Amigos, amigos...

Postado em 9 de abr de 2010 / Por Marcus Vinicius

A modernidade nos trouxe muitos problemas e muitas soluções, mas acima de tudo nos apresentou mudanças que transformaram nossas vidas e nossa forma de ver as relações com o mundo e as pessoas que nos cercam.

E como a internet passou a fazer parte da vida de todo mundo, suas relações pessoais passaram a determinar também boa parte do nosso círculo de amizades. Raro quem não tenha um "amigo" que tenha conhecido na rede e mantido a maior parte (senão a totalidade) desta amizade dentro do ambiente virtual.

Não são amizades menores por isso, não são pessoas menos queridas, ainda que não exista aquele contato físico de antigamente.

E essa situação cria uma nova forma de interpretar os atos dos outros. Um "amigo da internet" nos ofende mais se nos bloquear no MSN do que se não nos chamar para a festa de um ano do seu primeiro filho. Incrível mas é verdade.

A pessoa vê o album de fotos postado em alguma rede social dessas e comenta, participa, fica feliz mesmo sem ter ido à festa. Mas fica muito chateado se alguém menciona que o outro está online naquele momento e descobre que foi bloqueado.

Não vou entrar no mérito disso ser sadio ou não, normal ou não, nada disso. Não vai aqui nenhum juízo, apenas uma constatação.

Essas amizades modernas tem sua dimensão bem definida, clara e todos aceitam isso numa boa. Lógico que não é um dogma, pelo contrário, é bastante flexível. Quem nunca participou de um encontro do IRC, de alguma sala de chat, do Orkut e, mais recentemente, do Twitter?

Essas amizades podem (e é bom quando isso acontece) pular do virtual para o real, materializando-se. Mas também percebo que, muitas vezes, ainda que isso ocorra, mesmo no tal "mundo real" elas continuam girando e sendo definidas a partir das relações que ocorrem virtualmente (detesto esse termo, mas não consigo pensar num melhor agora).

Conversamos sobre o que se passa na rede, gostamos ou não de alguém baseado na experiência que vivenciamos na rede, o real torna-se quase uma holografia do que se passa ali. Só o que muda é que as possibilidades de agradar e ofender duplicam-se. Conselho: a partir daí, não bloqueie no msn e chame para a festa do seu filho. É a melhor política.

Mas não sou um desses saudosistas bobos que acham que boa era a época da pracinha, dos vizinhos conversando no portão. A internet apenas possibilitou que sua pracinha e seu portão se expandissem e pudessem estar em qualquer lugar, a qualquer hora.

E provou também que qualidades e defeitos são universais. Existem canalhas de carne e osso e em código binário, assim como verdadeiras e boas amizades.

9 Comentários:

Anônimo postou 9 de abril de 2010 10:01

Parabéns! Seu ponto de vista expressa a realidade. O mundo está em constante transformação e, se por causa dessa, não podemos mais deixar nossos filhos, nem nós mesmos sentados no portão, por medo da criminalidade, que possamos viver a sonhada "amizade" em suas variadas formas. Atualmente, a virtual está se expandindo, a real ficando restrita a uma parcela pequena, por medo e insegurança. Nem sempre é fácil bloquear uma pessoa que mora ao lado, e na internet o sentimento de culpa é passageiro. Não é uma mudança negativa. São mudanças construtivas pra quem souber aproveitá-las. Abraços.

Thais Campanate postou 9 de abril de 2010 11:22

Muito bom ! Você falou a pura verdade , amizades "virtuais" podem ser muito mais reais do que amizades ao vivo . Elas podem ser apenas através de um meio de informação que tomou conta do mundo todo , mas pode ser muito mais real . Parabéns ! Adorei o texto.

@thaiscampanate

Debora postou 9 de abril de 2010 11:35

Concordo! Isso já faz parte de nossas vidas e, se é bom ou ruim, cada um que vai escolher. Não suporto pessoas q ficam pregando que isso acabou com as amizades verdadeiras blá, blá, blá. Pelo contrário, me mudei de cidade e, graças a todas as redes sociais, mantenho contato bem vivo com todos os meu amigos, coisa que
antes era bem difícil. As pessoas perdiam contato. É só importante não ficar apenas no virtual, pois sinto que nesse mundo não conseguimos aprofundar, conversar "de verdade", desabafar etc., às vezes é bom marcar um café com uma amiga p/ um bom papo! Parabéns pelos seus textos! Adoro!

Suely postou 9 de abril de 2010 11:43

Amigos são fundamentais,sejam eles reais ou virtuais.
Nem sei se é correto classificar assim porque os virtuais também são reais.
Embora nunca tenha tido um encontro físico com os amigos virtuais gosto de pensar neles como pessoas que estão apenas geograficamente distantes de mim, tanto quanto os amigos que as necessidades de estudo ou trabalho levaram para outras cidades, estados, países.
Afinal,amigos só têm um endereço: nosso coração!!!
Adorei o post.
Bjks

sapao318 postou 9 de abril de 2010 14:20

meu lado bagu bugalhães diria - puxa,sabe!

meu lado cine diria - uÔ-hÔ,ôôÔ!

meu lado frota dira - o negócio e eat
pussy e ass!

meu lado que espanca todos os outros diz - saudades de jogar bulita,taco,bafo,etc!

** ainda bem que tem pornô de graça na net! se não eu tava na pracinha andando de gangorra com as criancinhas e tomando chimarrão com o Dourado!! **

muito bom texto Miguel!! e se eu tô no teu coração, te prepara pro enfarte, hehe!!

abração!!

Anônimo postou 9 de abril de 2010 14:31

Concondo em gênero, número e grau!!! Inclusive de RT, espero que não se importe!!

André Ribeiro postou 9 de abril de 2010 15:39

Gostei do seu texto sobre fazer e ter amigos virtuais. Realmente, quem não fez ou tem algum "amigo virtual"? Na minha opinião toda amizade desde que seja baseada no respeito mútuo, no entretenimento saudável, um(a) amigo(a)para conversar, mesmo que seja via internet, é válido. Alguns conceitos no mundo atual estão mudando, mas ter amigos ainda continua sendo um valor inestimável. Mas toda amizade que se descobre no mundo virtual, se é coloda como você mesmo escreveu no "mundo real" é melhor ainda. Nada ainda substitui o contato olho no olho ao vivo sem intermédio de uma tela de computador.

Amigos desde que sejam amigos, são sempre pessoas que nos faz bem e nos faz pessoas melhores.

Parabéns pelo texto.

Abraço.

André Ribeiro

Eles me chamam de Sobrecomum postou 9 de abril de 2010 18:38

Conheço pessoas que diferenciam exatamente o virtual do real. Brigam no virtual e ligam no dia seguinte como se tivessem vivendo um universo paralelo onde a briga nunca aconteceu.

E já vivi amizades profundas sem nunca ter olhado nos olhos ou dado um abraço na vida real.

Tem de tudo nesse mundo e no outro também.

Isabel postou 13 de abril de 2010 10:36

Não sei se é a mesma coisa, pois como vc já disse em outros textos, na internet parece que todos são felizes, inteligentes, com senso de humor, cool, etc. Logo, parece que fazemos amizades com pessoas que não existem de fato, mas sim com personagens. Acho que o maior mérito da internet, neste caso, é ajudar a manter suas amizades que estão longe de vc, mas amizades que vc fez pessoalmente: pessoas que têm qualidades que fizeram com que vcs se aproximassem, mas que tb têm uma série de defeitos como todo mundo. Talvez por isso, muitos relacionamentos que parecem perfeitos no virtual, se desmoronam ao passar para o real. Afinal, a vida nem sempre é o conto de fadas que vivemos na internet.
Felizmente, posso dizer que nós dois somos um caso que deu certo! ;)

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo