso te interesse:
- As mina pira!

Roberta Ricchezza postou 14 de fevereiro de 2012 08:02

Todo mundo tem pelo menos uma foto de comida em seu álbum!

Ps: aposto que vão conferir pelo menos uns 2 ou 3 perfis.. hehehe...

mvsmotta postou 14 de fevereiro de 2012 08:03

Eu tenho várias, não resisto, mas como disse no texto: não sou ET.

Mas continuo achando esquisito.

:P

Cíntia Milanese postou 14 de fevereiro de 2012 08:34

Acho que tudo depende. Eu tiro fotos de tudo o que como, mas para controlar meu peso (pois faço educação alimentar). Não posto meus pratos no Facebook, mas às vezes posto algumas coisas do cardápio no meu blog (que fala sobre emagrecimento). Um abraço.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo