Se for mandar buscar a morte, mande vir no SAMU

Postado em 8 de ago de 2010 / Por Marcus Vinicius

Calma! Não estou desejando mal ao propagandeado programa de socorro e resgate do governo e nem a ninguém.

Essa é apenas uma forma de dizer que desejo que ela demore muito, e se for depender do SAMU é capaz de termos aí um problema de superpopulação, porque a temida senhora não virá nunca. E faço questão de explicar o porque em duas rápidas cenas do cotidiano que eu mesmo tive o (des)prazer de presenciar.

Na primeira eu tinha almoçado num restaurante, era sábado e a casa estava cheia, era um desses estabelecimentos de dois andares, um desses templos de gulodice a quilo, já estava indo embora quando ouço por trás de mim o som de um pinguim rolando escada abaixo. Pensei na hora "pinguins não curtem comida a quilo, como pode?" e olhei para conferir: era uma senhorinha terminando uma cena de pastelão.

Lembrei de todos os episódios de E.R. que já assisti e disse: ela precisa ir para um hospital, pode ter que fazer uma tomografia (falar CT Scan é muito mais cool, mas fazer o que..) e resolvi ligar para o tal 192 do meu celular. O diálogo que veio em seguida é kafkiano:

-Alô? Quero pedir uma ambulância para socorrer uma senhora que caiu de uma escada.

- Pois não Senhor, qual o endereço?

- Rua tal, número tal, em frente ao colégio tal.

- O Senhor pode me dar um ponto de referência?

- EM FRENTE AO COLÉGIO TAL.

- Peço que tenha calma Senhor, essa escada onde ela caiu, está localizada em que lugar?

- Na rua tal número tal, dentro do restaurante tal e qual.

- Mas a escada é dentro do restaurante ou é saindo do restaurante e chegando na rua?

- É dentro do restaurante.

- Entendo. O Senhor pode me dizer a altura da escada?

- Eu não tenho fita métrica aqui, esqueci no meu outro cinto de utilidades, mas calculo que seja algo entre três e quatro metros.

- Três ou quatro metros Senhor?

- Quatro, quatro.

- Muito bem. Essa Senhora, qual a idade dela?

- Não sei, aparenta ter uns 60 anos.

- Ela está acompanhada?

- Sim, o filho está junto dela, socorrendo.

- E qual a idade do filho dela?

- Desculpa, mas isso é realmente relevante?

- Senhor, tudo o que eu pergunto é relevante.

- Não sei, uns 40 anos.

- E o Senhor tem o telefone dele?

- Se você quer um encontro, porque você mesma não pede? Que tal mandar uma ambulância logo?

- Senhor, eu preciso fazer todas essas perguntas, tenha paciência.

- Eu tenho paciência, só não sei se a cabeça dela que bateu no chão umas duzentas vezes enquanto ela rolava escada abaixo vai ter a mesma paciência.

- Ela está acordada?

- Está.

- Lúcida?

- Está tão lúcida quanto alguém de 60 anos, com um filho de 40, que possui o número de celular 9999-9999, que caiu de uma escada de uns quatro metros, dentro do restaurante tal, na rua tal, em frente ao colégio tal poderia estar 15 minutos depois da queda e sem nenhum tipo de socorro.

Foi quando o gerente do restaurante me procurou e disse:

- Amigo, outro dia eu fiquei meia hora com eles e a ambulância não veio. Eu vou pegar o carro do restaurante e levar a senhorinha acidentada para o hospital.

Só tive tempo de dizer para a atendente do 192:

- Muito obrigado pelo quiz. Não precisa mais mandar nada, porque como sempre as pessoas já se viraram sozinhas.

Da outra vez foi em Botafogo, em frente ao Espaço de Cinema. Ouvi aquele barulho característico de uma colisão de automóveis, só que ao invés de frear, o carro continuava acelerando. A mulher ao lado do motorista berrava "Ele está infartando! Ele está enfartando" (coloquei as duas formas "infartando" e "enfartando" para ninguém ficar chateado), fingindo que não lembrava da história da mulher da escada disquei para o 192 de novo.

Mas como seguro morreu de velho - porque nunca dependeu do SAMU - e eu sei que tem uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) ali perto, corri pra lá enquanto respondia ao questionário sócio-econômico-e-até-de-vidas-passadas que a atendente do 192 fazia.

Chegando na UPA, recebi a notícia que os médicos e enfermeiros ali lotados não pode ir nem na esquina caso alguém esteja morrendo lá. É preciso trazer o indivíduo até eles. Tudo bem, pelo menos eles devem ter alguma influência e abreviar o atendimento do 192, não é?

Não.

O Cabo do Corpo de Bombeiros estava já há 12 minutos - cronometrados no meu celular - com a atendente num debate interessante: a vítima bateu e desmaiou ou desmaiou e bateu?

Porque se tivesse batido e desmaiado, seria caso de ligar para o 193. Se tivesse desmaiado e batido, aí sim, seria 192.

No meio da discussão filosófico-matemática sobre qual era o número responsável pelo Senhor que agonizava a uns 800 metros dali, eis que chega o enfartado, trazido por um segurança que trabalhava na rua e resolveu ir até a UPA dirigindo o carro da vítima.

O cabo dos bombeiros devolveu o telefone, agradeceu meu "gesto de cidadão" e me confessou ao pé do ouvido "Esse 192 é uma m*!".

Não sei qual foi o destino da senhorinha da escada ou do senhor que desmaiou, mas sei de uma coisa: o cabo estava coberto de razão.

12 Comentários:

Tati Casuz postou 9 de agosto de 2010 10:33

O triste é saber que o serviço particular não está muito longe disso. Outro dia precisei de uma ambulância pra um familiar e o melhor que consegui foi pra dali a 6 horas... E era emergência! Beijussssssssssss.

Solange postou 9 de agosto de 2010 10:34

Aqui a zona é a mesma...SAMU,BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS,PARAMÉDICOS...muito título e pouca ação.E como dizia um conhecido...quanto mais gato,mais rato.Mas é duro vc querer ajudar e ter que responder perguntas tão imbecis.Querem calma porque não é o fiofó deles que está lá jogado.Mudaria se os políticos fossem OBRIGADOS a usar o SUS.

Tuka Siqueira postou 9 de agosto de 2010 12:03

Seria muito engraçado, não fosse trágico. Qualquer um que já precisou de atendimento médico de emrgência (gratuito ou não) sabe que embora pareça piada esse texto está coberto de verdade. A coisa é daí pra pior. Lamentável.

Gabriel Lez postou 9 de agosto de 2010 12:10

Decepcionante... tomara que nunca aconteça comigo. De qualquer modo, é uma vergonha.

Isabel postou 9 de agosto de 2010 14:05

As pessoas deveriam pensar no nível dos serviços que temos à nossa disposição na hora de votar. Realmente é uma vergonha!
Bjs

Anônimo postou 9 de agosto de 2010 15:32

Realmente não quero justificar tantas perguntas, mas já pensaram no número de trotes que esses serviços recebem? É preciso algum tipo de filtro, infelizmente.

Denise postou 9 de agosto de 2010 16:59

Tá, até entendo um certo filtro, mas perguntar a idade do filho da mulher? Afe, sem noção. Se dependermos dos serviços oferecidos estamos fus, só podemos torcer para: 1) Nunca acontecer isso com a gente
2) Caso aconteça, que tenha sorte, muita sorte (sorte existe?)
4) Que morra de vez, assim poupa sofrimento...
Aliás, isso me lembrou um outro caso, dessa vez com um fim mais trágico, um comerciante em Aracaju ligou pro 190 pedindo policiamento pois estava tendo seu comércio cercado por bandidos, e a ant ooops, moça que atendeu ficou fazendo um monte de perguntas idiotas.. Conclusão, a polícia chegou lá sim, depois que o cara foi morto pelos bandidos...

Meninas do Reino postou 10 de agosto de 2010 14:09

Seria cômico se não fosse trágico.
Eis um retrato fiel de como funciona os atendimentos de emergência em nosso país...Será que eles conhecem o significado da palavra EMERGÊNCIA? Será que dicionários ajudariam??? Quem sabe a solução está não em doarmos mais ambulâncias e sim dicionários!!!
Já ouvi cada história hororosa de destrato e descaso que não vale nem a pena mencionar...
É...no final tem q rir pra não chorar.

Roberta

André Luís postou 11 de agosto de 2010 10:39

Uma amiga de trabalho, foi atropelada na Raposo Tavares, todo mundo ligou pedindo o resgate, agora veja o resultado; da pista sentido capital/interior, veio a Samu e interior/capital veio os Bombeiros, bom nê? Não! Pois eles ficaram disputando para ver quem a resgatava, é ou não é uma vergonha?

mvsmotta postou 11 de agosto de 2010 10:48

André,

A tua amiga aí pegou a ambulância de alguém...

Mas brincadeiras à parte, nesse caso aí ela até deu sorte, porque tinham duas albulâncias disputando, pior é quem não consegue nenhuma.

Abraços,

Marcus

schindler_884 postou 26 de setembro de 2010 06:36

bom dia, minha opinião é a seguinte, cada região é uma realidade. sou funcionário do Samu no interior do estado do Rio Grande do Sul, o grande problema de forma geral é os inúmeros trotes que as pessoas fazem ao SAMU onde as âmbulancias muitas vezes são mobilizadas há uma "suposta emergência" a qual mobiliza toda central de regulação e toda equipe dos funcionários, neste mesmo momento se acontece algo realmente relevante a ambulância pode estar fora e não poder atender o que realmente interessa.
o fato do "quiz" concordo que algumas questões até não são relevantes, porém a central de regulação tem seus métodos de verificar se de fato é uma emergência ou alguém sem ter o que fazer agindo de maneira compulsiva e não medindo as consequências dos seus atos.
não estou defendendo ninguém, minha intensão é simplesmente deixar claro que cada região tem sua realidade, a minha graças a Deus funciona perfeitamente e as pessoas sempre são atendidas de forma rápida e profissional.
por fim, intendo a sua revolta diante da situação que você presenciou, faz sentido tudo o que está mensionado, PORÉM, como disse, cada região tem sua realidade, se de fato o serviço está com deficiências na sua região o correto é você reclamar com a central, relatar os problemas e falhas, enfim, informar exatamente o porque do descontentamento para que tomem providências e solucionar então o que está incorreto para que então o funcionamento seja cada vez mais satisfatório. O que unicamente não acho correto e discordo, é ser postado em blogs, mídias faladas e escritas opiniões que difamam profissionais que se empenham para atender com profissionalismo as pessoas que necessitam, vejo que você deveria "regular" as palávra quando diz "esse SAMU é uma M..." pois acaba atingindo até que está distante da sua suposta realidade os profissionais que estão entregues de coração e motivados a fazer o bem não importando a quem, a maneira como deixou expressada atinge de forma geral e não apenas da sua região, será que você conhece, teve informações e ou sabe como funciona o atendimento do SAMU em outras regiões fora a sua para "metralhar" o Serviço de forma geral?
Nós enfrentamos a dificuldades dos trotes que muito prejudicam o serviço, as pessoas não tem consciência de que uma besteira pode custar uma vida, mas mesmo assim não dizemos "as pessoas são umas m... por ficarem atrapalhando nosso trabalho sem pensarem nas consequências". Falar mal, criticar e ser convicto de que o Samu é uma "m..." é fácil, só espero que quando as pessoas que tem essa ideologia se algum dia dependerem de um atendimento prestado pela SAMU, tenham o atendimento de profissionais realmente dedicados a sua função como os do Estado do Rio Grande do Sul para que então revejam seus conceitos e quem sabe possam mudar sua opinião a respeito do serviço...

schindler_884 postou 26 de setembro de 2010 06:42

bom dia, minha opinião é a seguinte, cada região é uma realidade. sou funcionário do Samu no interior do estado do Rio Grande do Sul, o grande problema de forma geral é os inúmeros trotes que as pessoas fazem ao SAMU onde as âmbulancias muitas vezes são mobilizadas há uma "suposta emergência" a qual mobiliza toda central de regulação e toda equipe dos funcionários, neste mesmo momento se acontece algo realmente relevante a ambulância pode estar fora e não poder atender o que realmente interessa.
o fato do "quiz" concordo que algumas questões até não são relevantes, porém a central de regulação tem seus métodos de verificar se de fato é uma emergência ou alguém sem ter o que fazer agindo de maneira compulsiva e não medindo as consequências dos seus atos.
não estou defendendo ninguém, minha intensão é simplesmente deixar claro que cada região tem sua realidade, a minha graças a Deus funciona perfeitamente e as pessoas sempre são atendidas de forma rápida e profissional.
por fim, intendo a sua revolta diante da situação que você presenciou, faz sentido tudo o que está mensionado, PORÉM, como disse, cada região tem sua realidade, se de fato o serviço está com deficiências na sua região o correto é você reclamar com a central, relatar os problemas e falhas, enfim, informar exatamente o porque do descontentamento para que tomem providências e solucionar então o que está incorreto para que então o funcionamento seja cada vez mais satisfatório. O que unicamente não acho correto e discordo, é ser postado em blogs, mídias faladas e escritas opiniões que difamam profissionais que se empenham para atender com profissionalismo as pessoas que necessitam, vejo que você deveria "regular" as palávra quando diz "esse SAMU é uma M..." pois acaba atingindo até que está distante da sua suposta realidade os profissionais que estão entregues de coração e motivados a fazer o bem não importando a quem, a maneira como deixou expressada atinge de forma geral e não apenas da sua região, será que você conhece, teve informações e ou sabe como funciona o atendimento do SAMU em outras regiões fora a sua para "metralhar" o Serviço de forma geral?
Nós enfrentamos a dificuldades dos trotes que muito prejudicam o serviço, as pessoas não tem consciência de que uma besteira pode custar uma vida, mas mesmo assim não dizemos "as pessoas são umas m... por ficarem atrapalhando nosso trabalho sem pensarem nas consequências". Falar mal, criticar e ser convicto de que o Samu é uma "m..." é fácil, só espero que quando as pessoas que tem essa ideologia se algum dia dependerem de um atendimento prestado pela SAMU, tenham o atendimento de profissionais realmente dedicados a sua função como os do Estado do Rio Grande do Sul para que então revejam seus conceitos e quem sabe possam mudar sua opinião a respeito do serviço...

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo