E o pessoal lá da rua?

Postado em 6 de jul de 2011 / Por Marcus Vinicius

Você entra no Facebook e vê que tem lá uma solicitação de amizade, abre a página e encontra a foto de uma morena de olhos verdes, linda, bonita e provavelmente bem gostosa (sabe como é, mulher quando é boa dá pra ver só pelo rosto o que vem do pescoço pra baixo).

Apesar de não fazer a mínima idéia de quem seja, uma estranha animação vai tomando conta, afinal, ainda que você saiba que uma mulher daquelas geralmente não dá mole pra um cara como você, não vai ser você que vai avisá-la disso.

E talvez isto te faça esquecer uma coisa muito importante, como já diz o batido ditado popular: quando a esmola é muita, até o santo desconfia. Só quem não desconfia é você, idiota, que clica em banners achando que vai ganhar um iPad de graça e pensa que chove mulher no Facebook.

Mas tudo bem, você aceita o tal pedido de amizade e minutos depois ela te procura na janelinha de chat:

- Tudo bem? Como vai?

- Tudo bem, e ai?

- Quanto tempo, né? Você está mudado!

- Pra melhor ou pra pior?

- Bobo!

Até aqui, você já percebeu que não faz a menor idéia de quem seja, ainda que ela te conheça. Sua mente gira em torno de duas possibilidades: era alguma baranga do seu colégio que ficou maravilhosa ou então você precisa urgentemente procurar um geriatra, porque sua memória está a perigo, afinal, esquecer uma mulher daquelas é imperdoável.

- Mas e então, você está casada?

- Nada, ninguém quer nada sério...

- Pois é, um problema!

Quem é ela? E se for alguma ex-namorada do seu irmão, alguém que te deu um fora durante aquele último porre que você tomou num casamento e tirou a avó da noiva para dançar macarena?


- Mas e aí? O que tem feito?

- Nada, trabalho demais e chego cansada em casa, só dá tempo mesmo de ir pra academia.

Arrá! Academia! Viu? Sabia pela cara que era gostosa.

- Mas e você? Tem saído muito? Muitas namoradas?

- Tô quieto, lendo, ouvindo música, passei da fase de pegação e bagunça.

Omita o fato de ter ido numa micareta no sábado, ainda que você deteste música baiana.

- E o pessoal lá da rua?

- Ah, nem vejo mais ninguém, mudei faz tempo, perdi o contato.

- Adorava ver vocês jogando futebol no campinho.

Campinho? Futebol? Porra, você jogava tênis e sua rua só tinha uma pista de skate.

- É, o campinho...

- Saudade do Pedrinho, do Alex, do Cabelo.

- Pera aí, eu não conheci nenhum desses caras lá na rua...

- Como não? O Cabelo era teu vizinho!

- Meu vizinho? Impossível.

- Você não é filho da Tia Thereza? Irmão do Paulo?

- Errr, não...

- Hahahahahahaha você é o cara errado então, tinham dois com o mesmo nome, achei que você era meu vizinho, achava ele tão bonitinho, mas você é o outro...

- Poxa, mas se você achava que ele era bonitinho e me achou parecido com ele, já é um começo, não?

- Ah, engraçadinho. Tenho que desligar, tá? Desculpe a confusão aí.

Depois disso, se te serve de consolo, um xará seu vai se dar muito bem, afinal alguma vizinha ficou boazuda e agora vai dar mole pra ele.

Pensando bem, não, não te serve de consolo.

9 Comentários:

Wow postou 6 de julho de 2011 14:20

HAHAHA,pior qe isso acontece muito gostei!

Carla postou 6 de julho de 2011 15:59

É Marcus, por isso que não entro nessas redes sociais, detesto.
O único e último orkut que tive, meu primeiro namorado apareceu falando um monte de gracinha, quando vi a foto do pobre quase cai pra trás e fiquei me perguntando como pude, estava um horror !! Acabei com tudo pra nunca mais.
O texto é a mais pura realidade e para os tantos que usam essa ferramenta pra se dar bem, vai um conselho : "nem tudo que parece é".


Beijo
Carla

Cavernas postou 17 de julho de 2011 16:16

Putsss que trágico isso...más foi quase hein...legal a historia.

Mariana Terra postou 31 de julho de 2011 20:36

Vamos ao seu 1ª parágrafo do texto: "mulher quando é boa dá pra ver só pelo rosto o que vem do pescoço pra baixo".
De início, já achei machista seu comentário. Mas daí achei que não! É pura verdade... constatamos eu e a Ju, uma amiga que tbm lê seu blog. E logo fomos ver se nossa fotinho do FB deixa bem claro se somos gostosas. Course, porque obviamente nós 2 somos muitíssimo gostosas! (auto-confiança é o que há!)
Mas daí me perguntei: como saber se o cara é gostoso pelo rosto?! Não dá. Homem enngana... Vc vê um rostinho de Gianecchini, um sorrisão num bocão a la Kauã Reymond, um cabelinho bagunçadinho estilo Bon Jovi... e quando se depara com o "pescoço pra baixo"... pura frustração!
Pois então examinei, constatei e achei a solução para as mulheres: olhe o braço do cara! Se o cara é gostoso, com certeza ele tem um braço de respeito! (o ante-braço conta hein.. se conta!) É todo o conjunto.. a mão tbm indica a gostosura masculina e já te dá uma idéia da "pegada" que tá por vir...
Não falo de músculos super definidos e bombados, de popeye, de tatuagens... nada disso! É uma sutil proporção do ombro até os dedos que indica qual o teor de gostosura do cara.
Meninas (e/ou meninos), analisem e me digam se é ou não verdade!

mvsmotta postou 31 de julho de 2011 20:53

Gente...isso dá uma tese antropológica...

(Auto-confiança é o que há, menos naquela gordinha com roupa de ginástica e barriga de fora) :P

Beijos, Mariana!

Mariana Terra postou 31 de julho de 2011 20:59

Tese antropológica.. rsrs! Essa é a vida dos pseudo-cronistas, não?! Espremer do cotidiano mais besta e infértil uma poesia meio xinfrim, uma tese não-acadêmica, mas que pelo menos nos oferece uma reflexão sobre esses existencialismos... sexuais ou não!
Bjo!

mvsmotta postou 31 de julho de 2011 21:02

Volta e meia estou andando pela rua, tropeço em alguma coisa e quando vejo, olha só, uma crônica toda oferecida (e no que depender de mim, elas continuam sempre facinhas).

Beijos!

Mariana Terra postou 31 de julho de 2011 21:09

Sim! E vivam essas pedras na rua!
Aliás, se o senhor me permitir, vou transformar esta minha tese antropológica em um postzin lá no meu blogzin, ok?! Mas não hoje...
Vou falar pra Ju, minha amiga, também dissertar sobre tal assunto peculiar!
Se o senhor gosta de falar das gostosas, das ratas de academia, das facinhas do FB, nós meninas também adoramos falar sobre a gostosura masculina! Nada mau! rs..

(e isso aqui tá virando chat, hein! chega né... parei! rs)

mvsmotta postou 31 de julho de 2011 21:10

Autorizada, claro! Sem problema nenhum, isso aqui é pra isso mesmo. :P

Beijos

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo