O ateu praticante

Postado em 2 de mar de 2010 / Por Marcus Vinicius

Como diziam os antigos, é "batata", basta um desastre natural, algum avião cair, um terrorista explodir uma lanchonete, chover mais de 10 dias seguidos ou fazer seca mais de 30 que logo aparecem os ateus e agnósticos com sua pregação anti-deus.

Por mais esquisito que possa parecer usar o verbo "pregar" em relação a estas pessoas, o exagero e a licença poética nesse caso são quase obrigatórias, porque o que leio de vez em quando assemelha-se muito no fanatismo e na repetição enfadonha ao que esses pastores evangélicos fazem na TV, com a diferença de que uns falam de "deus" sem parar, buscando arrumar uns trocados e outros falam da não-existência deste, procurando impor seu ponto de vista.

Tanto uns quanto os outros são chatos de doer.

Tem aquele sujeito que qualquer coisa que você fale com ele, desde sua dor de cabeça até algum amor não correspondido, e ele atribuirá tudo a "deus". Todos os caminhos levarão a Roma.

Outros são aqueles evangélicos que antes de serem somente evangélicos são anti-católicos. É um tal de "idólatra" pra cá e "papa-hóstia" pra lá que concluímos que sem um antagonista de respeito, eles nem seriam tão religiosos assim.

Existem ainda os que acreditam em Deus, este sim merecendo a maiúscula que tanto incomoda os ateus, mas o fazem quase in pectore, não importunando ninguém com sua crença, praticando-a na intimidade e nos momentos oportunos e que lhe são reservados, não enchendo a paciência de outrem com isso.

Estes são bem menos "fanáticos" e chatos do que o ateu praticante.

Este se pudesse e não fosse totalmente contra os seus princípios ergueria até uma igreja para adorar o seu não-deus. Quem frequenta e lê constantemente o Twitter vai se deparar com vários deles por lá, com sua pregação anti-credo.

"Aonde estava deus na hora do terremoto do Haiti?", "Porque deus não matou o terrorista antes da bomba explodir?", "Rezem e peçam frio ao invés de comprar ar-condicionado, afinal, deus não existe?", "O seu deus gosta mais de suecos do que de senegalezes, já que uns são ricos e outros miseráveis?", "Porque tanta doença no mundo se existe um deus bom por aí?".

Não vou entrar aqui em explicações ou justificativas religiosas, bíblicas para todas estas questões, que são válidas e qualquer um tem todo o direito de fazer, mas na realidade quem as faz repetidamente não questiona nada, apenas lança perguntas retóricas que "provam seu ponto".

O objetivo aí não é esclarecer e nem debater, é rotular aqueles que preferem crer que exista um Deus de "idiotas", "ignorantes", "teimosos" e colocar-se acima desses reles mortais, apresentar-se como detentor de uma verdade e um segredo maiores até do que os supostamente escondidos nos arquivos do Vaticano.

A moral da história aqui, é que esse tipo de gente é tão fundamentalista, ainda que vários destes termos sejam teoricamente inaplicáveis a ateus, que agem como inquisidores da Idade Média, como Mulás emitindo suas fatwas condenando Deus e os que acreditam nele à morte intelectual e, talvez, até mesmo de fato.

Consideram-se tão "iluminados" quanto os pastores evangélicos televisivos ou padres do Século XIII, condenando os que escolhem ter religião a uma espécie de "inferno", onde no fim sobrará o vazio de ter acreditado em algo que eles acreditam não existir. Notam a ironia?

No final das contas, aquela prática de cada um cuidar da sua vida fica mais uma vez esquecida e agora além de temer que minha campainha toque e seja alguma Testemunha de Jeová querendo me vender revistas, precisarei olhar com cuidado pra ver se não é algum ateu-praticante querendo me converter à sua não-religião.

20 Comentários:

Anônimo postou 2 de março de 2010 08:00

Dudu Caribé 2??????? não!!!!!! a missão, deixou seguidores. Deus!!!


Carol

mvsmotta postou 2 de março de 2010 08:03

Confesso que não entendi nada do comentário acima.

Abraços a todos os envolvidos.

Marcus

PatDuarte postou 2 de março de 2010 08:13

Nem todo o ateu é chato, assim como nem todo o crédulo é chato. Não dá pra generalizar. Qualquer forma de pensamento ou convicção não deveria nunca ser imposta, independente do que for.
Cada um no seu quadrado!

mvsmotta postou 2 de março de 2010 08:16

Eu sei, Pati,

É que o ateu tranquilo é o "não-praticante". ;)

Bjs!

Solange postou 2 de março de 2010 08:17

Confesso que embora nascida numa família católica,nunca fui lá muito religiosa.Fanatismo então passa longe.Todos os ismos me incomodam de alguma forma.O ateu,achando-se dono da verdade,chega pela contramão,perturbando em vez de mostrar seu ponto de vista.Nunca conheci um ateu,e pelo jeito não perco nada.

Mr. Jåµë§ ßønd postou 2 de março de 2010 08:37

:: Eu sou dos que acreditam que os Ateus tem que sair logo do armário e mostrar que somos maioria.

O Vaticano podia começar, dando o exemplo.

Isabel postou 2 de março de 2010 09:22

Essa categoria de "ateu praticante" eu não conhecia, rsss. Então posso me considerar atéia não praticante. Afinal, se não acredito em religião, deus, etc, não vejo porque perder meu tempo com isso, e muito menos incomodar os outros impondo a minha visão. Por outro lado, também não quero ninguém me enchendo o saco tentando me converter. A questão é apenas saber respeitar as diferenças de opinião e crença!
Bjs

Mr. Lonely postou 2 de março de 2010 09:24

Conclusâo: Todo e qualquer fanatismo é prejudicial aos indivíduos e à coletividade nas relações entre si.

Sr. Acaso postou 2 de março de 2010 09:30

Ótimo post. Sintetizou muito sobre os ateus "donos-da-verdade" que acham que um simples desastre natural é grande o bastante comparado ao universo, ou comparado ao um ser maior seja lá como você denomine. Não tenho nada contra o ateísmo, desde que a pessoa não creia nisso simplesmente por que algo deu errado na vida dela.

MassaG postou 2 de março de 2010 09:30

Olá, Marcus.

Não sei se concordo. Talvez eu não seja o que você classifica como "ateu praticante", porque não fico fazendo provocações e insinuações aos religiosos em cada tragédia. Mas não o faço não por ser pacífico, mas por ser covarde. Todo ateu tem de suportar durante a vida INTEIRA provocações vindas do lado contrário, e tem de ouvir bobagens como "um dia você vai acreditar", ou "quando você tiver numa cama de hospital você vai acreditar". E isso é definitivamente mais chato do que as dúvidas levantadas pelos ateus aos religiosos.
Portanto, acho que o ateu tem mais é que aproveitar essas oportunidades e apontar as inúmeras incongruências que a religião tenta mascarar. Porque certamente os religiosos não perdem nenhuma oportunidade para humilhar o ateísmo, impulsionado pelo fato de que a maioria (será?) das pessoas é religiosa.

Um abraço.

titiao93 postou 2 de março de 2010 09:42

Alguém me explica o comentário do Sr. James Bond? hahaha
Qualquer fanatismo é chato, mas todos são livres, tanto pra serem quietos quanto pra chatearem, e nós, pra gozarmos na cara, quer dizer, da cara, dos que pensamos ser ignorantes.

Leonardo Castro postou 2 de março de 2010 09:48

Ateus-praticantes aprendam com a Cleycianne.

Alberto Lozéa postou 2 de março de 2010 11:10

Posso responder as perguntas que citou e não respondeu pq não era a intenção do seu texto e a resposta é simples.

Deus não tem nada a ver com o que acontece aqui. São raras as vezes que ele intervem por aqui, pois não cabe a ele intervir!

Nós aqui devemos caminhar com nossas próprias pernas e aprender a nos cuidar sozinhos e é por isso que todas essas mazelas acontecem.

Nós devemos cuidar de nossos pobres e de nosssas doenças e Deus dá todas as condições para isso. Cabe a nós usarmos os recursos que ele provém. Ele nos observa, mas não pode intervir, mas um dia chegaremos lá, é inevitável! Abraço...

Jubarulho postou 2 de março de 2010 13:19

Engraçado... "Qualquer forma de pensamento ou convicção não deveria nunca ser imposta, independente do que for." Pareceu-me uma imposição!

Se o Blog é seu, é a sua opinião que está POSTADA e não IMPOSTA.

Bom, mas não é isso que importa. Adorei o texto. Parabéns. Quem entendeu realmente, não colocou sua opinião quanto à d(D)eus aqui.

Já os que não entenderam... bom, esses é que não tem salvação (desculpe, não pude deixar de soltar esse veneno)!

Leandro Vianna postou 2 de março de 2010 16:05

Por isso que eu digo...verdadeiro Ateu é aquele "não praticante", pois esse não tenta impor as pessoas o que ele acredita e não se considera um ser "iluminado", superior aos "pobres ignorantes" que acreditam em deus.
Não escondo meu ateísmo de ninguém e por isso tenho que aguentar muitas provocações e piadinhas. Claro, sempre coloco o porque de minha não crença, meu ponto de vista a respeito do assunto, mas nunca tento impor minha "não crença" como sendo a verdade absoluta. Nunca tive esse tipo de comportamento do "ateu praticante", até pq se eu não gosto de provocações e piadas, pq irei repetir um comportamento que considero grotesco? Da mesma forma que respeito a escolha religiosa das pessoas, cobro que respeitem meu ateísmo.

BOLINHA postou 3 de março de 2010 03:57

Eu, ateu não chato (não praticante?? :-D ).

Nunca fui hostilizado, mas nego pergunta se sou Ateu, confirmo que sim, vejo um nariz que torce de fazer curva. :-D

Quando não tem aqueles que despejam um monte de perguntas sobre a bíblia dizendo que sou Ateu por não conhecer a Palavra.

Foda-se a palavra, foda-se o fanatismo, eu quero conhecer o mundo, seus sabores, seus moradores e seus hábitos, o resto é passageiro.

=oD

Denise postou 3 de março de 2010 12:01

Qualquer tipo de fanatismo é uma bosta... Aliás, quer ver conversa mais horrenda é crente fanático discutindo com ateu fanático.. sai cada ''pérola'' que dá vontade de sair correndo hehehehe..
Se cada um respeitasse as crenças (ou não-crenças) dos outros, tudo seria muito melhor.. Mas.. isso é uma utopia, pq o ser humano no geral sempre tem que provar que ELE é quem está com a razão. E isso não acontece somente com religião ou falta dela hehehe.. ô coisa complicada é o ser humano... :P
bjs

martins111 postou 4 de março de 2010 06:08

CARTA ABERTA AOS SERES HUMANOS

Precisamos cair na real, não nascemos do excremento. Somos criação de uma mente perversa e sem escrúpulo. Para compreender esta afirmação, basta ver o potencial de maldade que foi depositado dentro de nós. Este criador nos criou com apenas uma intenção, provar ao seu Criador que era capaz. Exatamente pelo mesmo motivo que construímos nossas coisas. Na verdade, buscamos reconhecimento. Mas tem um agravante, este criador perverso, está defendendo uma causa jurídica pessoal, frente a uma corte celestial. Ele alega que foi injustiçado pelo amor daquele que o criou. E está nos usando para contar sua versão dos fatos. Acontece que infelizmente, Ismael representado pelos Árabes e Isaque representado por Israel, são seus principais protagonistas. A mensagem é clara, o filho primogênito, Ismael, representante de Jeová Criador da Matéria, foi desconsiderado diante da comunidade celestial, por um suposto erro no amor de Seu Pai. E o filho Isaque – Jesus, a plenitude do amor do Altíssimo - foi por isso, odiado por seu irmão Jeová, que o matou em seus sentimentos feridos. Como conseqüência, houve uma batalha no céu, os seguidores de Jeová, batalharam contra os seguidores de Jesus. Dessa batalha espiritual, dois terços do céu permaneceu fiel a Jesus, e um terço veio para as trevas exteriores com Jeová. Deu-se assim, o universo físico que conhecemos. Um falso mundo que está rapidamente se extinguindo na imensidão de trevas em expansão. A audiência está marcada é o juízo final. Jeová apresentará os acontecimentos em seu mundo perecível, como prova da sua inocência. Esses acontecimentos formam a história sagrada dos povos que descendem de Abraão. Na última cena desse drama, está a batalha pela primogenitura realizada pelos descendentes de Ismael, contra os descendentes de Isaque. No último momento dessa batalha a humanidade será julgada pelo seu criador. Infelizmente, para os seres dessa natureza, de acordo com Jesus Cristo em João capítulo 16, Jeová, foi vencido em seus argumentos no seu próprio drama. Porque Jesus preferiu morrer a romper com o amor do Pai Celestial, demonstrando que ama seus semelhantes acima de sua vida. Com isso, Jeová Lúcifer, perdeu sua causa e admitiu sua derrota. E como, auto sentença, permanecerá nas trevas exteriores com dois terços dos seres humanos que não conseguiram repetir o feito de Jesus Cristo. Enquanto um terço compreenderá e seguirá novamente para glória com Deus Altíssimo, para a dimensão que não conhecemos, mas que se abrirá em breve para que todos possamos visualizar. Isso acontecerá após a batalha final e o juízo final, quando Jesus nos receberá nas nuvens de forma triunfante (Mateus cap. 24). Por coincidência, esse um terço que está retornando são os mesmos que saíram do céu com Jeová Lúcifer. E os dois terços que nas trevas exteriores ficarão com Jeová, são seus, criados a partir de seu ser, os quais não conhecem o pleno amor de Deus, em Jesus Cristo, nosso salvador e libertador. Eu vou - você não vai?

Portanto, eis os avisos que Jesus tem nos dado: Quem mora em edifício, exija meio de fuga rápido. Porque até o momento final, não ficará um edifício de pé. Porém será progressivo o problema. Quem mora perto de praia, progressivamente o mar tomará todas as áreas baixas e a seu nível. Haverão tufões, furacões, maremotos e todo tipo de coisas horríveis, que acontecerão progressivamente. Quem mora nas terras elevadas serão visitados por raios, chuva de pedra, vendavais e coisas terríveis dessa natureza. Tudo que Jeová já praticou antes e foi relatado nas Sagradas Escrituras, agora será em escala universal. Quanto as guerras, infelizmente, progressivamente iremos ao dilúvio de fogo. Pedimos que visitem nosso blog e nossas páginas para que possam compreender tudo que aqui está escrito. Clique em Martins111.

Guilherme postou 4 de março de 2010 09:46

Olha o chato aí em cima. :-D

Chato! :-D

Liliane postou 8 de abril de 2010 20:27

Eu não tenho religião mas não me considero atéia, pessoalmente acredito em deus.
A gente quer acreditar que Deus é um empregado a nosso serviço, que fica levando todos pela mão a todo tempo, e se acontece um acidente por falha nossa, resposabilizamos Deus, se fizemos casas embaixo de barrancos prestes a ceder e acontece uma tragédia é porque o mundo está acabando.
A terra sempre passou por modificações naturais, sabemos quais as áreas que estão propensas a terremotos que sempre ocorreram, pois oa continentes mudam de lugar, sempre foi assim.
Crensas a parte, o melhor a fazer é procurarmos viver da melhor forma possível, e não impor nossas opiniões pessoais ao outro, este é o único mundo que conhecemos, portanto não interessa se você acredita em Deus, em lúcifer etc... faça do nosso mundo seu paraíso, pois é o único céu e o único inferno que sabemos que existe.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo