MID - Maldita Inclusão Digital

Postado em 26 de ago de 2009 / Por Marcus Vinicius

Não conheço um internauta 1.0 que não abomine a tal "inclusão digital". As águas da internet que outrora eram boas de navegar, reservando surpresas e um mundo novo de possibilidades, acabarm tornando-se mais poluídas do que as da Baía de Guanabara.

Lá pelos idos de 1996, quando eu comecei a acessar a grande rede, a internet era algo extremamente elitizado. Também não era pra menos, o acesso era caro pois pagava-se o serviço do provedor, que consistia num pacote magérrimo de horas franqueadas e ainda pagava-se mais as horas extras utilizadas.

Para se ter uma idéia de como era caro, o pulso telefônico mal importava nessa conta naquela época.

Tudo bem que era caro, lento, barulhento(quem não se lembra do modem fazendo escândalo e acordando a casa toda) e haviam mais gringos do que brasileiros, ou seja, o inglês era bem mais fundamental naquele tempo do que o miguxês ou o analfabetês é hoje.

Mas tinha seu lado bom. Podia-se conhecer pessoas interessantes, o nível das conversas era bem melhor e a ausência da banda larga impedia os "tem cam" ou "manda foto" da vida de estragarem as conversas. Existiam as pragas virtuais, é claro, mas comparado ao que existe hoje aquilo era quase "germ free".

Conheci muita gente legal nessa época, aprendi muita coisa, foi um período bom.

Mas veio o pulso único, chegou a banda larga, o preço desta abaixou e as Casas Bahia aliadas às Lan Houses ajudaram a trazer para a rede a favelização que o Brasil já vê na sua vida real diariamente.

De repente fomos invadidos por hordas de pré-adolescentes miguxos, com seu vocabulário de Hello Kitty das trevas, seus jogos, trolagens, idiotices. Junto a eles vieram as hostes da assim chamada "baixa renda" que, em sua maioria, acham que isso também deve significar "baixa civilidade".

Aliás, sejamos justos, não acham isto, é que ninguém jamais os ensinou.

Possuímos escolas públicas de péssima qualidade, uma TV aberta(que é a que a maioria da população sem "gatonet" assiste) com programação idiotizante e os ritmos preferidos e enfiados goela abaixo do "povão" são nada menos que funk, axé e pagode, um trio que equivale aos cavaleiros do apocalipse do bom gosto.

Grande parte da nossa população vive uma rotina de violência latente. Seja pelo que assiste nos locais aonde mora, aonde o único serviço público que chega é a polícia; seja no âmbito familiar onde as noções mais básicas de educação faltam porque não existe quem as transmita.

Ônibus lotados, trens que só serviriam para transportar gado num país decente, infra-estrutura precária, gravidez precoce, falta de dinheiro, ausência total de eventos culturais (baile funk não conta, funk é lixo, não é cultura), uma erotização cada vez mais invadindo a infância e o que se tem como resultado é isso: um povo extremamente grosseiro, mal educado, sem noções de convivência social fora aquelas que convencionou adotar como as "regras do gueto".

É a tal "olha a disciplina, leke".

Mas o Brasil adora fazer tudo de trás pra frente.

Não tem nem infra-estrutura básica decente, quer fazer Olimpíada. Não tem um povo com acesso mínimo a educação formal, mas este já tem acesso à internet.

Daí vemos esse show de horrores, como aqui, aqui e aqui.

O maior medo dos usuários do Twitter era a sua "orkutização". Mas existem fenômenos contra os quais não adianta lutar. Reportagens de jornais, TVs e até "manuais do Twitter" já trouxeram o fenênomeno para o site.

As correntes, o miguês e o analfabetês presentes e a disseminação de joguinhos tipo "Quem você quer morder" ou trending topics dos "Jonas Brothers", não me deixam mentir: a turma da espinha no rosto e excesso de hormônio e a galera da Lan chegaram com força total.

O que fazer? Nada.

Aturar, ignorar, tentar fazer um descarrego nos que ainda tem salvação, e rezar para que um dia algum governo resolva ajudar na educação do seu povo, e que além de bens de consumo como geladeiras, televisores, computadores e acesso à internet, forneça também as ferramentas para que estas pessoas possam utilizar-se do que tem à mão de forma mais edificante da que acontece atualmente.

É esse o "grande segredo": educação, aquela coisinha que se aprende em parte na escola e é tão desprezada por quase todo mundo. Ela é a chave para a solução de muitos problemas, inclusive este tráfego desqualificado que hoje representa o brasileiro na internet.

Quanto aos adolescentes, bem, adolescência é uma ocorrência neuro-incapacitante que todo mundo sofre a partir dos 12 anos mais ou menos e só passa, às vezes, após os 20 e poucos ...isso só uma jaula e tempo mesmo para melhorar.

26 Comentários:

Gusta postou 26 de agosto de 2009 08:25

Disse tudo.Perfeito, perfeito.

Conseguiu sintetizar no texto vários temas sem perder o foco.

Parabéns!

(as vezes sinto saudade do barulhinho do modem . hehe)

Rebeldes sem calça postou 26 de agosto de 2009 08:26

Gostei do post, muito bom mesmo. Só queria dar mais enfase ao fato da educação ser, em partes, adquirida na escola, mas a maior parte deveria vir de berço... o problema é que a maioria dos brasileiros não tem essa tal de educação p/ passar aos filhos... e aí temos a continuidade do "mais do mesmo". E assim segue o povão brasileiro: para baixo e avante...

JP Negri postou 26 de agosto de 2009 08:29

Perfeito o artigo. E, a pior notícia, é que não há o quê fazer: ainda que começássemos a educar (de verdade) a populaçao, só daqui a uns 50 anos (3 gerações) deixaríamos de ser o bando de trogloditas que somos.

Al Machado postou 26 de agosto de 2009 08:33

Excelente artigo. Há muito tempo pensava em escrever algo parecido. Você conseguiu transpor para o texto TODAS as minhas angústias neste sentido as quais até então havia compartilhado apenas em conversas de bar.

Parabéns!

Silvia Masc postou 26 de agosto de 2009 08:33

Òtimo texto.
Há um ditado Chinês que diz algo mais ou menos assim: Quer ter uma criança educada? Comece por aquele que um dia, será o seu avô.
O que me conforta, é que podemos "filtrar". Lamento tanto quanto você o descaso, é possível que educação, não interesse à "eles"
abraços

@MauroVS postou 26 de agosto de 2009 08:34

Perfeito o artigo.

karine postou 26 de agosto de 2009 08:46

Você é perfeito em suas colocações. Penso que isso acontece devido muitos pais delegarem a educação de seus filhos a TV e a escola, não percebem a importância de proporcionar as crianças outros tipos de vivências, leituras, musicas, dentre outros.Creio que a vida corrida, falta de tempo contribuem para que isso aconteça. Vejo tantos adolescentes que não sabem ler nada interessante na internet, só conhecem orkut e msn.

gotardi postou 26 de agosto de 2009 08:49

Texto preconceituoso, cheio de lugares comuns batidos, meias verdades surradas, argumentações primárias e idéias que não resistiriam a uma argumentação lógica com um ser humano racional minimamente são.

Pior que as bobagens em forma de grandes sacadas cheias de pretenso humor e sarcasmo chinfrim são os baba-ovos que se sentem representados por um textinho desse tipo.

mvsmotta postou 26 de agosto de 2009 08:53

Gotardi,

Cada um se sente representado pelo que melhor combina consigo.

Se o coitadismo e o onguismo te representam melhor do que a verdade pura e simples (lembre-se, esta é a minha verdade), não posso fazer nada.

São as suas (verdades), porém não as compro.

Aliás, fora criticar o texto e fazer acusações ad hominem, quais são as SUAS idéias para melhorar o nível da internet-BR?

Ficaste devendo.

Forte abraço!

infinitopositivo postou 26 de agosto de 2009 08:56

O mencionado anteriormente pelo "Rebeldes sem calça", é uma verdade. Parte da educação (ao meu ver a maior parte) deveria vir do "berço". Mas que fazer se já não existe tanto "berço" assim? A carência deveria ser suprida de outras formas, já que ninguém tem culpa alguma de ter nascido em ambiente assim. Aí entra o Estado, cujo papel de oferecer uma Educação de qualidade é uma obrigação, um compromisso constitucional.

É isto que falta. Os absurdos mostrados nos links deste post chegam a ser constrangedores, mas é o pior retrato deste país onde a safadeza, a sacanagem, a irresponsabilidade política permeiam em todos os níveis.

É verdade Motta, ninguém pode ser feliz em um ambiente deste nível, mesmo que virtualmente. Penso, sinceramente, que comunidades sociais como o Twitter deveriam ser restritas. Como fazer isto é que é o mais difícil. Antevejo a "militância" criticar dizendo bobagens sobre "discriminação".

Abraço.

Ery Roberto

Zambo F5 postou 26 de agosto de 2009 10:37

a inclusão digital é um fato interessante para o mundo, mas é preciso saber usurfruir dessa ferramente chamada internet. afinal aqui é terra sem lei.

mas concordo com o fato da ridicularização da internet, principalmente com o orkut onde pessoas passam horas vendo fotos de idiotas e lendo comentário bestas. onde td mundo é seu amigo, te adora, é seu fã, mas não te diz oi na rua.

oq falta no povo brasileiro é carater. é filosofar e perguntar oq pq disso ou daquilo. qdo falo em filosofia as pessoas se espantam dizendo que não é legal.

não é legal ver tanta gnt jovem que não faz nada pra melhorar o lugar onde e continua reclamando.

cadê os caras pintadas? cadê a revolução, cadê o futuro da nação? não somos os crentes sem religião ou somos apenas a geração coca-cola?

Isabel postou 26 de agosto de 2009 13:55

Excelente o texto, e principalmente as fotos que o ilustram! É uma pena ver o nível de educação do povo brasileiro,mas não devemos nos referir apenas às pessoas de baixa renda. Tem muita gente com estudo e dinheiro que escreve igual semianalfabeto. A internet veio para agilizar a comunicação entre as pessoas, mas alguns acabam tornando a comunicação cada vez mais confusa com seus "naum xei o q vc quix..."

Isabel postou 26 de agosto de 2009 14:03

Sobre o Gotardi aí em cima: o texto fala sobre o péssimo nível de educação da população, e você se enquadra bem neste grupo: seu texto está confuso e mal escrito. O final do primeiro parágrafo não faz sentido nenhum. Se quer zuar alguém, primeiro vai aprender português.

CaroL postou 26 de agosto de 2009 16:01

Ahahaha
Parabéns.
Você conseguiu verbalizar o que todo mundo pensa -ou pelo menos o que eu penso - e tenho preguiça [confessei!] de .. sei lá. Produzir (?) um texto.

E sabe que lendo assim de cara, eu penso que seria cômico se não fosse tão trágico.

Beijos :*

o mar e a brisa do prazer de aprender postou 26 de agosto de 2009 17:27

Sim,sim, a educação é péssima porque a clientela não quer aprender. Os professores fazem até milagres com imensa falta de vontade deles de aprender. É uma geração infantilizada e erotizada ao extremo, porém eles são extremamente carentes de modelos , de quem os auxiliem. Nós adultos podemos e devemos ajudá-los.

Liz postou 26 de agosto de 2009 18:11

Ótimo texto, nesse caso sua verdade também é minha verdade. Fiquei com aquela saudade dos tempos do modem barulhento.
Tá de parabéns.

Márcia Chaves postou 26 de agosto de 2009 18:59

1)
Gostei do seu texto, mas gostaria de discutir alguns detalhes:
*“Mas veio o pulso único, chegou a banda larga, o preço desta abaixou e as Casas Bahia aliadas às Lan Houses ajudaram a trazer para a rede a favelização que o Brasil já vê na sua vida real diariamente.” Acho que aqui vc começou com um preconceito que, além de não ser necessário, deixa mta gente indignada. A chamada classe média baixa, que tenta manter os filhos numa escola particular, corre atrás do plano de saúde e sonha com a casa própria precisou e ainda precisa casasbahizar para ter acesso a tal tecnologia. Isso não deveria diminuir ninguém, mas ser considerado uma vitória. As Lans conseguiram e conseguem salvar milhares de pessoas que desejam e buscam participar de redes (sociais ou não) e assim fazerem parte da tão cobiçada vida digital.

Márcia Chaves postou 26 de agosto de 2009 19:00

2)*”De repente fomos invadidos por hordas de pré-adolescentes miguxos, com seu vocabulário de Hello Kitty das trevas, seus jogos, trolagens, idiotices.” Essa sua generalização incomoda, meu amigo. Os jogos, as trolagens os vocabulários não fazem parte de uma idiotização do adolescente, mas da faixa etária!! Queixamos da erotização, da violência, do acesso a coisas não condizentes com a idade, mas queremos que falem e pensem como adultos??
*”Junto a eles vieram as hostes da assim chamada "baixa renda" que, em sua maioria, acham que isso também deve significar "baixa civilidade" Vamos lá, amigo! Baixa renda é sinônimo de baixa civilidade? E vc considera civilidade o que os representantes de nossa elite fazem?? Fomos violentados com corrupções, desvios de verbas, ameaças públicas, assassinatos, mentiras em rede nacional e apoios para salvar 2010. E de baixa renda eles não tinham nada.

Márcia Chaves postou 26 de agosto de 2009 19:01

3)
*”Daí vemos esse show de horrores” Mais uma coisa que é relativa, meu caro. Podemos considerar um horror, mas no máximo chamaremos de ‘falta de noção’. Nossa consciência estética não pode ser como padrão para julgarmos pessoas com auto-estima tão elevada que realmente se consideram ‘poderosas”.
*“adolescência é uma ocorrência neuro-incapacitante que todo mundo sofre a partir dos 12 anos” Aí posso falar de carteirinha, sou professora: ledo engano!! O que acontece é que esses adolescentes ainda não sabem lidar com o enorme número de informações que recebem e se perdem. Isso é não saber direcionar, não é incapacidade!!

Márcia Chaves postou 26 de agosto de 2009 19:01

4)
*”O maior medo dos usuários do Twitter era a sua "orkutização". Mas existem fenômenos contra os quais não adianta lutar. Reportagens de jornais, TVs e até "manuais do Twitter" já trouxeram o fenênomeno para o site.” Vejo aqui mais um problema de ‘modismo’ do que ‘favelização’. No momento em que ter twitter virou sinônimo de ser antenado, começou a orkutização. O que vejo acontecer é milhares de pessoas que ‘precisam’ postar algo, mas não têm o que falar e aí... descarga verbal. Mas sejamos justos, meus amigos. Isso tbém acontece com as pseudo-‘estrelas’ que seguimos.
* Por fim, discordo do “O que fazer? Nada.” Podemos sim. Somos formadores de opinião e temos a melhor ferramenta em mãos. Podemos fazer o que o governo se recusa: educar. Está na hora de tirarmos nossas ‘bundas achatadas’ da cadeira e partimos para o ataque. Vamos pensar em atitudes para reverter essa situação. Lamentar apenas ainda não mudou nenhum país!!! Adoraria um dia conversar com vc sobre isso.
Grande abraço e espero que você não vá @cardosonizar por alguém ter uma opinião diferente da sua.

mvsmotta postou 26 de agosto de 2009 19:05

Márcia,

Como eu digo no título do blog "está e a minha verdade, diga-me a sua".

Estou aberto a opiniões, desde que respeitosas e não poderia negar-lhe isso nesse momento.

Não existe perigo de "cardosonização", porque este indivíduo é para mim paradigma de tudo que não deve ser feito.

Abraços!

Hilton Neves postou 27 de agosto de 2009 10:03

Esplêndido *-* Faço das palavras do Al Machado as minhas!

Arrependimento meu é de fel por não ter vindo ao Twitter há 18 meses. Qd enfim entrei, ele já começava a orkutizar.
E assim ocorre com qq coisa que se popularize demais...

Cá Ponte postou 27 de agosto de 2009 20:57

Sim, sim, sim. Concordo com tudo e ainda digo mais: Já temos hoje um grande problema nas escolas públicas: o despreparo de muitos professores, a falta de rigidez, ou talvez (pra amenizar a palavra)de exigência deles com os alunos, formam esses "gênios". Um problema enorme.
Vejo professores que mal escrever. Isso a longo prazo, nós já podemos imaginar onde para.
Desaceleração! Já temos um presidente que é a cara do país, é suficiente pra imaginar o futuro.
Enfim, foi um texto ótimo e inspirador, pra comentar até o sono bater... =)
Beijo!

Guilherme Balan postou 29 de agosto de 2009 12:57

Motta, você precisa tirar essa grande nuvem negra de cima da sua cabeça :)lembra que não tinha site

sobre nada, nenhum assunto? wikipedia... todo mundo era interessante 1o porque só tinha aqueles

mesmo, 2o porque a gente não tava acostumado com 'diversidades' então era 'caralho ele é do Sul!'

Eu concordei aqui com o Gotardi, mas já sabemos que não se convence ninguém contrariando e

xingando. Mas descobri (pela wikipedia, aliás) que ele não usou o 'ad hominem', pois "consists

of composing an argument with reference to a characteristic or belief of the person making the

argument or claim"
.

Mas você só tá falando dos analfabetos, metidos... isso tinha na minha escola. Malditos incluídos

na educação. Mas eu passei por aquela lição de entender as 'diversidades'.

Você não.. tá deixando 98 e seu colegial te assombrar. Deixa a galera aí fazendo o que você não

gosta, pára de reparar pra você não se estressar e depois volta pra ver os resultados... a internet

ensina bastante, aos poucos, mas eu juro que você não precisa sofrer junto no processo. Nem ofender

ninguém - assim você só atrapalha. Esquece a galera. Entra lá no server de irc do xkcd e vamos ser

feliz.

Um abraço

Anônimo postou 14 de setembro de 2010 06:31

ser adolecente e da vida valel

mvsmotta postou 14 de setembro de 2010 09:28

"ValeL".

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo