Não existem "melhores amigos"

Postado em 11 de set de 2012 / Por Marcus Vinicius

Nunca entendi muito esse conceito de ter "melhores" amigos. Não existem dois campeões da Copa do Mundo no mesmo ano, não existem dois seres humanos perfeitamente iguais e é impossível existir dois ou mais melhores amigos.

Melhor amigo é um. O termo não permite adaptações.

Você pode ter vários excelentes amigos, dezenas de bons amigos, centenas de amigos legais, milhares de puxa-sacos, mas dentre todos, só um é o melhor. Se você considera mais de um assim, desculpe, mas você ainda não encontrou seu melhor amigo.

Se a amizade fosse exatamente igual o amor, o melhor amigo seria o equivalente a alma gêmea.

Tudo bem que os tempos de hoje são promíscuos nesse negócio de amor. Homens e mulheres se apaixonam e conhecem o "amor das suas vidas" toda semana, só para terminar com "aquele(a) inútil" na semana seguinte.

Transformaram o amor numa micareta, mas a amizade, ou melhor, o "melhor amigo" não permite esse tipo de saliência. Existem os amigos de bar, a turma do futebol, a galera da faculdade, os colegas de trabalho.

Nenhum é ruim (ou todos podem ser uma bosta, não importa), só que eles são o coletivo, o gregário, o muitas vezes breve.


Boas amizades se vão com uma mudança de cidade, com o fim do time de vôlei, com a mudança da turma da Confraria do Cheeseburger do Orkut para o Facebook ou simplesmente porque todo mundo enjoou da cara um do outro. Isso é normal.

Mas melhor amigo não muda. Se ele muda e vai morar do outro lado do mundo, ainda assim tudo permanece igual. Melhor amigo monta outro time de vôlei ou então resolve que sair para pescar é muito mais legal para colocar o papo em dia. Melhor amigo é aquele que te enviou o primeiro convite para entrar no Orkut e que depois já estava lá te esperando no Facebook. Melhor amigo enjoa da nossa cara igual enjoamos de praia, só para sentir vontade de dar um mergulho na semana que vem (sem viadagem, por favor).

Melhores amigos se reconhecem, ficam confortáveis mesmo no silêncio, aparecem sem ser convidados, vão embora sem dar tchau e não nos ofendem jamais, nem em situações onde qualquer outra pessoa nos ofenderia.

Vivemos nossos dias e noites ao lado deles, que estão presentes mesmo que seja através de um cartão postal, um telefonema, um torpedo pelo celular, uma foto compartilhada ou mesmo numa simples lembrança "fulano ia adorar isso aqui".

O melhor amigo não quer saber quanto você ganha, a menos que seja pra ficar feliz porque você se deu bem. O melhor amigo chora contigo, chora por você, ri contigo e ri de você, te pede socorro, te ajuda e tudo isso é normal, porque nada é especial demais para um melhor amigo fazer pelo outro, já que especial é a amizade.

Melhores amigos são passeios de bicicleta, noitadas, rock, chicas, cervezas e quando o tempo passa, é se  descobrir o mesmo de 20, 30 anos atrás. As mesmas dúvidas, as mesmas certezas, a mesma visão de si e do outro, os mesmos garotos que foram um dia, só um pouco mais cinzas (ou sem cabelo).

E aí, novamente mais uma diferença do melhor amigo para o grande amor: um, segundo o grande poeta, é infinito enquanto dura.

O outro é só infinito.

3 Comentários:

Marise postou 11 de setembro de 2012 11:37

Texto lindo, emocionante e verdadeiro! Parabéns! Fiquei emocionada.

Emilia Freire postou 11 de setembro de 2012 15:31

Lindo! Que boa hora para ler esse texto tão carinhoso! Contra a correnteza total!
Obrigada!!!

Jimmi postou 11 de setembro de 2012 16:39

Mais um texto foda... parabéns...

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo