Só prestam atenção em você quando você queria ser esquecido

Postado em 24 de jan de 2012 / Por Marcus Vinicius

Já percebeu como todo mundo resolve prestar atenção em você justamente no momento em que tudo o que você mais queria é que te esquecessem, ou seja, quando faz alguma merda? E não venha dar uma de certinho, porque com certeza alguma você já aprontou.

Furar aquela fila do supermercado entrando no caixa rápido com 50 volumes dizendo como desculpa que "são 20 rolos de papel higiênico, logo só conta como um ítem". Fingir que não viu um vizinho e deixar o elevador ir embora só pra não ter que aturá-lo tentando te vender um kit Herbalife pela décima-nona vez.

Assistir filme pornô no trabalho, falar com voz de criança quando está apaixonado, criar apelidos para o órgão sexual do parceiro. Mentir sobre o seu trabalho, dizendo que é o "gerente para prospecção e relacionamento com mercados digitais" quando na verdade é pago por hora para enviar emails de SPAM para uma mailing list que foi comprada a 5,99 no Mercado Livre.


Pedir o carro do seu primo emprestado para sair com aquela gatinha e ainda dizer que "está meio enjoado desse Honda Civic e não vê a hora do seu Zonda Cinque ser liberado pela alfândega", mesmo que seu meio de transporte regular seja mesmo uma Motorella, uma velha bicicleta Monark adaptada com motor de Mobilete.

Comer uma caixa de Bis assistindo CSI enquanto disse pra sua namorada que ia pra academia para finalmente se livrar dessa pochete que carrega na cintura, aproveitar enquanto seu namorado foi pro banho e revirar a caixa de mensagens e o histórico de ligações do celular dele.

Aproveitar aquele sinal vermelho para realizar uma faxina nas cavidades nasais, olhar a bunda da mulher do vizinho, aquela loira que passa a tarde na academia e fez implante de silicone com o mesmo médico da Pamela Anderson. Fingir que está falando no celular para não ter que aturar vendedor chato, amigo chato ou qualquer outro chato e de repente o telefone tocar, arruinando completamente sua ligação imaginária.

Ainda que você tenha lido tudo isso e pensado: ah, eu não faço isso, não. Posso garantir: ah, você faz sim. Se não alguma dessas coisas, outras que eu não estão aí e você sabe muito bem quais são, sabe mas não vai admitir, porque afinal de contas conseguiu esconder se safar até agora.

E no final das contas, a gente dificilmente se envergonha de fazer alguma coisa, o que a gente se envergonha mesmo é de fazer e os outros descobrirem. Você se arrepende é de ter sido pego.

1 Comentário:

Anônimo postou 24 de janeiro de 2012 11:01

Sad but true.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo