Rent-a-Tweet ou "dou RT por comida"

Postado em 22 de set de 2010 / Por Marcus Vinicius

"Eu quero ganhar a camisa oficial da #LojadoChato2010! Siga a @lojadochato, dê RT e participe. Saiba + www.lojadochato.chato.pra.kct"

Quem sai na chuva, é pra se molhar. Quem entra no Twitter é pra se aporrinhar, várias vezes, por vários motivos. Se já não bastassem os joguinhos, as brincadeiras bobas, as correntes e todo o "conteúto-Orkut" disponível, algumas empresas resolveram que espalhar spam em forma de promoções é a melhor maneira de divulgar seus produtos e serviços.

Começam criando um perfil no Twitter, passam a seguir algumas pessoas e aí iniciam mais ou menos a mesma pática: estabelecer metas de seguidores - "quando atingirmos 10 seguidores sortearemos um chaveiro" - e pedir que as pessoas dêem RT (retweet, ou seja, repassar a mensagem adiante) em promoções esdrúxulas tipo "Dê RT e concorra a um desconto de 5% na compra de uma latinha de Red Bull".

Não sou especialista em redes sociais, em divulgação na internet, viralização e todo esse blablabla que é estudado e debatido em fóruns e congressos, mas entendo um pouco de consumo - já que eu mesmo sou um consumidor - e tenho certeza de que esse tipo de ação promocional só queima o filme da marca.


Primeiro contigo, que não deseja participar dessas chatices e no entanto recebe as mensagens do mesmo jeito, já que em todo grupo de pessoas existem aqueles que se especializam em adotar todo modismo e prática cretina, e fatalmente você seguirá alguma delas no Twitter. 

É o que costumo chamar de "cota do chato", todo mundo precisa reservar 20% das vagas do seu círculo social para eles.

Depois, queima o filme entre os próprios chatos que repassam as mensagens, porque canso de ver alguns reclamando que "dão RT em tudo, mas nunca ganham nada". Uma pena, pois eu acho que todos eles deveriam ganhar um chute no olho.

Não entendo muito esse fetixe por ganhar coisas de graça. Não me leve a mal, é uma delícia chegar num lugar e ser recebido por uma bela mocinha que te presenteia com uma camiseta, um CD, uma caneta ou qualquer outro brinde, mas é algo totalmente diferente você passar os dias em sites de brindes, preenchendo formulários, enviando emails ou dando RT em mensagens no Twitter, tudo isso só pra no final ganhar um chaveiro que você mesmo não compraria nem por R$ 1,00 no camelô da esquina.

Porque acredite: tirando brindes vagabundos e chutes no olho, a chance de você ganhar um iPhone porque participou de uma promoção bizonha na internet é a mesma de ganhar numa loteria. No lugar dessas pessoas, eu particularmente preferiria investir na loteria.

Mas como vivemos num país livre, eu exerço meu direito de bloquear sumariamente qualquer um que me repasse tais promoções e essas pessoas, se quiserem, podem continuar a exercer orgulhosamente o seu papel de mendigos virtuais.

6 Comentários:

Babiih Arkefeldt postou 22 de setembro de 2010 10:55

Coerente, verdadeiro e bem exposto. Comentários originais, numa linguagem simples. Eu realmente adorei. Afinal mostra a mediocridade da mentalidade de vários brasileiros, por objetos banais e promoções que quase sempre resulta em nada.

Guto Arruda postou 22 de setembro de 2010 10:58

Receber um brinde ou um agrado através de uma degustação de uma pessoa bonita e bem preparada é realemente muito bom. O problemas com esses spams no Twitter é certamente a MANEIRA como é feito; as redes sociais e a proprie internet está re-inventando o modo como as empresas se relacionam com seus clientes. Acontece é que as empresas querem fazer na internet p que fazem no mundo físico,não vai funcionar mesmo. O que falta é "pensar fora da caixa" para alguns é muito dificil isso.

Fred Rocha postou 22 de setembro de 2010 11:06

Penso que tal comportamento bizarro seja lá talvez uma espécie de "cleptomania passiva", isto é: 'eu pudia tá robânu, má tô aqui pidinu incarecida i ridiculamente!'
Tem maluco pra tudo nessa vida...

Visitem também o meu blog: http://partindo-do-absurdo.blogspot.com

Ivete postou 22 de setembro de 2010 12:31

Putz! Eu também não entendo essa compulsão que as pessoas têm em correr atrás de prêmios, que na verdade não passam de meros brindes, não raro, tipo o tal chaveirinho citado por você. Vá entender o ser humano...
Fez uma ótima avaliação. Parabéns.

Rosângela Monnerat postou 22 de setembro de 2010 14:00

Acho que já estou aparecendo muito por aqui, não?
Mas não estou me consumindo, pelo contrário!
Me vejo no cenário, apenas à disposição do recado, e do que vem na minha direção.
Em janelas abertas muitos chamam. E pode entrar muita poluição, claro. Mas também vem beija-flor, sistemático, que não larga fácil o que de bom encontrou.
Pássaros me trazem uma idéia feliz. Nunca os vi maltratando ninguém.
A qualquer ameaça se largam a voar, livres para seguirem e serem seguidos. Apenas bicando, onde se sentem nutridos, e sem risco de enganação.
Vim à sua janela agora, e não pude deixar de bicar mais uma vez, como um pássaro acolhido.
E que bom, nada a comprar, nada a vender.
Apenas a imagem do beija-flor, batendo asas, sugerindo harmonia em pressa.
Porque afinal, tudo é mesmo muito rápido por aqui!
Desculpa aí, se fugi do tema. Detesto prender-me.

Bj!

Gustavo Ca postou 23 de setembro de 2010 05:34

Ah, eu já ganhei livro numa dessas promoções RT, era de um outro blog. Só assim, com moderação, hehe..
Mas quando é esse fetiche, acho que é explicado pelo mínimo esforço. A pessoa tá lá sentadinha na frente do monitor e tudo o que precisa fazer é dar uns cliques pra se sentir na possibilidade de ganhar alguma coisa, se sentir levando vantagem sem ter nenhum trabalho, o que vier é lucro, é isso que move.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo