Por favor, olhe pra mim, eu tenho mamilos

Postado em 11 de jan de 2011 / Por Marcus Vinicius

Todo mundo tem mamilos. Algumas pessoas possuem até três ou quatro, um excedente que precisa ser removido no cirurgião plástico.

Todo mundo também nasceu nu, depois é que chega alguém, nos cobre e dá início a toda uma indústria do erotismo baseada simplesmente em devolver-nos à nossa condição básica que é a de sermos pelados.

No entanto, mesmo sabendo disso, a falta de um acesso mais universalizado à putaria - ou seja, os tempos pré-internet - mobilizou milhões de dólares em revistas, fotonovelas e filmes do Buttmann, escondidos num canto proscrito das locadoras de vídeo.

Jamais esquecerei quando eu era moleque, com meus 11 ou 12 anos, como era uma verdadeira aventura comprar as edições da Playboy ou da Ele&Ela com a Luiza Brunet, Cláudia Egito, Monique Evans ou Vanessa de Oliveira.

Chegava na banca já intimidado por aquele aviso no plástico que envolvia as "revistas de sacanagem": proibida a venda para menores de 18 anos.

Mas o jornaleiro precisava comprar o leite dos filhos, então fazia vista grossa, só que um pequeno tratrinho era necessário:

- Bom dia, me dá um Jornal do Brasil e um Recruta Zero, por favor.

- Claro, aqui está, mais alguma coisa?

- Ah sim, uma Playboy pro meu pai também.

E assim eu ia feliz para casa, folhear e me divertir com aquelas imagens de xoxotas, peitos, coxas e bundas, que depois eram devidamente escondidas no fundo do meu armário, atrás das calças compridas e debaixo da caixa com os gibis do Recruta Zero.

Hoje a coisa melhorou, quer dizer, ficou mais fácil. Um moleque que mal passou dos 8 ou 9 anos dificilmente conseguirá navegar pela internet sem que uma dupla de mamilos ou uma calcinha fio dental pulem em cima dele inesperadamente.

É uma situação tão descontrolada que existem softwares para uma navegação segura, que certamente se tornarão um obstáculo quando o moleque virar um rapazinho de 12 anos.


Existe o Red Tube, o You Porn, o Porn isso, X- aquilo. É um sem número de sites com vídeos variadíssimos, que atendem a quase todos os fetiches que a mente humana consegue criar (e olha que não são poucos).

E ai entra a minha dúvida cruel: o que, além de carência e de uma necessidade quase lancinante de atenção e aprovação (ainda que falsa ou na forma de grunhidos e elogios de punheteiros virtuais) leva uma garota a ficar se expondo em fotos, vídeos no You Tube ou nessas câmeras ao vivo que viraram febre na internet?

Algum moderninho vai me chamar de careta, vai dizer que eu tenho inveja ou então que só falo mal porque nenhuma delas quer me dar alguma coisa, mas vamos ser honestos: baseado puramente no exibicionismo virtual, elas dão alguma coisa real para quem?

Desculpem os avançados, mas sexo virtual pra mim é o mesmo que não fazer sexo. Qualquer atividade que não envolva troca de fluídos e até mesmo o risco de alguma doença venérea pra mim pode ser qualquer coisa, menos sexo.

Ficar vendo o peito de uma garota lá de São Paulo e babando ovo dela como se eu tivesse saído daquele buraco dos mineiros chilenos, simplesmente pelo direito de ver o outro peito, é uma idéia muito estúpida na minha humilde opinião.

Um bom exemplo é no Twitter, onde existe o tal "lingerie day", no qual garotas e caras colocam fotos de calcinha, sutiã e cueca (nem sempre nessa ordem) durante um dia inteiro. Qual o propósito? Esqueça os homens, simplesmente me recuso a emitir opinião sobre machos de cueca, foquemos as meninas.

Nada do que elas mostrarem ali será diferente do que aparece todo dia em páginas de revistas, na novela das oito e até no Programa da Xuxa, pra que então? Carência, necessidade de atenção, urgência por uma bomba de encher pneu de bicicleta acoplada ao ego.

Não nego que um monte de sujeitos chamando de "gostosa", "maravilhosa", entre outras coisas deva fazer bem às frustrações do dia a dia, mas aquelas moças que enfeitavam as Playboys que eu comprava quando era moleque ganhavam muito mais do que elogios em troca da exposição.

Para essa turma das câmeras, dos showzinhos ao vivo e das fotos de calcinha, sobra somente a invasão da privacidade (às vezes em níveis comparáveis a um exame ginecológico) e a fama de "putinha da internet".

Sim, rotulo mesmo, porque não vai ser a inteligência que vai chamar a atenção nessa hora, ainda que muitas delas sejam inteligentes.

Não subestime o poder de um monte de pêlos pubianos. Nenhuma tese de mestrado ou teoria sobre a origem do universo é páreo para eles.

E pros expectadores? Esses ávidos onanistas que fazem de tudo para ver uma nesga de mamilo, uma fatia de virilha, um naco de bunda, como se vivêssemos ainda no tempo das anáguas?

Não sobra nada, no máximo, uma punheta mal batida.

6 Comentários:

Anônimo postou 11 de janeiro de 2011 10:03

Realmente, a mais pura verdade. Queria postar algo mais inteligente, mas estou com preguiça...

Mônica Pinheiro postou 11 de janeiro de 2011 10:22

Também não curto o sexo virtual e acho uma verdadeira babaquice.
Concordo com vc que esta exposição é uma verdadeira bomba para o ego das garotas. É só isso mesmo o que sobra pra elas. Devo completar, dizendo que muitas querem ganhar fama e dinheiro através da Internet e encontram essa forma de serem notadas (quem sabe algué as convida para fazer a novela das 8 e por aí vai).
É o lixo virtual.
Abraços,
Mônica
http://www.redenacional1.blogspot.com

Luiz Fernando postou 11 de janeiro de 2011 10:29

"Lingerie day" ???

E eu já achava que só a lista dos trending topics já era prova do quanto a idiotice avança em escala global.

Maysa postou 11 de janeiro de 2011 11:33

"Não subestime o poder de um monte de pêlos pubianos. Nenhuma tese de mestrado ou teoria sobre a origem do universo é páreo para eles."
Concordo com tudo o que você descreveu, de uma forma fantástica,
a maneira que eu gostaria de dizer tudo aquilo. Tem um nome para exibicionismo sexual:tara,doença.
Mas a sua frase copiada acima vai além de tudo e me relembrou Sharon Stone,com useu QI de 170:"Dê-me uma vagina e mostrarei o que posso fazer dela!" em entrevista de uma revista americana.
Marcos, você esqueceu que os homens
comem até merda, e graças, você, não...A cada dia te respeito mais!
Beijos Angela (não é cantada; posso ser sua mãe!!!)

Carla postou 11 de janeiro de 2011 11:41

Dia desses recebi um email, numa de deboche mesmo.
Mostrando uma menina de vinte e poucos anos se dizendo de boa formação e tal, mas que ela e o namorado tinham o fetiche de se mostrarem em poses sensuais. E o telespectador (idiota) poderia escolher a calcinha que ela usava pra COMPRAR (usada com cheiro) que chegaria via sedex em sua casa (!!!!????) Com que finalidade ???
E tem imbecil que compra.

abraços

Rafaewh postou 12 de janeiro de 2011 01:49

Não sobra nada, no máximo,
uma punheta mal batida.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo