O ataque dos dobermans

Postado em 9 de mai de 2011 / Por Marcus Vinicius

Esse filme sobre cães assassinos assombrou minha infância. É meio chocante que passassem isso em qualquer horário na TV aberta, mas sabe como é, naquela época não tratavam crianças como se fossem de cristal. Só que o assunto aqui, embora ainda canino, é outro.

Certas coisas são inaceitáveis socialmente. Você não deve, por exemplo, sair por aí dizendo que acha a namorada do seu melhor amigo uma gostosa e que vai dar em cima dela na primeira oportunidade em que ela te der mole.

Não é de bom tom também negar o holocausto, dizer que não gosta de pizza e nem pega muito bem se declarar fã do Ronnie Von, mas nada, nada supera a comoção e o estado de pavor que você cria ao dizer que não gosta de cachorros.

Sério. Experimente testar numa conversa qualquer.

- Cara, posso te confessar uma coisa?

- O que?

- Eu ainda acredito no Papai Noel.

- Ah, tranquilo, é algo lúdico, da sua infância e tal...

- Eu também acho que o Sarney foi o melhor presidente do Brasil.

- Pô, mano, eu discordo totalmente, mas vivemos numa democracia, nada a ver te julgar.

- Mas tem outra: eu não gosto de cachorros.

- O que? Tomara que você e toda a sua família sejam devorados por dobermans!

Não tem jeito, se você não gosta de cachorros sofrerá uma repressão comparável a que sofre um sujeito que não goste de usar barba na Arábia Saudita, ou um jovem casal de namorados na Arábia Saudita, ou um Testemunha de Jeová na Arábia Saudita.

Você só não sofrerá pressão pior do que alguém que não goste de cachorros na Arábia Saudita.

Encontrei um casal de amigos outro dia na rua e eles traziam consigo o seu cãozinho de estimação, um desses yorkshires que todo mundo (menos eu) fica com vontade de colocar no colo e fazer festinha.

E aí está um dos grandes problemas do cachorro: a interação social forçada. As pessoas acham que podem se aproximar de você só para demonstrar como "são ótimas no trato com animais".


Como sempre digo a este casal, pra mim ter um cachorro dentro de casa faz tanto sentido quanto ter um tamanduá, uma paca ou uma cabra. Imagine um pastor alemão num apartamento (e tem louco que faça isso), porra, uma cabra ali ocuparia o mesmo espaço, daria mais ou menos o mesmo trabalho, te impediria de viajar quando quisesse porque você precisaria tomar conta dela, mas pelo menos daria leite pra você tomar no café da manhã.

Confesso que demorei um bocado para sair desse armário canino e assumir que não gosto de cachorros. Mas assim, não é que eu seja um tipo de Josef Mengele da carrocinha ou ache que a indústria de casacos de pele precisa olhar com mais carinho para os poodles, nada disso.

O "não gostar" não significa "odiar". Eu só não vejo a menor necessidade e nem o menor sentido em ter um cachorro a menos que você more numa casa isolada, cercada por terrenos baldios e com uma vizinhança nada confiável.

Mas ainda assim, nesse caso, acho que preferiria ter uma onça.

O meu não gostar é algo como "quero que todos os cachorros sejam saudáveis, felizes, cheios de filé para comer, mas longe de mim".

Creio que isso seja fruto de um trauma de infância e isso não é uma figura de linguagem, é literal mesmo. Meu pai adora cachorros - agora que mora num sítio tem sempre em torno de dez  - mas mesmo na nossa casa, ele sempre teve dois, três, quatro...

E todo final de semana pela manhã eu era militarmente acordado para ajudá-lo a "lavar o quintal". Só que "lavar o quintal" não consistia numa divertida brincadeira com água e sim em recolher quilos de bosta de cachorro, enrolar num jornal e depois lavar tudo.

Veja bem, eu amo meu pai, isso não alterou em nada todo o carinho que sinto por ele, mas convenhamos que o cheiro de merda de cachorros no nariz todo sábado e domingo durante anos contribuiu bastante para o meu pavor por esse bicho.

Cachorro baba em excesso, urina em excesso, late em excesso e solicita o dono em excesso. Sem contar os donos de cachorro que muitas vezes precisam mais de adestramento do que os seus animais de estimação.

Durante muito tempo eu lutei contra isso, sempre dizia pra mim mesmo "ah, tem a baba, o mijo, os sofás roídos, os pulos com as patas imundas de terra na minha roupa, mas eu gosto de cachorro, eu gosto de cachorro, eu gosto de cachorro...", mas não adiantou muito.

Por isso, tal qual um sujeito que, contra tudo e contra todos, ainda usa calça boca de sino e batas indianas, resolvi assumir minha opção e declarar: eu não gosto muito de cachorros.

E para você que fica ofendidíssimo porque eu digo isso, uma dica: desejar que eu e toda a minha família sejamos devorados por dobermans não vai contribuir em nada para que eu passe a gostar do seu au-au.

21 Comentários:

Werkilaine postou 8 de maio de 2011 04:43

Olá!
Tenho lido seus posts e twitts!
Todos muito inteligentes!
Parabéns pela habilidade com as palavras!
Bj

Carlos Leite postou 8 de maio de 2011 15:24

Acho que entendo o que quer dizer. É parecido com dizer, aqui em Recife, que não gosta de camarão. Inevitavelmente vão te olhar de um jeito estranho...

Paulo postou 9 de maio de 2011 07:16

uahuahuah Nunca percebi isso, faço veterinária e o pessoal sempre soube que não sou assim tão chegado em cães e ninguém nunca deixou de andar comigo no recreio q, porque né gatos > cães, maltratar já é outro papo.

Ravick postou 9 de maio de 2011 07:17

Dizer que não gosta de criança pobre fica nos mesmos termos.

A.L.G.G.M. postou 9 de maio de 2011 07:20

Não gostar, tudo bem, não somos obrigados a gostar de nada nem de ninguém. Basta não maltratar.
Eu adoro animais e plantas mas não gosto de crianças... c'est la vie. O que seria do azul se todos só gostassem do amarelo?!

A.L.G.G.M. postou 9 de maio de 2011 07:23

Não somos obrigados a gostar de nada nem de ninguém, felizmente. Você não gosta de cães mas também não odeia, então, tudo bem. Basta não maltratar...
Eu adoro plantas e animais mas não gosto de crianças, c'est la vie, o que seria do azul se todos só gostassem do amarelo?!

Blog da Cíntia postou 9 de maio de 2011 07:27

Eu achei super pertinente esse seu post. Eu gosto de cães, embora não os tenha. Por morar em apartamento, preferi ter um gato, que me faz companhia, porém, é muito mais independentes do que os cães. Enfim, entendi perfeitamente o que você sente e é um direito seu, não gostar de cachorros, desde que não os maltrate por ai... Pelo menos, aqui você tem liberdade de dizer que não gosta de cães. Experimente dizer que não gosta de homossexuais, pra ver (risos). Na verdade, o que quero dizer é que, quando dizemos algo que a maioria discorda, você é taxado, julgado e xingado, sem pudor...

Naia postou 9 de maio de 2011 07:32

Ei, eu te entendo, ninguém me entende também quando digo que odeio pudous,podem dizer que são fofinhos, mas eu não acho, aquele latido ardido, ai meus deus que horror, odeio, odeio, odeio...Desculpa, desabafei..rsrs..

Xamanaty postou 9 de maio de 2011 07:45

Sou veterinária. E AMO cachorros! Não concordo qdo diz que quem não gosta de cachorros é mal visto! Assim como tem gente que não gosta de gatos, crianças, velhos, esportes, etc...
Te conto ainda mais... Conheço veterinários que NÃO gostam dos caninos, maaas estudaram e cuidam deles...
Então, não se preocupe, não desejo que vc seja devorado por cães só pq vc não gosta MUITO deles...
Te desejo que encontre a compreensão dos beneficios que existe entre a relação cão-humano!
Vc arrasa!
Bjo

_Juhmendes postou 9 de maio de 2011 07:58

Concordo com a Werkilaine:"Parabéns pela habilidade com as palavras!"
Gosto de cachorros e respeito quem n goste.Sinceramente, alguns cães conseguem ser insuportaveis, principalmente latindo. Realmente é estranho conhecer pessoas que n gostem de cães. Particularmente, eu já n curto bebês. Aquela bajulação por ser "pequeno" ou por ser "fofinho"...Para mim, são todos iguais. Super sem graça!

Denise postou 9 de maio de 2011 08:33

Eu gosto de cachorros. Cresci tendo vários cães de estimação, mas hoje em dia, por morar em apartamento, não teria um. Prefiro gatos, tanto que optei por ter 3.
Mas eu acho tosco essa 'obrigação' de gostar, seja lá do que for. Ninguém é obrigado a gostar de nada. Eu, por exemplo, não sou muito fã de crianças. Não tenho afinidade, não tenho jeito de brincar com elas, e optei por não ter filhos. Isso não significa que irei enforcar, jogar da janela, espancar crianças. Isso deveria ser óbvio, mas exigir que certas pessoas usem seus cérebros atrofiados já é pedir demais...

Blog do João Bigode postou 9 de maio de 2011 09:37

Alegria de verdade todo dia é só dos meus vira latas.Vou continuar limpamdo bosta feliz.

LEOA postou 9 de maio de 2011 10:01

Eu sou super fã do Ronnie Von hahahaha e não me sinto tímida em dizer, embora as pessoas me olhem estranho rs.
Gosto de cachorros, mas não faço uma imensa questão de ter um; prefiro gatos. Aqui em casa tenho um Pit Bull, mas quem arrumou foi meu pai, mas embora meu cachorro seja uma graça, uma moça no temperamento, o quintal fica sujo sim, é inevitável.
Adoro o jeito que escreve
Beijão

Anônimo postou 9 de maio de 2011 11:50

Eu adoro cachorro, mas confesso que acho meio nojento tê-los dentro de casa. Lugar de cachorro é no quintal! (Depois que fui morar em apartamento, só tive hamister, ocupa menos espaço e dá menos trabalho)

Beijos

Vanessa C. postou 9 de maio de 2011 19:13

Olá,
Reparou que ao falar sobre cães houve um aumento no número de comentários ? Parece mexer mesmo com as pessoas. Abraço

mvsmotta postou 9 de maio de 2011 19:37

Vanessa,

E não é que é verdade? Sempre que estiver me sentindo meio sozinho por aqui vou dar umas latidas... :P

Beijão!

Weslley. postou 10 de maio de 2011 15:20

Compartilho da mesma aversão a cachorros que você. Eu como filho de síndico de prédio pequeno, fui encarregado de entregar cartas, e as vezes que um, dois ou mais cachorros pulam em mim toda vez que um indivíduo abre a porta são incontáveis. Sinceramente, para mim o único animal que não exige demasiado esforço e pertubação são os gatos.

Parabéns pelo post.

Atenciosamente:
Weslley.

obssessaofashion postou 10 de maio de 2011 20:27

Well, bonitão, sou suspeita pra falar dos seus textos porque sou sua "fã" né? hehe

Mas se todos os que não gostam e não querem animais, tivessem essa atitude: muito bom!

O problema não é quem não gosta, e sim quem finge que gosta, pega, e não cuida, joga na rua.

Beijo!

Blackassia postou 3 de junho de 2011 07:56

Como em algumas opiniões anteriores eu gosto de bichos(desde que não pulem em mim,arranhem e babem),mas acredito que pior que não gostar de cachorro é não ter muita afinidade com crianças(para alguns entende-se como não gostar) e menos ainda daquelas conversinhas cuti-cuti que tem das donas falando dos bichos como se fossem crianças.NOSSA!essa parte me dá arrepios,mas escuto com um lindo sorriso amarelo no rosto rsrsrs
Inté.

Anônimo postou 10 de junho de 2011 11:33

li seu comentário, e tambem não suporto gatos e cachorros, principalmente pessoas que os tratam como humanos. Não maltrato, mas quero-os longe de mim. Eu e minha companheira estamos em atrito "vá gostar de bichos na casa do chapéu" andam por cima da cama, dormem sobre as roupas das visitas, sobem na mesa, geladeira, armários etc. e o pior vejo-a dizer constantemente para eles EU TE AMO, SERÁ QUE ELES SABEM O QUE É ISTO E ENTENDEM ? nem os seres humanos sabem mais o que é amor !!!!

Não tão blasé postou 14 de junho de 2011 16:21

Vi uma verdade nessa sua "saída de armário" que é tocar no assunto em uma conversa qualquer, gerando o mesmo tipo de reação na maioria. Isso é fato. Mas a maioria reage assim porquê o primeiro pensamento que vem na cabeça da pessoa é que, o não gostar é igual ao gostar de maltratar o animal.
De resto, gosto é que nem c* mesmo e cada um que defenda o seu. Normal.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo