Faça uma pose: vogue! (Ou o dia que o mundo da moda resolveu sacanear o resto do mundo. Ou vice-versa)

Postado em 24 de jan de 2011 / Por Marcus Vinicius

Carlo Armenfeld era um estilista muito famoso. Meio italiano, meio sueco, neto de judeus e com um bisavô comanche, ele era rico, poderoso, capa de todas as revistas de moda mais badaladas que existem, possuía lojas em Tóquio, Paris, Roma, Milão, New York, Rio de Janeiro, Ibiza e, claro, Duque de Caxias.

Ele havia chegado ao ápice de todo estilista com sua marca: ser pirateado na China e vendido em todas as feirinhas de subúrbio que se prezem. Só aí ele teve certeza de que atingira a excelência.

Um dia, no auge da glória, entediado durante mais um desfile de biquinis no Fashion Rio - essa embaixada da moda e da futilidade encravada como uma unha no pé rachado do subdesenvolvimento - Carlo teve uma idéia: iria sacanear todo mundo.

Porque não? Ele já tinha vestido a Madonna, já tinha desenhado uma saia de espigas de milho para a Lady Gaga, já havia criado um vestido de noiva para alguma princesa de segundo escalão das monarquias remanescentes da Europa e, claro, já tinha vestido algumas atrizes na entrega do Oscar.

Precisava inovar e entendeu que a sacanagem seria sua inovação.

Pra começar resolveu só contratar modelos gordas. Mas entenda, não valia considerar gordas pessoas com aparência de que não são viciadas em heroína e se alimentam fazendo fotossíntese, ele queria algo mais pra rodízio de pizza mesmo. Começou a expor suas roupas entre culotes, celulites e estrias.

Só que ainda assim as pessoas poderiam fazer ajustes e diminuir aqueles manequins 40, 42, 46 para tamanhos mais afeitos ao mundo da moda, como, sei lá, 32, 33. Decidiu então desenhar roupas bregas.

Ombreiras, pochetes, calças bag. Tudo voltava com força total, tal qual um surto de gripe espanhola.


Mas isso se restringia apenas às passarelas e Carlo queria mais. Começou a plantar notas em colunas sociais e revistas "fashion" dando conta de que agora só era "in" quem comesse feito um porco.

Batatas fritas, bacon, sorvetes, filés gigantescos acompanhados de bastante molho de gorgonzola, quanto mais gordice você fizesse à mesa, mais estaria em sintonia com Milão, Paris, Tóquio, bla, bla, bla.

Tomar sopa fazendo barulho e comer frango com as mãos então era coisa assim, só pra uma Gisele Bundchen, que a esta altura estaria gordíssima, pesando, sei lá, uns 63 quilos.

A cartada final se deu quando Carlo, usando sua influência de grande anunciante, convenceu editores de revistas semanais a publicarem entrevistas fajutas com alguns médicos dizendo que bom mesmo era se alimentar com sódio, açúcar, gordura trans e todos os tipos de carboidratos possíveis.

Os doutores discorriam alegremente sobre as benesses do creme de chantilly, da pasta de amendoim e da picanha mal passada com gordura.

As pessoas mal podiam acreditar no que acontecia. Tudo aquilo que antes "não podia", agora não só era permitido como ainda por cima passara a ser cool. Bobs no cabelo, sungas de crochê, pulseirinhas hippie e até as sandálias Croc conseguiram sua redenção.

Tudo corria conforme ele tinha pensado quando decidiu que iria sacanear o mundo, só faltava escolher a data onde anunciaria aquele 1º de Abril de Itu.

E Carlo só teve a certeza de que sua obra estava completa quando, passeando pelos camarins de um de seus desfiles de moda,, onde apresentaria sua nova coleção de calças saruel-corsário, viu uma modelo escondida num canto, morrendo de medo de ser pega.

Ela comia nervosa uma folha de alface, engolindo tudo de uma vez antes que alguém a pegasse com a boca na botija e sua fama escorresse pelo ralo.

6 Comentários:

Ramon postou 24 de janeiro de 2011 09:08

Criatividade Incrível, Parabéns!

Ninon Forbeck postou 24 de janeiro de 2011 09:15

Ahhh, como eu queria que fosse verdade...

Tatá Bonjour postou 24 de janeiro de 2011 09:31

Adorei!!!

Rafaewh postou 25 de janeiro de 2011 07:10

O pior foi eu tentando identificar quem era esse estilista! A ficha demorou, mas caiu. Adorei, muito legal e improvável.

Rafaewh postou 25 de janeiro de 2011 07:13

O pior foi eu tentando identificar quem era esse estilista! A ficha demorou, mas caiu. Adorei, muito legal e improvável.

Maysa postou 25 de janeiro de 2011 14:30

acho que minha ficha não caiu também, pelo visto...
Tornei-me burra ou emburreci-me...

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo