"Só estou dando uma olhadinha"

Postado em 29 de set de 2009 / Por Marcus Vinicius

Quantas vezes já fomos obrigados a disparar esta frase como contra-ataque a uma investida de um "vendedor pitbull" na porta de alguma loja?

Algumas os dispõem em colunas, lado a lado, como se fossem uma tropa de choque a serviço do carnê de prestações.

É aquela coisa: você está passeando na rua ou em algum shopping, se interessa por algo que viu numa vitrine e dá uma meia parada para olhar. Até aí tudo mais ou menos bem (isso porque tem loja que instrui seus vendedores a te "pescar" já do lado de fora).

Mas normalmente seus problemas começam mesmo se você der aquele passo fatal, o passo para dentro da loja.

Imediatamente aparece um vendedor te abordando e você tem que dizer a frase "só estou dando uma olhadinha". Quando ela funciona, tudo bem, mas tem as lojas que ensinam aos vendedores que "o potencial comprador quer gastar seu dinheiro, você só precisa obrigá-lo a fazer isso", daí começa aquela espécie de dança do acasalamento, com o sujeito te cercando e você fugindo dele até sucumbir de um jeito (comprando alguma porcaria que nem quer) ou de outro (indo embora e fazendo-o "perder a vez" no rodízio).

Quem nunca passou pela situação de tentar caminhar dentro de uma loja, em paz, e ter atrás de si alguém dizendo "isso aí está saindo muito", "esta daí custa R$50,00", "se o Sr(a) quiser pode parcelar em 539 vezes sem juros no cartão", "Porque não leva? Ficou perfeita em você!", "Porque não compra um par de meias para acompanhar o chaveiro que está levando?" e outras tantas frases tão conhecidas por qualquer consumidor?

Sem contar as tentativas de te "enganar" de leve. Explico: você entra numa loja e pergunta "Você tem o tênis tal, marca tal, cor tal?" e recebe do vendedor a resposta "Tem, mas acabou!Porque você não leva um par de Havaianas?".

Não sei quem inventou essa história que diz que "vendedor bom é pro-ativo", "age como se estivesse numa batalha campal" e que "quanto mais agressivo, melhor".

Talvez os mesmos pentelhos que inventaram de obrigar os funcionários de lojas de departamento a cantar alguma musiquinha exdrúxula pela manhã quando a loja abre e à tarde quando fecha, achando que isso cria "espírito de equipe".

Não sei de onde surgiu essa coisa das "palestras motivacionais", "técnicas agressivas de venda" e outras idiotices, talvez do mesmo buraco de onde saíram os famigerados e gerúndicos manuais de telemarketing, que criaram essa horda de robôs, gente impessoal, mimetizada e que confunde pentelhação com solicitude.

O bom vendedor tem o equilíbrio exato entre estar disponível e ser invisível ao mesmo tempo, para que o comprador saiba que ele está ali, mas sem segui-lo como um stalker psicopata do cartão de débito.

Os consumidores agradecem.

15 Comentários:

Julle postou 29 de setembro de 2009 09:35

Ahahaha, Uma vez minha amiga foi numa loja pra comprar um porta-lápis. Quando o vendedor disse que não tinha, venho outro de pára-quedas falando "não serve um porta-retrato?". JU-RO.

Beijo, adorei o post.

Má B. postou 29 de setembro de 2009 09:37

Bom, é unanimidade (precisei reescrever 30 x isso) que ninguém gosta de vendedor assim. Não sei se sou mt otimista ou se só visito as melhores lojas, mas notei uma melhora de uns tempos pra cá.

Acredito eu que essas críticas tenham chegado aos ouvidos dos gerentes e eles tenham melhorado isso. Claro que nem todos ajudam.

Um tipo que eu vejo mt são aqueles de praça de alimentação q vc tá passando normalmente, acabou de sair do banhieor, ou terminou de almoçar, alguém te puxa pelo braço oferecendo macarrão. Não dá, né?

Existe uma linha tênue entre ser invisível e MUITO presente, e são espertos esses que sabem usar. Um bom vendedor consegue fazer com que vc veja coisas q nem gostaria, se falar de uma forma sutil, ou de um jeito não irritante. Agora qd força ngn merece.

Por via das dúvidas, faço da seuginte forma: já entro na loja dizendo "só to dando uma olhadinha, precisar te aviso, obrigada ^^"

Má B. postou 29 de setembro de 2009 09:38

Bom, é unanimidade (precisei reescrever 30 x isso) que ninguém gosta de vendedor assim. Não sei se sou mt otimista ou se só visito as melhores lojas, mas notei uma melhora de uns tempos pra cá.

Acredito eu que essas críticas tenham chegado aos ouvidos dos gerentes e eles tenham melhorado isso. Claro que nem todos ajudam.

Um tipo que eu vejo mt são aqueles de praça de alimentação q vc tá passando normalmente, acabou de sair do banhieor, ou terminou de almoçar, alguém te puxa pelo braço oferecendo macarrão. Não dá, né?

Existe uma linha tênue entre ser invisível e MUITO presente, e são espertos esses que sabem usar. Um bom vendedor consegue fazer com que vc veja coisas q nem gostaria, se falar de uma forma sutil, ou de um jeito não irritante. Agora qd força ngn merece.

Por via das dúvidas, faço da seuginte forma: já entro na loja dizendo "só to dando uma olhadinha, precisar te aviso, obrigada ^^"

Anne Araújo postou 29 de setembro de 2009 09:42

A mudança do comportamento dos vendedores devem partir dos gestores. Isto acontece muito também em lojas de sapatos, dá até medo de entrar em uma. A sensação é de ser uma bola americana onde a qualquer momento, um deles vai cair em cima de mim! Mas o comportamento que o colaborador tem, na verdade é o reflexo da gestão da empresa. É do gestor que a mudança comportamental, principalmente no que se refere ao atendimento ao cliente. Do contário, palestras motivacionais para colaboradores só funcionam para "encher linguiça" e irritar mais ainda os seus clientes.

Marise postou 29 de setembro de 2009 09:49

Se é uma técnica de vendas, para mim funciona como a anti venda. Saio correndo da loja se alguma criatura destas começar a andar atrás de mim como um serail killer!
Neste rol, podem ser incluídos os famigerados "caçadores de incaltos" que tentam segurar no seu braço, em plena calçada movimentada da A. N.S.de Copacabana( só um exemplo entre muitos) para fazer um tal cartão IBI.
É no mínimo, subestimar o consumidor.
Este post me fez rir um bocado, pois visualizei os "vendedores" atrás dos pobres " consumidores"!

Solange Baumer dos Reis postou 29 de setembro de 2009 10:02

Tem loja que eles já ficam na porta...nem entro.E se me cercam,antes que perguntem já vou mandando "Pra olhar não paga né?",e eles somem kkk

Daniela Pedrinha postou 29 de setembro de 2009 10:10

Tenho pavor de vendedores desesperados por bater meta.. são poucos os que te atendem direito e sem tanta pressão. Pq quem é bom vendedor, conquista o cliente e mesmo que ele não leve a loja inteira naquela vez, ele com certeza volta e procura a pessoa que o atendeu para comprar mais uma vez.

Eu odeio vendedor que não me deixa nem parar direito na frente da vitrine e já pergunta se quero ver, se apresneta e tal..

Uma vez fui trocar um casaco que comprei para o meu filho e pedi para ver alguns jeans para ele.. me arrependi! Tive que fazer a troca em outro momento, pq me senti obrigada a comprar a bendita calça tb, saí da loja quase correndo.

Rosa Pellegrino postou 29 de setembro de 2009 10:14

E aqueles que ficam a poucos metros, de olho em você, dando a impressão que vc vai roubar alguma coisa da loja?
Vendedor no cangote me faz perder a vontade de comprar. Fica a dica.
Mas há tb extremos, como aquelas lojas que qnd vc precisa do vendedor não tem uma alma penada pra te atender!!

Marcia postou 29 de setembro de 2009 10:50

Pior que vendedor "grudento" é "segurança" de loja te olhando como se vc fosse um dos 10 mais procurados.
Fujo de estabelecimento que dá esse tipo de orientação para os funcionários.

Anônimo postou 29 de setembro de 2009 13:01

Pior que vendedor "grudento" é "segurança" de loja te olhando como se vc fosse um dos 10 mais procurados. +1

é sempre assim, quando eles não tem o que você quer eles te empurram outras coisas. É dificil encontrar lojas sem ser lojas de departamento que os funcionários não fiquem te seguindo de um lado pro outro e observando cada movimento seu.

Isabel postou 29 de setembro de 2009 14:16

Outra coisa irritante é quando vc começa a ser atendida por um vendedor e ele vai atender outra pessoa, aí vc pede ajuda a outro vendedor que está disponível. Ao invés de te ajudar, ele vai procurar o primeiro que te atendeu pra te responder, pois a venda não é dele, é do outro. Aff!!
Outra coisa que detesto é vendedor te bajulando! Fui uma vez comprar um maiô, tinha acabado de ter minha filha, portanto bem acima do peso. Estava no provador e de repente a vendedora abre a cortina (ODEIO ISSO!!!), e diz "nossa, ficou ótimo em vc, ainda mais com um corpão desses". Putz...

Anônimo postou 29 de setembro de 2009 16:48

* Eita, relendo o que postei, percebi que "engoli" algumas palavaras.
Quis dizer que:
É do gestor que a mudança comportamental tem que partir, principalmente no que se refere ao atendimento ao cliente. Do contário, palestras motivacionais para colaboradores só funcionam para "encher linguiça" e irritar mais ainda os seus clientes.

Anne

Mulherzinhas postou 29 de setembro de 2009 17:17

..Não sei de onde surgiu essa coisa das "palestras motivacionais"...Pois é, também queria saber...e tem gente que adoraaaaaaaaaaa...vai entender!

Denise postou 29 de setembro de 2009 17:22

Nossa, isso me lembrou um 'causo' que aconteceu comigo há alguns bons anos atrás. Faltava pouco pro meu aniversário, e pedi pra minha mãe que queria um disco (sim, isso foi na época do vinil ainda hehe) de presente. Ela me deu o dinheiro para eu escolher. Beleza... fui na loja toda feliz, tava lá olhando.. boiando.. eis que chega uma vendedora do além e perguntou o que eu queria exatamente. Falei que ia levar algo, mas ainda estava decidindo. Nisso a doida começou a me mostrar 3904830843098423473874323208302893757430983489384 discos ao mesmo tempo. Caramba, saí correndo da loja e fui comprar em outro lugar.. Creeeeeeeedo!

Renata Braga postou 29 de setembro de 2009 17:31

Por isso tenho preferido as lojas de departamento...

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo