Sabe o que é? É que eu estou com uns projetos...

Postado em 27 de mai de 2011 / Por Marcus Vinicius

Não existe algo como o "melhor emprego do mundo". Não é possível que um "emprego" tão bom a ponto de ser "melhor". Se é emprego, potencialmente é uma bosta.

A menos que seja o de fotógrafo da Playboy.
Empregos nada mais são do que você vendendo suas horas de vida, e mesmo não querendo soar tão dramático, afinal não é como vender um rim ou um dos pulmões, devo admitir que dependendo do trabalho que você exerça, será quase isso.

Bom mesmo é ser patrão e, melhor ainda, ser rico. Mas parece que as vagas para essas funções são um pouco mais concorridas do que as de vendedor de enciclopédia, operador de telemarketing e promotor da Herbalife.

Nunca vi emprego bom anunciado em jornal, você já viu algum? Aliás, até vi, mas geralmente tinha mais pré-requisitos do que os necessários para ser escolhido Papa.

Por isso mesmo um monte de gente fica à toa por aí, entregue ao passar dos dias, à contemplação e à Sessão da Tarde.  Não é por nada também que o sonho de muita gente é viver de renda ou, para aqueles mais desconectados da realidade, ganhar na Mega Sena (dizem que milionário da Mega Sena é o emprego com maior proporção candidato-vaga do mundo).

Mas a sociedade exige satisfações de quem não faz rigorosamente nada, afinal de contas, todo mundo raciocina da seguinte maneira: se eu acordo cedo, luto contra a soneca do despertador, pego engarrafamento, enrolo a manhã inteira, vou almoçar num restaurante a quilo, passo a tarde toda carregando 10 vezes o peso do meu corpo na forma de sono e preguiça, pego outro engarrafamento e já sei que no dia seguinte tudo vai começar de novo, preciso pelo menos fazer com que alguém que não passe por isso se sinta culpado.


E assim surgem as desculpas mais engraçadas do mundo, que as pessoas que não estão fazendo nada criam para se justificar perante à sociedade.

Primeiro tem o mais popular de todos atualmente, que é "estudar pra concurso".

- E aí? Quanto tempo, está trabalhando em que?

- Ah, tô parado, só estudando pra concurso...

Ele não menciona que passear com o cachorro, ler os jornais, assistir desenhos na TV, dar uma corridinha na praia de tarde e passar metade da aula do cursinho de "Direito Constitucional I" do lado de fora da sala dando em cima daquela loirinha de mini-saia não é bem "estudar pra concurso".

Existem outras desculpas interessantes, como "tô esperando saírem umas coisas aí", que soa como se algo importante estivesse para acontecer na vida da pessoa, mas que quer dizer somente que ela espera que na semana que vem aquelas 6 dezenas sejam sorteadas, senão vai ficar difícil até pagar os cinquentinha que pegou emprestado com o porteiro na semana passada.

Gosto também dos classicos-intelectuais, como "estou escrevendo um livro" e "vou fazer uma tese de mestrado".

- Pô, cara, legal, escrever um livro é meu sonho também, mas sobre o que será esse seu livro?

- Tipo, eu não comecei ainda, tenho umas idéias que preciso amadurecer primeiro. Estou em dúvida entre um romance sobre dois irmãos apaixonados pela mesma garota ou uma comédia sobre um cachorro falante.

Mas a melhor de todas é aquela que todo ex-BBB, sub-celebridade e ex-namorada de jogador de futebol fala quando perguntam o que andam fazendo da vida: ah, tô com uns projetos aí, sabe?

"Ter projetos" talvez seja o único que ganhe de "estudar pra concurso".

O que seriam estes projetos? Toda vez que vejo um ex-BBB dizendo isso me pergunto: será que um Shakespeare ou uma Fernanda Montenegro estava adormecida debaixo de toda aquela futilidade e silicone nos peitos?

O problema disso tudo é ninguém assumir que não faz nada e que adora não fazer nada, como se fosse um grande pecado não querer passar a vida trabalhando e só poder aproveitar um pouco de tempo livre quando todo esse tempo será gasto basicamente com visitas ao médico e banhos de sol.

Vivemos no tempo dos "workaholics" que nada mais são do que indivíduos que conseguem ser chatos 12, 14, 16 horas por dia, daí fica feio você dizer que prefere mesmo é ser aposentado.

E também tem aquele negócio de ficar meio chato pedir dinheiro emprestado pros amigos ou uma ajudinha dos pais quando o único esforço que você demonstra é o de caminhar lentamente até a praia, carregando aquela cadeira de montar e a última edição da Rolling Stone pra ler.

Pensando bem, taí uma coisa que só mesmo um prêmio da Mega Sena poderia resolver.

5 Comentários:

Amanda postou 27 de maio de 2011 08:21

Taí, uma coisa que eu nunca tinha parado pra pensar ^^ tudo verdade msm!

Isabel postou 27 de maio de 2011 10:25

A palavra "desempregado" tem um estigma pesado demais, e muita gente tem dificuldade de assumir. Assim como a maioria trabalha muito por necessidade, e não por ser workaholic, muita gente que está à toa na vida o está por não conseguir uma atividade, e não simplesmente porque quer.

Se eu pudesse, também gostaria de viver de renda ou ser uma milionária da Mega Sena, mas enquanto isso não acontece, tô aí com uns projetos, sabe... rs

Bjs

carol postou 27 de maio de 2011 10:42

hahaha é verdade. to aqui enrolando pra ir pro estagio e dei de cara com seu tweet. acho até q vc postou a essa hora de propósito, tudo planejado, né? o target de espectadores da sessão da tarde.

tenho uma amiga q n faz nada da vida: as aulas já acabaram, ela já fez a monografia, mas não entregou, e o contrato de estágio acabou. ou seja, ela tem todo o tempo do mundo para si.

a única coisa q me intriga é q ela sumiu da internet. totalmente! qd nos encontramos e pergunto oq ela faz de tarde:

"acordo meio dia. tomo café. vou pra piscina do prédio. volto. aí brinco com meu cachorro. levo pra passear. volto. aí vou tomar banho. almoço. fico vendo reprise de séries na warner..."

e por aí vai. eu tb seria capaz de passar meses assim, sem fazer nada. mas sumir da internet certamente n estaria nos meus planos.

agora falando sério: todo mundo devia ganhar bem o suficiente pra trabalhar menos. tipo os políticos q só vão trabalhar 3 vezes na semana (jamais o dia TODO) e tem 4 dias de folga. redução de jornada de trabalho ia acabar com o desemprego, já q ia ter o dobro de vagas existentes no mercado hoje.

o brasil tem um pib tão grande, podia ser aproveitado pra isso. mas aí vc vai me chamar de esquerdopata. mesmo assim acho q é o capitalismo q nos fez escravos... vc q se diz tão "de direita" n acha isso contraditório?

horas de vida desperdiçadas com trabalho tem q ser muito mais bem remuneradas pq é mto melhor o ócio do que fingir ser útil pra sociedade.

oq faz a gente sair da inércia é essa motivação financeira mesmo, oras. todo mundo q trabalha, trabalha por necessidade. do contrário, seríamos todos uns garfields. alguns querem se mudar pra um lugar melhor. outros querem comprar um carro. há quem só queira independência dos pais.

qd acabar a faculdade, mês q vem, vou virar "concurseira" tb. desempregada. e olha q eu sou inteligente e capacitada. c'est la vie :/

ps. sou dessas pessoas q vc começou a seguir só pra ganhar seguidores, mas gosto mesmo doq vc escreve.

Anônimo postou 29 de maio de 2011 09:52

Como sempre, excelente texto!
Bjs
Marise

Fernanda Lizardo postou 8 de junho de 2011 05:13

Quando lancei o Sexto Sexo, vira e mexe chegava alguém no MSN e perguntava: "E aí? Planos para outro livro?". E eu respondia: "Por enquanto não". E a pessoa tentava prolongar a conversa perguntando se eu ia fazer alguma outra coisa, se tinha projetos em mente e tal... Quando eu respondia "Não, não, só vou continuar a vida do jeito que está, no emprego de sempre, está bom assim" a pessoa do outro lado só faltava querer me bater. Parecia um pecado não ter "projetos" em mente. Talvez seja por isso que as pessoas sintam necessidade de sempre se dizer ocupadas... Acho válido, mas não caio na esparrela dos "projetos". Está ocupado mesmo? Então diga o que está fazendo, senão não acredito...

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo