Biquini = Mulher Objeto?

Postado em 25 de fev de 2010 / Por Marcus Vinicius

Uma amiga outro dia enviou o link de uma reportagem que dizia que a imagem de uma mulher de biquini a transforma em "objeto" aos olhos dos homens, dizia o texto "...máquinas de ressonância magnética mostraram que os circuitos cerebrais ativados nos homens durante a observação de um corpo feminino sensual desprovido de identidade são os mesmos que os permitem de reconhecer uma ferramenta, um objeto inanimado".

Contra ciência não se discute, então vou acreditar que até comigo mesmo isso aconteça, ainda mais porque não tenho a menor intenção de mentir: adoro um biquini minúsculo mesmo.

Como aliás gosto de mulher usando saia e vestido curto.

E é aí que sai a ciência e eu posso divagar em paz, porque quando digo que gosto de mulheres com peças de roupa que revelam mais do que escondem (sem no entanto mostrar tudo, é claro), não falo de mulheres inanimadas que nunca vi antes, incluo nessa afirmação a que estiver comigo.

Porque é comum vermos homens adorando vestidos a la Geisy, biquinis cortininha e fio dental, saias de fazer inveja à Tiazinha e no entanto preferirem suas namoradas/noivas/esposas vestidas como uma Carmelita dos pés descalços.


Eu confesso que não sou assim.

Primeiro porque se estiver com uma mulher bonita (e fiz o máximo para isso a vida toda), os outros vão olhar de qualquer jeito. Depois porque olhar não tira pedaço, quem não olha? E finalmente, porque se estão admirando a sua "respectiva", é sinal de que você tem bom gosto e está fazendo um monte de gente passar vontade e ter inveja de você.

Sem contar que deve ser uma sensação frustrante estar com a namorada na praia e passar uma gata com aquele biquini pequenininho, bonito, que também ficaria bem na sua (vamos supor aqui que sua namorada esteja em forma ou perto disso), olhar pro lado e vê a sua usando um fraldão de avó que você mesmo a obrigou a colocar.

Isso, na minha opinião, vem daquela velha idéia de que existe "mulher pra comer" e "mulher pra casar", essa sim, máxima objetificação do ser feminino.

Eu não acredito nisso, até mesmo porque acho muito mais interessante que a sua "mulher pra casar" também seja considerada uma "mulher pra comer", caso contrário duas coisas fatalmente acontecerão: você vai querer arrumar uma amante na rua e a sua esposa vai arrumar um também, já que se ninguém te contou, até "mulher pra casar" adora ser comida.

Sendo assim, melhor que seja por você, né?

Por isso eu não ligo (e minhas ex-namoradas todas podem provar isso) para roupas curtas, transparências, decotes e, principalmente, biquinis, acho uma maravilha poder admirar as moças bonitas que passam por mim na rua, mas adoro poder admirar a minha também.

12 Comentários:

Anônimo postou 25 de fevereiro de 2010 06:57

O fato eh que a utilizacao do biquini eh um atributo cultural q vc herdou e nao pensou nisso. A questao eh que a mulher eh sim tratada como objeto, o porem eh q ela se ve em uma situacao aonde a cultura impoe q ela seja assim.

Quer um exemplo? Vamos pensar.

Qual a diferenca de um bikini para um sutia?

Na pratica, sao dois utensilios utilizados para nao mostrar o seio da mulher.

Imagine a situacao: Um monte de caras entram na sua casa e veem sua mulher apenas de sutia e calcinha.

Qual seria a diferenca de verem ela apenas com akele biquininho?

A diferenca eh q ela vai ficar envergonhada (ou nao) na situacao eh q se mostra de calcinha e sutia.

Mais oq a calcinha e sutia mostra q um bikini nao? E as vezes o bikini mostra mto mais da mulher doq o proprio sutia dela.

A questao eh q a cultura identifica esses objetos. Ela faz com q vc tome decisoes sem pensar, como eh oq ela faz quando por exemplo, um indio enfia a mao no formigueiro para se tornar adulto. Ela cria uma opniao sem margem de racicinio, o que se existisse, identificaria como falta de inteligencia alguma atitude.

O fato eh que esta mesma cultura existe para tudo que vc imaginar. Vc mostraria sua mulher de calcinha e sutia na rua? Acho que nao. Porem fisicamente falando as duas estao na mesma situacao quando estao em uma praia. Fisicamente, vc sente as mesmas vontades.

A sociedade impoe essa cultura e as pessoas seguem porque lhes foi imposto. poucas param para pensar que nao faz sentido. E quem se importaria, ja que todos a seguem? quem se importa com o sentido das coisas? quanto menos tivermos de pensar, melhor. Pensar eh trabalhoso, e poucos querem isso.

A ideia de "mulher pra comer e mulher pra casar" nada mais foi uma identificacao para uma pessoa que nao levou o pensamento muito a fundo e achou q o simples fato da mulher de bikini causar tesao em todos os homens nao era ideal para ele, uma vez q ele kisesse que esta fosse apenas sua. Tambem eh uma cultura pouco argumentada e nada evoluida.

A questao eh que fisicamente falando, essa cultura disfarca muita coisa. Observe um grupo de animais e perceba que seu instinto se parece muito com o deles, em relacao a reproducao e as necessidades. Mais a mesma cultura o faz pensar ser muito diferente.

Nao vou prolongar mais, mais este eh um tema de muito debate, prq muitas pessoas olham para ele com a sua cultura, e nao com a logica que deve ser utilizada.

O fato de vc gostar de suas namoradas utilizarem roupas curtas, decotes, instintivamente falando faz algum sentido. Mais existe um outro nivel cultural por tras disso. Eu nao gosto que a minha se exponha para a sociedade. Se kiser mostrar algo, que seja em um motel, na minha casa, ou onde mais role a situacao. Em demais situacoes, prefiro-a devidamente vestida. Mais nunca a impedi de utilizar um bikini ou algo do genero, afinal quem decide sobre a vida dela eh ela, e eu sobre a minha.

Bebelly postou 25 de fevereiro de 2010 07:11

Perfeito! Coerente e sensato! ;)

Caty M. postou 25 de fevereiro de 2010 08:09

A questão do biquini pode até ser cultural, eu até concordo, mas o que pega mesmo é a inversão de valores que vemos atualmente...

Pessoas achando que uma bela bunda vale mais do que a inteligência é triste! Mulheres que exibem suas bundas num reality show e ainda dizem que raramente lêem um livro é mais triste ainda, é a própria modernização da prostituição!

Bjos =**

Suely postou 25 de fevereiro de 2010 08:22

Uma coisa é o homem enxergar uma mulher como objeto, outra coisa é ela ser realmente um objeto...

No primeiro caso, a mulher será um objeto mesmo vestida com um hábito longo e de véu. A intenção está no olhar do homem e não nela.

No segundo caso, mesmo exposta num biquini minúsculo e vista como objeto, se ela não permitir não será um objeto. A não ser aos olhos daquele homem cujo olhar tem essa intenção.

Objeto mesmo, no meu entender, é a mulher que assume a postura de viver da exposição de sua beleza física de maneira exacerbada.
Não incluo aqui as modelos e manequins, até porque elas expõem mais ossos do que carne.
E nem condeno quem se dedica a malhar horas a fio para viver da exposição de um corpo malhado, sarado, esteticamente perfeito e bonito de se ver.
Cada um deve viver da maneira que mais lhe atrair.

Eu prefiro alimentar meu cérebro mas não deixo de frequentar a academia.
Aliás, sempre troco sugestões de livros e filmes com o dono da academia que eu frequento, outro leitor habitual.

Em resumo: você pode me ver como um objeto ao mesmo tempo em que eu não sou o objeto que seus olhos vêem!!!

Suely postou 25 de fevereiro de 2010 08:23
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo postou 25 de fevereiro de 2010 08:44

Mas a questão não é o biquini...pequeno ou tapa tudo! A questão é a postura de quem está vestindo, e a de quem está observando.

reano postou 25 de fevereiro de 2010 11:29

tem uma foto da tua namorada de biquini aí?

Posta no blog :P

ED postou 25 de fevereiro de 2010 11:30

A questão é: a mulher de biquini não necessariamente é mulher-objeto. Isso se ela tiver algum conteudo, alo a oferecer. Mas qnd a mesma só possui um corpão no biquini e cerebro de um galináceo, aí sim se torna objeto.
Uma mulher com conteudo te instiga a conhece-la e se for bela melhor ainda. Agora sem conteudo nenhum e um corpasso, como diria meu avô: é uma puta de luxo.

mvsmotta postou 25 de fevereiro de 2010 11:31

Você paga 15 reais por uma Playboy e quer ver foto da minha namorada de biquini de graça?

Malz aí, mas precisa dar sorte pra ver o espetáculo, eu disse que não ligo que olhem, mas não teria porque facilitar. ;)

Abs

Solange postou 25 de fevereiro de 2010 11:36

exatamente como diz o anônimo,a ostura é que faz a real diferença nesse caso.O que os outros vão achar é problema deles.Mas posso bancar a presa fácil de calça comprida.É uma questão de postura também.
Mas o Motta é sábio ao ver na sua companheira uma mulher acima de uma propriedade,como muitos ainda fazem.Uma pra casar e uma pra comer,é ainda um raciocínio comum.Mas vai da mulher assumir o jeito dela e não mudar porque o bonitão assim quer.E isso vale do lado oposto também.
Voltando aos biquinis,sou mulher,mas acho lindo uma mulher de formas em dia,usando biquini.Quem me dera pudésse abusar assim.
Beijão!

Luciana Asevedo postou 25 de fevereiro de 2010 11:37

Otimo post!Homem de atitude..

Abraços!

Michael Lourant postou 25 de fevereiro de 2010 11:46

Boa!

Agora é ensinar essa postura de ir [contra a correnteza] (hehe) para as nossas crianças e torcer pra isso mantê-los longe de problemas. Talvez não nos envergonhemos no futuro.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo