Tenho uma notícia para você, meu amigo: elas sempre te vencerão - Parte 4

Postado em 2 de mar de 2011 / Por Marcus Vinicius

Você agora tem uma namorada.

Depois de algumas saídas perfeitas, depois de pensar que gosta nela até de alguns hábitos que você abomina nos outros, como falar sem parar no cinema, vocês acharam melhor assumir logo que estão "na coleira".

E como a nova aliança de compromisso é o status de relacionamento nas redes sociais, já na primeira sessão legislativa do novo namoro que foi empossado, vocês decidem que não precisam mais "se preservar" e que colocarão status "comprometido" no Orkut e no Facebook.

A partir daí você poderá comprovar na prática um fenômeno sempre associado ao seu estado civil: a partir do momento em que você está com alguém,  90% das mulheres que nunca olharam pra você, te deram mole ou sequer respondiam ao seu "bom dia" no elevador, começam a demonstrar um interesse por você que te faz pensar: não é que eu sou gostoso?

Não, meu amigo. Você continua o mesmo sujeitinho que sempre foi. A novidade é que agora você não está mais no mercado, é como aquele passarinho, o Dodô, que só é interessante porque não está mais disponível, mas continua esquisito e elas só levariam para casa por curiosidade.

Mas você fez aulas de meditação, assistiu palestras de neurolinguística e leu "O Segredo" até de trás para frente, então bastou mentalizar que toda a tentação se afastou de você.

Bah, quem acredita nisso? Você ficou mesmo é com medo da sua patroa descobrir, te dar um pé na bunda e você ter que reativar aquele velho perfil no "Papo Gostoso", pra conversar com pós-adolescentes que moram onde Judas perdeu as botas e aquelas gordas Wicca que ouvem Heavy Metal, curtem bruxaria e ainda jogam RPG aos 35 anos de idade.

Felizmente você não colocou tudo a perder, então seu namoro vai bem. Você pensa nela quando acorda, quando almoça e até quando está jogando Playstation. Talvez isso seja amor.

Mas como dizer que a ama? O "eu te amo" é um perigo, porque é uma frase que tem a capacidade de te fazer sentir pior do que desodorante em micareta, basta que para isso a outra pessoa não responda com um simples "eu também".

Sério. O "eu te amo" só leva a dois caminhos: descobrir que também te amam, ou saber que o outro tem problemas com ordem de grandeza "Ama quanto?", problemas de confiança "Me ama mesmo? Sério? Porque?", ou então que precisa de um tempero na comida "Você me ama? Hum, passa o sal?".

E aí surge um dos grandes dilemas do relacionamento a dois: quando falar sinceramente.

Porque se você ainda não ama, mentir é ruim, mas pode ser que você esteja no caminho de amar, então talvez seja uma boa você dizer alguma coisa a respeito.


Mas quem dera a sinceridade só nos causasse problemas em questões tão grandes quanto a hora de dizer "eu te amo". Ela nos afeta nos mínimos detalhes do dia-a-dia.

Por exemplo: vocês vão ao casamento da melhor amiga dela, você detesta casamentos mas omitiu essa informação para ela não pensar que você é um eterno adolescente que curte ficar em casa de bermuda vendo TV e jogando videogame (o que nem é tão equivocado assim), está esperando ela se arrumar no sofá da sala, assistindo Itá x Peruíbe pela terceira divisão do Campeonado Paulista, então surge sua amada.

Um penteado horrível, um vestido de tecido meio brilhante que a faz parecer um balão japonês aceso e a maquiagem com um treco estranho ao redor dos olhos que lembra o olhar de um guaxinim. Ela sorri e pergunta:

- E aí? Estou bonita?

Meu chapa, sua resposta deverá ser "sim" mesmo que ela apareça fantasiada de Darth Vader. Esqueça a sinceridade nessa hora. Toda vez que alguém te pede para dizer o que pensa de verdade, vai por mim, quer ouvir é alguma mentira mesmo.

Caso você não queira ter problemas, não diga apenas "sim", pelo contrário, seja exagerado.

- Você está mais bonita do que a Anne Hathaway na entrega do Oscar.

Ela vai achar exagero, mas não vai achar mentira. É mais ou menos como quando qualquer mulher diz a segunda coisa que assusta mais um homem depois de "precisamos conversar", que é "você acha que eu estou gorda?".

Acredite: todas, sem exceção, querem ouvir um "não".

Mas caso você queira ser o grande destruidor de paradigmas, o desbravador da verdade, o herói da sinceridade, experimente ser corajoso e dizer algo como:

- Pra mim você está bem, mas se quiser fazer uma dieta fica ainda melhor.

Esse tipo de coisa te levará a uma espiral de problemas que você não poderá controlar depois, é como abrir a Caixa de Pandora.

No final das contas, você vai terminar abraçado aos joelhos dela, dizendo que tudo não passou de brincadeira, que você não pensa nada daquilo e que mentiu quando disse, no meio da discussão, que detesta quando ela fala que nem uma matraca durante uma sessão de cinema.

Lembre-se: elas vencem.

6 Comentários:

Vivian postou 2 de março de 2011 08:02

Nossa, gostei muito do texto, ou melhor, sempre gosto dos seus textos.Direto quando posta no Twitter algo novo do blog, eu apareço aqui. Parabéns.
E isso que você disse "Lembre-se: elas vencem." fico meio na dúvida se é realmente verdade. Vamos dizer que 90% das vezes acontece.

Anônimo postou 2 de março de 2011 08:23

É a segunda vez que leio o blog, adoreii....Parabéns!
divertidoo!

mauricio postou 2 de março de 2011 08:40

Exatamente isso!!! perfeito!!!

MBSantiagoJr. postou 2 de março de 2011 11:44

:: Muito divertido o post. Gostei.
Algumas coisas são até mesmo verdade.

Isabel postou 2 de março de 2011 14:04

Das 4 partes, essa foi a que eu mais gostei!! Parabéns!

Maysa postou 2 de março de 2011 14:34

É, Marcus, esta saga está virando pesadelo, porque o oposto é verdadeiro, e como!
Não sei como tive a total insensatez de casar 3 vz, e sentir os sentimentos dos dois ao mesmo tempo, homem e mulher, e monogâmica...
A escolha vai caindo pra solidão (delícia) irremediável...
Afinal, sou Ying total e nada de sapata.
Nós estamos com uma "pedra no meio do caminho"...
Beijos

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo