A gostosa que era mas não parecia

Postado em 27 de set de 2012 / Por Marcus Vinicius

A gente cresce aprendendo que devemos ser discretos com certas coisas da nossa vida. Não é bom ficar por aí ostentando o que tem, é feio contar coisas que fazemos no quarto, temos obrigação de demonstrar certo nível de humildade mesmo quando acabamos de ganhar o campeonato mundial de qualquer modalidade, precisamos dividir as glórias com o "grupo".

Só que pouca coisa é mais legal do que ser objeto de admiração e até fazer inveja nos outros. Inveja, aliás, é o tipo de sentimento que todo mundo diz ter horror, mas ao mesmo tempo faz o possível para que os outros sintam.

Digo isso porque dentre todos os benefícios de se dar bem na vida, um dos melhores é esfregar o sucesso na cara dos outros, mesmo que vá de encontro a tudo o que aprendemos desde cedo. Seja aquela professora que te disse que você "nunca daria pra nada na vida" ou aquele seu primo valentão que enchia o seu saco e hoje anda de Chevette enquanto você passeia de Mercedes.

Esse tipo de coisa inclusive é o que faz alguém atravessar uma rua só pra ir falar com aquele velho colega de faculdade. Descontada a saudade dos velhos tempos, ninguém vai falar com o outro nessa situação se não for para dizer que está muito bem, obrigado.

Imagina um sujeito correndo ao encontro de outro no shopping só pra dizer "larguei a faculdade e hoje vivo às custas da minha mulher"? Todos querem é contar sobre a viagem pros Estados Unidos, sobre como está absurdamente cara a manutenção dos Land Rovers e sobre como a sua rua em Ipanema fica um caos no final de semana.

Sempre disfarçando, reclamando das contas, contando como está "ralando que nem condenado no trabalho", é claro, afinal, "temos que ser discretos".

Mas em certos casos você quer é mostrar mesmo. Sem disfarçar, sem falsa modéstia. E nessas horas parece que algo no universo conspira, só que contra você, por ter violado a regra da humildade.

Digamos que acabou de comprar um celular de última geração. Caro, objeto de desejo de todo mundo e quer dar uma zoada no seu amigo que te chama de nerd, geek ou simplesmente "viadinho viciado em tecnologia".


Chega, mostra o aparelho, fala todas as 300 funções e conta sobre o assistente com inteligência artificial que te dá dicas de restaurantes, cinemas e saídas legais. Faz questão de mostrar, só pra esfregar na cara dele:

- Indique um cinema.

E a voz robótica:

- Desculpe, não entendi.

- Um cinema, um filme.

- Um estúdio de revelação?

- Porra, tá de sacanagem, um cinema, mostra um cinema no mapa do GPS!

- Boate GLS?

E o seu amigo:

- Tô falando que isso é coisa de viado...

Mas sempre pode piorar. Você viaja nas férias e conhece uma super gata. Linda, corpão, charmosa, cheirosa, chama atenção por onde quer que vocês passem. Tanto que fica até difícil acreditar que uma mulher dessas quis algo com você.

Quando está para ir embora, trocam telefones, emails e se adicionam no Facebook e assim que chega, quer mostrar para aquele sujeito do seu trabalho que fala que você nunca pega ninguém o tamanho do gol de placa que você marcou.

Entra no Facebook já dizendo pra ele "babar a vontade" e abre a primeira foto: ela falando com a boca cheia de farofa. Segunda foto: ela dando uma gargalhada em que aparece até a úvula. Terceira foto: ela e mais duas amigas imitando um filme de zumbi. Quarta foto: ela na praia olhando contra a luz, parecendo que está com câimbra na testa.

Quinta, sexta, sétima, oitava, vigésima foto, seu amigo já foi embora rindo e te chamando de "barangueiro" quando você descobre mais uma dessas sacanagens do cosmos para punir quem quer se mostrar demais: você pegou uma gostosa que não é fotogênica.

4 Comentários:

Luciana postou 1 de outubro de 2012 06:36

Marcus,

Mas tem gente sem "loção", que gosta de tirar onda com qualquercoisinha. A esses, não é nem uma questão de ter inveja, é que um dia acordem para a vida. Uma coisa é a (falsa) modéstia, outra, a esnobação mesmo. E existem quem gosta de esnobar. Aí, nem se você fica milionário consegue conversar com esses tipos.

Em tempo, teus textos são muito bons (tão quanto os meus...sem falsa modéstia... hahahahaha).

Abraços.

P.S.: Faz uma.. hum..."análise" sobre o funk, faz.

Ô, coisa mais esgoto que é...

mvsmotta postou 1 de outubro de 2012 09:38

Já fiz uma vez!

http://www.contracorrenteza.com/2009/09/69-frango-assado-de-ladinho-gente-gosta.html


Beijos!

Pâmela Ribeiro postou 1 de outubro de 2012 20:40

Blog da melhor qualidade, twitter ótimo, está de parabéns!Tenho admiração pelo seu trabalho!beijos

mvsmotta postou 1 de outubro de 2012 21:02

Uau, obrigado!

Beijão!

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo