Não.

Postado em 17 de mai de 2010 / Por Marcus Vinicius

Segundo Saramago, o "não" é a palavra mais bonita do dicionário. A Barbara Curlee me disse que o "não" é libertador e poupa tempo. Concordo em partes com o português, já que conheço palavras mais bonitas, e concordo totalmente com a bela. O "não" liberta mesmo.

O único problema é uma questão que eu mesmo levantei outro dia numa conversa: quantas pessoas estão preparadas psicologicamente para ouvir um "não" (assim mesmo, sem nem exclamação) quando perguntam se "podem te pedir uma coisa" ?

A maioria só gosta de ouvir "não" quando é conveniente. Por exemplo, você está dormindo num sábado, 7 horas da manhã e te ligam perguntando "te acordei?", ou então a pessoa chega atrasada no cinema, derruba pipocas em cima de você, te pede pra levantar umas três vezes pra se ajeitar do seu lado, rouba um dos apoios de braço pra colocar um balde de Coca-Cola e no fim solta um "estou te incomodando, né?". Nesse caso o "sim" toma a forma insidiosa de um "não" e ofende igualmente.

Certas perguntas deveriam ser proibidas por lei de serem feitas. "Você já me traiu, ainda que em pensamento?", "Você acha que eu engordei?", "Essa festa está boa, né?".

Outra coisa importante nisso tudo é que o "não" além de ser libertador ainda é estimulante. O cara está dando em cima da menina e ela diz "não". Ao invés de tomar a decisão mais correta nessa hora, que é desistir, ele lembra de todos os livros de auto-ajuda que não leu (mas contaram pra ele) e encara aquele "não" como uma oportunidade de convencer a pobre coitada de que ela na verdade quer dizer "sim".

Sabe como é, aquela história do "Segredo", dos livros do Paulo Coelho, que o universo inteiro conspira a seu favor quando você quer realmente algo. Vocês conseguem imaginar mesmo o universo inteiro preocupado com um iogurte ou com a ida de alguém ao motel ?

Termina com a menina de mão na Bíblia, dizendo pra ele "É 'não' mesmo! Eu te juro por tudo que existe de mais sagrado!".

Essa nossa necessidade quase patológica de agradar a todos é que complica tudo. Como as pessoas adoram ser elogiadas e receber afagos no ego, aplicam a máxima do "é dando que se recebe" e sentem obrigação de dizer algo "legal" para ouvirem algo "legal" em troca.

Só que às vezes não temos o que dizer. Você acha a pessoa feia. Mas não é só você achar, ela é feia mesmo. E um belo dia resolve te perguntar "você me acha bonito?". A solução libertadora é o "não", mas talvez você queira preservar a amizade, então sai com um "eu te acho exótico" ou então "ahhh, você é uma fofa!".

Acredite: qualquer elogio que precise de explicação posterior vira palestra. Melhor sair dessa de um jeito libertador, porém não tão "pé no peito" quanto o "não". Diga simplesmente algo como "No humor que eu estou hoje, não acho nem a Megan Fox bonita". Pronto, se livrou de uma boa.

Agora, se a pessoa em questão for um mala (dessas malas vagabundas, vendidas em camelô de rodoviária) você conseguiu uma boa oportunidade de despachá-la no próximo ônibus pra Imperatriz do Maranhão: diga o "não", que nesse caso será duplamente libertador.

Mas não só o "não", todos seriam mais felizes se abusassem mais dos monossílabos e frases simples. "Sim", "não", "vem", "não enche". Seria o fim das discussões de relação, dos amigos ocultos de final de ano e talvez até dos chás de panela.

9 Comentários:

Anônimo postou 17 de maio de 2010 09:36

Hmm, achei bem interessante, de verdade.Muita gente procura agradar o outro,mas meio que isso é variante...contudo o não REALMENTE é libertador pelo simples fato de 9/10 pessoas não responderem com ele. É isso...gostei mesmo do post. =)

Solange postou 17 de maio de 2010 10:07

Sabe onde começa essa neura mentirosa em não dizer NÃO?Na infância.Estamos sempre sendo educados(ou deseducados),a sermos bonzinhos,a não ferir o sentimento dos outros.A agradecer com um sorriso(amarelo) aquele presente inútil que a tia deu.Beijar e abraçar aquele parente que vc nem sabe de que filme de terror saiu.Ensinamos a mentir,como se isso fosse boa educação.E o NÃO saber dizer NÃo está junto nesse pacote.Ou vai me dizer que alguém gosta da sinceridade de uma criança quando diz:Não gostei disso,preferia ganhar aquilo.Ou numa mesa cheia de coisas supostamente gostosas a criança diz:Não gosto.É constrangedor sim,mas é ali que começamos a cutucá-los e dirigí-los para o lado do "finja que está gostando"Estou mentido?
Beijão meu querido.

Valmir postou 17 de maio de 2010 10:22

E ja venho h[a um tempo fazendo intensivao pra aprender a dizer mais `naos`... rsrsrs Melhora a vida.

merry postou 17 de maio de 2010 10:22

Eu adorei esse texto, muito bom de verdade, não é só para te agradar risos.
Adorei a parte que: "eu te acho exótico", puta sacanagem essa.
Seus textos me rendem boas risadas.

Tom postou 17 de maio de 2010 12:11

o parágrafo sobre os livros de autoajuda merece meus respeitos. Boa sacada mesmo.

Eles me chamam de Sobrecomum postou 17 de maio de 2010 13:09

Outro dia eu li "sou responsável pelo que eu digo e nçao pelo que vc ouve". Dizer "não" pode ofender ou não dependendo da expectativa da pessoa que ouve.

Uma pessoa que pergunta: eu sou bonita? sempre respondo com: a minha opinião realmente importa?

O que ela acha de si mesma é o mais importante. Somos em 6 bilhões no planeta.

Lucia Valle postou 17 de maio de 2010 16:53

Pois é, concordo com você. E existe um grupo de pessoas "supersinceras" para as quais esse tipo de mentirinha diária é simplesmente torturante.
Quanto mais "traquejo social" a pessoa tiver, significa que mais habilidades ela terá com as "meias verdades"... Lamentável!
@LuciaValle

BarbaraCurlee postou 17 de maio de 2010 22:23

Ficou muito bom! e não é mentira,NÃO estou falando só p te agradar...Eu me libertei depois que aprendi dizer não,muita gente me acha péssima,mas eu diria que sou sincera.Xoxo

ihavenoidea postou 18 de maio de 2010 07:41

a pior forma de hipocrisia é fazer uma pergunta quando você não quer ouvir a resposta. a resposta verdadeira, de fato.

eu sempre rebato esse tipo de pergunta com outra pergunta: 'queres mesmo que eu responda?' é lógico que tenho que ouvir todo um discurso depois disso, ou um simples 'credo, que grosseria'. mas se não queres saber, não pergunte.

e muita gente confunde não com sim. não é não, à não ser naquelas situações em que tu dizes 'nãããão', mas com cara de 'siiiiim'. hahahaha!

;)

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo