Procura-se a Coca-Light

Postado em 6 de mai de 2010 / Por Marcus Vinicius

Desde criança adoro um refrigerante. Eu sei que "faz mal", que "engorda", "dá celulite","estraga os dentes" e também clareia mármores e desentope encanamentos, mas eu gosto, fazer o que? Pelo menos não uso drogas, não sou adepto da zoofilia e nem voto no PT.

Mas o fato é que depois de uma certa idade, nosso metabolismo fica menos rebelde e nos obriga a cortar calorias, caso contrário colecionaremos quilos a mais.

Daí a opção pelos refrigerantes Diet ou Light. Não vou mentir pra você: o gosto não é igual. Parece muito com o açúcar, mas quem disser que é igual não sabe a diferença entre um iPhone e um HiPhone.

Mas já é alguma coisa, então eu que sou fã de Coca-Cola, aderi à Coca Light. Mas um dia apareceu a Coca Zero, com gosto bem mais parecido com açúcar, um rótulo estiloso e a mesma promessa de eliminar o peso na consciência e na balança.

Até que recebi uma dessas correntes de internet, mais ou menos parecida com as que nos avisavam sobre os riscos de cobras e escorpiões em brinquedos do Mc Donald´s, de pessoas abduzidas na fila do Mc Donald´s que acordavam sem um rim ou dos assaltantes que marcam os carros das pessoas no Drive Thru do Mc Donald´s para nos roubar depois.

Como se nota a partir desses alertas repassados de email em email, as propriedades alimentícias da comida do Mc Donald´s são o menor risco que um cliente pode estar sujeito ali.

Mas essa tal corrente curiosamente não falava do Mc Donald´s e sim da Coca Zero. O texto em questão avisava que ao invés do aspartame usado na Coca Light, a Zero utilizava entre seus edulcorantes o ciclamato de sódio, que seria uma substância cancerígena proibida nos EUA, no México e em mais alguns países nos quais a Coca Zero utilizava outro produto adoçante na sua fórmula. Diziam que o ciclamato só era utilizado no lugar do aspartame porque seria bem mais barato.

Até na Venezuela, pasmem, o ciclamato foi proibido, ainda que eu ache que eles deveriam proibir outras coisas igualmente letais por lá, como o Hugo Chávez, por exemplo.

Fui pesquisar mais sobre o assunto e encontrei uma lista de produtos divulgada pelo FDA, órgão de saúde pública dos EUA, chamada "Generally Recognized as Safe (GRAS)", traduzindo seria algo como "reconhecidos como seguros". Nesta lista o ciclamato aparece com a seguinte observação: "Sodium cyclamate - NNS, ILL - Removed from GRAS", quer dizer, ele não é considerado seguro para consumo nos EUA.

Não sou repórter, mas fui atrás do tal "outro lado da história" e encontrei um comunicado da Coca-Cola dizendo que o ciclamato é liberado para consumo em mais de 50 países, inclusive na União Européia, e que só foi proibido nos EUA devido a testes realizados com ratos na década de 1970, onde os roedores receberam quantidades equivalentes a 700 latas de refrigerante por dia e que estudos posteriores provaram que o ciclamato não era uma substância perigosa.

Avisavam ainda que nos EUA já há um pedido para reaprovar o ciclamato e que este está sob revisão da FDA.

Até aqui, mais um boato internético desvendado, não é? Não. A parte que ainda ficou me incomodando foi a que dizia que a opção pelo ciclamato se devia a este ser mais barato.

Pensemos: mais barato, mais lucro. Qual empresa não gosta disso? E qual o problema se alguns clientes vierem a morrer por conta disso depois? Os valores pagos em indenizações sempre serão infinitamente menores do que os lucros.

Só que tudo isso pode não passar de teoria da conspiração levantada por um blogueiro sem assunto numa sexta-feira entediante. Mas um último dado que me deixa ainda mais desconfiado é o sumiço da Coca Light do mercado.

Pra quem já bebeu as duas, é fácil diferenciar seu gosto. Cada uma tinha seus clientes fiéis e ninguém brigava com ninguém tal como sunitas e xiitas. Porque então a Coca-Cola resolveu dar um sumiço na Cola Light?

Seja em shoppings, lanchonetes e até alguns supermercados, ela sumiu. Você encontra a tal Coca Zero ou então no máximo uma tal Coca Light Plus que vem numa lata menor e com preço igual ou até maior.

A boa e velha Coca Light sumiu do mercado por uma "estratégia de marketing" da empresa. Estratégia que obriga a pessoa que quiser continuar consumindo os refrigerantes da companhia, que diga-se de passagem é dona de uma fatia de mercado imensa no Brasil, a optar pela tal Coca Zero que usa um adoçante suspeito e barato.

Não sei o que você pensa disso, mas eu desconfio muito quando uma empresa resolve me oferecer um produto que diz ser tão bom quanto outro mas que tem um custo bem menor para eles. Afinal, por mais respeito que essa empresa possa ter por mim, não sou ingênuo e sei que a parte do meu corpo que ela preza mesmo é o meu bolso.

7 Comentários:

Danielle postou 7 de maio de 2010 13:07

Nooooossa que meeedo ;)

eu era uma fã fiel da coca light
e a plus é terrivel
tem gosto de gatorate com gás
hahahaha

fiquei bem triste qe ela saiu do mercado, agora eu soh tomo a normal, pq a zero soh tem gas ¬¬

mas serio qe to com medo agora, contarei a minha mae qe todos morreremos. hahaah

Isabel postou 7 de maio de 2010 13:07

Vem pro meu lado a passa a beber matte, rsssss.
Beijos

@samanthanayra postou 7 de maio de 2010 13:09

OMFG ! Isso eu nunca tinah reparado, com todo o questionamento e pesquisa desenvolvido no decorrer do post, nao tenho duvida nenhuma de que a malícia e ganância dos empresários (ainda mais se tratando de tal empresa) é maior do que a preocupação com a saúde dos consumidores, portanto, é totalmente aconselhável uma melhor averiguação a respeito disso tudo, e de preferencia, cortar outras calorias e tomar a Coca convencional, que apesar de desentupir pias, é totalmente necessaria pro funcionamento pleno do ser humano ... kkkk
Falou a viciada..

Erica postou 7 de maio de 2010 13:19

Light é o alimento que teve, pelo menos, 25% de redução calórica, e Diet são os que possuem adoçantes artificiais no lugar no açúcar. No caso dos refrigerantes, a única forma de se retirar calorias é cortando o açúcar (refrigerante é só xarope, água e açúcar, lembra?), ou seja, refrigerante light e diet são a mesma coisa.
Aparentemente, para as empresas é mais fácil jogar adoçante no lugar do açúcar ao invés de retirar o açúcar todo do refrigerante comum.

Particularmente, eu não acredito muito em pesquisas feitas em ratos, visto que os ratos ficam doentes por motivos que não são os mesmos dos humanos,rs

carmella postou 7 de maio de 2010 14:30

oi MVS, sou tua seguidora no twitter e tu é meu, legal né?
seguinte: fica tranquilo qto ao sumiço da coca light,pois aqui no sul, ela já voltou faz tempo.Com outra embalagem mas com o mesmo gosto.
acontece que muitos produtos são lançados por aqui e depois no resto do país. isso acontece muito com chicletes por ex.,estive em são paulo no início do mês e não encontrei o meu preferido que é uma latinha da mentos , que "atende" pelo nome de AQUA KISS,eles nem conheciam. Claro, a primeira praça como sempre foi porto alegre.
abraço, carmella.

Felipe postou 8 de maio de 2010 02:28

Talvez isso faça você pensar:

http://goo.gl/Qhw4

(não, não é spam.)

Karla postou 11 de maio de 2010 12:24

Na realidade o fato de estudos serem interrompidos depois da proibição pelo FDA é verdadeira. Mas aqui no Brasil já temos material de boa qualidade sobre o ciclamato (em todas as suas formas) feitos pela UNIFESP e USP. Infelizmente o que a maioria dos estudos tem como conclusão é problemas renais, hepaticos e placentarios (quando estudados em fetos de ratas gravidas), vale a pena procurar no google e ler esses estudos que mesmo não conclusivos podem faze-lo decidir ou nao pelo produto. No ser humano ainda nao temos conclusoes pertinentes, o que faz com que as empresas aproveitem essas "brechas" e usem o produto por nao apresentar danos aos humanos.Até onde sabemos. bjos.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo