Lembrete importante: Twitter não é Orkut.

Postado em 28 de ago de 2009 / Por Marcus Vinicius

Parece uma dica redundante, não é?

Óbvio que o Twitter não é Orkut. Os dois podem ser considerados "sites de relacionamento"? Na minha opinião sim, mas deixo para os "especialistas" em internet a palavra final.

Seja como for, essas duas redes sociais (esse termo que faz os entendidos molharem as calças) são tão diferentes no seu propósito quanto um sapato difere de um tênis. Ambos servem para calçar, mas não servem para a mesma coisa.

Orkut e Twitter servem para entrar em contato com redes de pessoas, por conhecimento ou afinidade, mas terminam aí suas semelhanças. Aliás, terminariam.

Assim como os brasileiros pegaram um site que foi criado para encontrar velhos conhecidos, agrupar pessoas com interesses em comum, fazer novas amizades e transformaram em um favelão com o objetivo de bater boca, fazer fofocas da vida alheia, expor pessoas ao ridículo, praticar difamação, apologia aos mais diversos tipos de crimes, exposição excessiva da vida pessoal, fazer trolagens, bate-bocas e todo o tipo de práticas anti-sociais e lesivas a um ambiente sadio, também estão conseguindo mudar o Twitter para pior.

Falei disto extensamente em um post, no meu antigo blog, em fevereiro.

A solução que alguns usuários do Orkut encontraram para isto foi trancar seus perfis a sete chaves. O Google começou a disponibilizar opções de albuns privados, scraps moderados, comunidades "fechadas" para leitura. Talvez fosse uma evolução natural que o site já iria fazer de qualquer jeito, talvez tenha sido um "mecanismo anti-troll-brazuca". Vai saber.

O fato é que um site que teoricamente era pra se relacionar, foi invadido por bizarrices como "só add quem eu conheço" ou "clique aqui para visualizar albuns privados".

É o "CAP" (Complexo de Área Vip), do qual eu também já falei em uma outra oportunidade, desta vez já aqui no C+C, manifestando-se mais uma vez.

Trata-se como "privilégio" ver fotos de batizados, rodízios de pizza e do barrigão branco do tio num dia de praia, só falta distribuirem pulseirinhas e fazer cercadinho. "Só add se eu conheço!".

O Orkut ficou quase irrespirável, tanto que ainda uso o serviço, mas muito pouco e em pouquíssimas comunidades. Não suporto o caldão que aquilo lá virou.

Mas aí o Twitter se popularizou, a sua "orkutização" tornou-se irreversível e o que vemos por lá?

Gente fechando o perfil para leitura, BIOs com coisas como "só add quem eu conheço" escritas, gente fazendo trolagem, gente puxando discussão e bate-boca pelo simples gosto de criar polêmica, até os famigerados joguinhos e correntes já apareceram.

Já disse que Twitter com conteúdo privado é igual a uma tatuagem na sola do pé. Pra que?

Isso é resultado da visão distorcida que o brasileiro médio tem da internet. Para a maioria, isso aqui é um lugar para libertinagem, para o escracho, para fazer tudo o que não faríamos na tal "vida real" e, também, para exercer o tal Complexo de Área VIP com total desenvoltura.

Todo mundo é bonito, todo mundo é importante e aquele churrasquinho na esquina vira o Outback. Essa é essência de grande parte do conteúdo da internet-Brasil: um churrasquinho de gato metido a bife de Kobe.

O Twitter já foi desvirtuado em vários aspectos, mas acho que não custa lembrar que o seu propósito é sim, alguma exposição, é você responder em 140 toques a pergunta "O que você está fazendo", mas também a perguntas como "O que você está pensando?", "vendo?", "ouvindo?", "sentindo?", etc, etc.

Não existe sentido algum em fazer isso para sua mãe ou irmão que estão no quarto ao lado, ou para seus amigos da rua. Como funcionaria isso? Você twitta e sai correndo pro play ou pro portão para comentar o que acabou de dizer?

Me tira do sério quando começo a sequir alguém e recebo uma DM (Direct Message) ou reply assim "Oi, de onde nos conhecemos?" ou então "Como é que me achou?" ou ainda "Quem é você?".

Acho ridículo, totalmente nonsense.

Acredite: existe vida além da rotina imbecilizante que os usuários do Orkut impuseram a si próprios. Aquele modus operandi clássico do site é uma das causas da sua deterioração.

Nietzsche disse com muita propriedade que "falar muito sobre si mesmo pode ser um meio de se esconder". E isso é verdade! Diga tudo, mas diga somente o que deseja que os outros saibam. Isso é mais inteligente do que um cadeado no perfil.

Mude sua atitude, abra-se para o mundo e tenha acima de tudo noção do que fala.

Não se esqueça, ninguém está interessado em saber que você foi beber água, se o cara do CQC ou do reality show da moda acabou de falar "a" no programa e muito menos nas suas funções fisiológicas.

Twitter não é Orkut, experimente ser diferente você também.

15 Comentários:

Anderson postou 28 de agosto de 2009 11:30

Vendo essa coisas acontecerem, ´da realmente uma vontade de dizer :"Maldita Inclusão Digital"
mas nao sou contra a Inclusao Digital, sou conte sim a "Ignorancia Digital"
Não pode haver uma Inclusao digital seria se nao houver uma educaçao basica. É o Brasil mais uma vez mostrando como se piora um erro!

Stephanne postou 28 de agosto de 2009 11:32

"Nietzsche disse com muita propriedade que "falar muito sobre si mesmo pode ser um meio de se esconder". E isso é verdade! Diga tudo, mas diga somente o que deseja que os outros saibam. Isso é mais inteligente do que um cadeado no perfil."

Concordo plenamente.

O Twitter para mim virou uma espécie de extenção do penso ou sinto, uma forma de me desabafar, mas nem tudo que está lá. Coisas mais importantes não escrevo lá, no máximo comento sem dar muita pista.

Legal a postagem.

Beijos e bom fim de semana.

Augusto Namitala Barbosa postou 28 de agosto de 2009 11:52

Twitter não é lugar de ficar colocando frases de musica sertaneja, ow aqueles trechinhos toscos de msn... O pior é que esse povo não percebe isso

Isabel postou 28 de agosto de 2009 11:53

Ainda bem que eu só uso internet pra trabalhar (e pra ler os seus textos, que são muito bons), assim fujo um pouco dessas idiotices. :)

Amora postou 28 de agosto de 2009 11:56

"Já disse que Twitter com conteúdo privado é igual a uma tatuagem na sola do pé, pra que?"

Com esta frase vc entrou pro restrito rol dos gênios!

Parabéns!

Daniela Pedrinha postou 28 de agosto de 2009 11:58

Eu realmente espero que o twitter sobreviva a essa invasão. As minhas amigas em noção do orkut já me fizeram tanta pergunta tosca sobre como usar o Twitter.

Para ver como tem gente que quer estar na crista da onda, mesmo que não saiba para que serve nem como usar a ferramenta, o site ou o que for.

Orkut? Putz.. virou um zoozlógico de pessoas. Ainda prefiro o Facebook, só mantenho o orkut para não ter que adicionar essas malas orkutianas no FB.

Evora postou 28 de agosto de 2009 12:10

Não creio que a inclusão digital seja o maior problema, as grandes babaquices que presenciei em orkut e afins, vieram dos usuários mais hard, gente que "se diz" culta, importante, intelectual, todos sofrendo da síndrome do "Sabe com quem vc está falando?"
Esse povo é que torna tudo muito chato, gente que fala muito sem ter absolutamente nada a dizer... e, ainda por cima, sofrem irremediavelmente do tal Complexo de Área VIP, muito bem colocado por vc.

Ótimo post.

Ceres R Perondi postou 28 de agosto de 2009 12:39

Maravilhoso o dito de Nietzsche que vc citou: "Falar muito sobre si mesmo pode ser um meio de se esconder". Concordo e em se tratando de twitter DISCORDO, pois tem sempre alguém com ESCUTA e vai que um desses escutadores seja bondoso e dê um RT que faça significado a uma fala até então vazia? Aí é que o sujeito aparece.. Essa é uma das razões pelas quais eu amo twitter e nunca gostei de Orkut: no orkut vc esibe imagens e no twitter, vc esibe sua palavra.

Letícia postou 28 de agosto de 2009 14:24

Você leu a essência do que rola no twiter..E como disse um colega :o problema não é a inclusão digital e sim a ignorância digital...devo te alertar:as gafes citadas por vc são mais frequentes entre os chamados "top twiters" que não necessariamente são twiteiros médios e sim abastados!classe não é sinal de cultura nem dee ignorância!Pense nisso!

Observatório Virtual 74 postou 28 de agosto de 2009 15:19

Muito inteligente seu post, pois convida o leitor a participar, opinando a favor ou contra, refletindo sobre as idéias colocadas.
Quando você constata que algumas pessoas desvirtuam a finalidade da ferramenta digital, fica claro que isso é resultado do grau de educação de determinada sociedade.
Existem, tanto no Twitter quanto no Orkut, diversos tipos de perfis e condutas de usuários, como no mundo real. A única diferença, por enquanto, é que aqueles que só se ajustam por coerção das normas sociais, no mundo real, crêem que não contam com esses freios no mundo virtual. Já foi pior, quando não havia qualquer tipo de controle. E, como qualquer processo evolutivo, irá melhorar conforme a demanda por estabelecimento de controles. Aí o mundo virtual vai se aproximar do mundo real, no que se refere a controles.
Sugiro que tratemos os twitteiros/orkuteiros/etc, como se fosse no mundo real, com o mesmo grau de exigências que estabelecemos para nossos relacionamentos.

Márcia Chaves postou 28 de agosto de 2009 16:09

Trabalho o dia inteiro e chego em casa só a noite. Tenho cerca de 350 alunos em idades que variam de 12 a 25 anos. Como não ficar a par de tudo o que acontece no mundo?? Não posso me dar ao luxo de ser desinformada se trabalho com educação.
Entrar para o twitter e, principalmente, escolher a dedo quem eu seguiria foi fundamental para usar o pouco tempo livre que tenho (escola + marido + 3 filhos).
Tive sorte de seguir pessoas que conseguem mesclar informação com humor.
Mas... o twitter tbém é um risco!! Sou contra bloquear updates - seria como se eu estivesse postando fotos minhas, nua, mas com tarjas pretas para me "preservar". Assim, preciso prestar atenção no que posto. Tenho, entre meus seguidores, alunos, amigos e MEUS FILHOS!!! Como arriscar com tolices e baixaria??
Por isso tento aproveitar meu tempo buscando informação, fazendo perguntas, tirando dúvidas, rindo com e dos meus xodós e, preciso assumir, arrumando briga com twitteiros grossos e babacas.
Meu conselho é: se vc não quer que passem a mão na sua bunda, não a coloque na janela!! Saiba o que, quando e como escrever. Vc corre o risco de ser esculachada em rede nacional!!!

ƒℓą√!ø postou 31 de agosto de 2009 16:15

Achei bacana a postagem e concordo com alguns aspectos, mas não vou pagar pau.

Todo mundo virou mestre em dizer o que não se deve fazer aqui ou ali. Primeiro, se não é pra falar como o mundo repercute em você, sobre as suas impressões sobre quaisquer coisas, é pra fazer o quê? RSS de notícias de toda a sorte existem há anos. Segundo, acho idiota ficarem dizendo o que cada um deve fazer de seus perfis, essa é uma síndrome de underground externalizada por pessoas recalcadas. Ainda mais no Twitter, o unfollow e o block são opções que podem e devem ser usadas diante de qualquer incômodo.

Agora, que o povo brasileiro de todas as faixas socioeconômicas ainda carece de educação de berço, isso é inquestionável. Não tem nada a ver com "inclusão digital". O que muda são os lugares e as pessoas que neles vivem, mas a bestialidade vem de todos os níveis de instrução e renda.

Ah, sobre o cadeado do Twitter, houve uma época que o coloquei com a função exclusiva de reduzir drasticamente a adição de spammers e bots. Desisti porque praticamente todas as funcionalidades do Twitter são perdidas, como as hashtags. As opções de privacidade do Orkut também têm pontos positivos e negativos.

Essa história de que tem de se arreganhar só porque entrou numa rede social não tem nada a ver. Você vive em sociedade e nem por isso é obrigado a ser um livro aberto a todos e em qualquer lugar.

=)

Iury BAS postou 31 de agosto de 2009 16:53

Eu estou presente nas duas redes sociais, e em ambas ainda não sinto tais efeitos da estupidez brasileira de forma, digamos, direta. No Orkut como no Twitter, participo meio que passivamente, apenas observando, principalmente no Orkut. Adiciono apenas quem conheço, não tenho tantas comunidades, é participo das que valem a pena.

Por enquanto, tanto meu Orkut como meu Twitter estão limpos, mas sei muito bem da sujeira que o povo brasileiro consegue fazer com estes serviços, por ser um povo que se acha, um povo que é impressionantemente idiota, que consegue ser tão ridículo, em apenas um parágrafo de um perfil, denominado ‘’Quem sou eu’’. Vale lembra que a esmagadora parte dos usuários do Orkut em todo mundo, são brasileiros, e vai ver foi por isso que não cresceu nos outros países, foi uma queda de inteligência e bom senso alta demais. As grandes massas do povo brasileiro, infelizmente, são irracionais.

Anônimo postou 2 de setembro de 2009 14:07

Pois é, mas antes de generalizar dizendo que só brasileiro faz merda na internet, é bom lembrar que o gringos também fazem.

Eu por exemplo, recebo em média por semana 5 ou 10 pedidos de "amizade" no twitter de contas fantasmas de propagandas em inglês ou americanos totalmente idiotas... nós podemos fazer o maior alarde, mas não somos os únicos...

Essas comunidades foram criadas para se relacionar com amigos e conhecer novas pessoas, mas assim como na vida real, é você que escolhe a pessoa que quer seguir ou manter contato, e acho válido qualquer pessoa que queira bloquear suas mensagens, pois você tem o privilégio de manter ou trocar informações com apenas um grupo de pessoas escolhidos por você, ou seja, você tem o controle...

Fernanda Lizardo postou 15 de fevereiro de 2011 11:34

Confesso, já tive minha época de publicar coisas demais no Twitter. Até que comecei a conviver com pessoas que faziam a mesma coisa. E aí, enxergando de fora, notei o quanto era patético.
Internet hoje para mim serve para trabalhar, me distrair com pequenas bobagens, me comunicar e vender livro (e se minha foto de biquini contribui para isso, fique à vontade!)
Quer saber o que eu comi no almoço? Simples: almoce comigo.
Beijo!
PS: mais inteligente do que trancar perfil, é publicar apenas o que pode ser divulgado.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo