O que ser quando crescer?

Postado em 18 de mai de 2010 / Por Marcus Vinicius

Chega uma época da nossa vida (atualmente isso chega cada vez mais cedo) em que começam a perguntar pra pessoa o que ela vai "querer ser quando crescer". É mais ou menos o ritual que acontecerá alguns anos mais tarde com o "E aí?Casa quando?", posteriormente com o "E quando vem o bebê?", um pouco depois com "Não vai encomendar um irmãozinho?" e ainda com o "Nossa, tá ficando velho, hein", terminando com o "Fulaninho não morre, já viu?".

Mas voltando à nossa escolha profissional, é uma injustiça que tenhamos de fazê-la tão cedo. Pensem comigo, o vestibular acontece perto do final cronológico da adolescência (cronológico porque hoje em dia ela dura cada vez mais, algumas adolescências chegam aos 40 anos), uma época em que o indivíduo não consegue escolher direito nem um sabor de pizza. E justamente nessa época cheia de hormônios, conflitos, dúvidas, falsas certezas e boy bands é que a sociedade chama o indivíduo a decidir o que ele vai fazer teoricamente pelo resto da vida.

Esse aliás é outro ponto interessante, porque parece que pra pessoa ser considerada bem sucedida essa escolha tem que ser mais longeva do que o Oscar Niemeyer. A garota escolhe fazer medicina, cursa a faculdade toda, se forma, faz residência e no final desiste daquilo pra ser designer de jóias. Dirão "Pena que não deu certo, né?" ou "Tadinha, fazer faculdade pra não servir de nada depois".

Eu diria: não e não. Melhor ser um peixeiro satisfeito do que um urologista frustrado com a vida (ainda que eu não consiga entender como alguém consegue ser feliz e ser urologista ao mesmo tempo).

Mas isso não impede que nós, que já vivemos um pouco mais do que o sucesso da banda de axé do último verão, fiquemos observando e nos divertindo com certas idealizações que a garotada faz em torno das profissões que pretentem escolher. É um prazer quase sádico.

O rapaz que resolveu ser publicitário achando que seria o próximo Washington Olivetto e hoje escreve textos para literatura médica sobre hemorróidas é um bom exemplo.

Ou a garota que queria ser dentista pra aparecer na propaganda da Colgate e terminou numa clínica popular, ouvindo 20 vezes por dia a pergunta "quanto que tá pra arrancá?".

Mas são todas decepções legítimas, difícil mesmo é imaginar certas escolhas. Quem consegue pensar num garotinho dizendo "Papai, quando eu crescer quero ser ongueiro e ganhar a vida tomando dinheiro do governo pra fingir que ajudo os pobres"? Será também que alguém acorda um final de semana, vai pra mesa do almoço e anuncia pra família: "Quero ser laranja do Sarney"?

Toda profissão tem seu lado bom e seu lado ruim, mas vamos falar apenas do melhor: as férias.

Haverá quem diga que isso é um absurdo, que o trabalho engrandece o homem e que uma vida sem responsabilidades é vazia. Mas aí eu pergunto: se puder escolher, você prefere ser feliz na sua atual profissão ou virar um milionário da Mega Sena? Não precisa responder, seu silêncio já basta.

No final das contas o único que não é enganado é o cara que trabalha limpando fossas, esse desde o primeiro dia já sabe que o seu trabalho será literalmente uma bosta.

6 Comentários:

Suely postou 18 de maio de 2010 09:36

Exatamente o que venho dizendo há muito (ops!!!) tempo...
Devido à facilidade de acesso à informação nossos adolescentes estão cada vez mais sabendo "muito pouco de tudo" e "quase nada de alguma coisa".
Quando chegam à hora de decidir que profissão escolher, estão absolutamente indecisos e despreparados.
Além disso, ainda hoje existem pais que pensam que carreira profissional deve ser herança.
O resultado é uma enorme quantidade de profissionais descontentes, infelizes, estressados e mal-humorados.
Trabalhar já é "uó"... Trabalhar em alguma coisa que não te agrada é pior ainda.
Sem contar que a molecada quer se formar e arrumar um emprego dos sonhos, tipo Presidente da Microsoft, da Jhonson & Johnson...
O negócio é ficar com a única parte boa da história, que no meu caso, como funcionária pública, ainda tenho que dividir em dois períodos de 15 dias...
Em tempo, minha experiência me garante que na realidade o trabalho empobrece o homem, porque quem trabalha não tem tempo de ganhar dinheiro...
Minha única esperança é ganhar na Mega Sena...

Isabel postou 18 de maio de 2010 10:29

Não acho ruim ter que trabalhar, o problema é ter que trabalhar TANTO. Preferia trabalhar 4 horas por dia do que ficar à toa em casa, afinal as crianças têm que ir pra escola e não dá pra passar a vida viajando. O que mais me incomoda é acordar, ir pro trabalho e só ver a luz do sol novamente na hora do almoço, pois no fim do experiente já é noite... Fora questões como não ter nada pra fazer no trabalho, mas ter que ficar lá só pra cumprir com o horário... Isso me tira do sério!
Beijos e parabéns pelo post, ficou muito divertido.

Thaís postou 19 de maio de 2010 07:55

Tá aí uma realidade que me pertence. Tive que decidir pra qual faculdade ir aos 16 anos. Hoje, com 18, no meio da faculdade ainda me pergunto se tomei a decisão certa.
Feliz mesmo seria se eu ganhasse na Mega Sena. Mas pra isso eu preciso jogar, e pra jogar eu preciso de sorte... então... deixa pra lá.

Anônimo postou 19 de maio de 2010 16:01

Aqui em São Luís um dentista ganhou vinte e três milhões na Mega Sena e abandonou a profissão.Hoje vive torrando o dinheiro mundo afora.

merry postou 20 de maio de 2010 04:48

O bacana dos seus textos é que parece que estamos conversando, muito bom!
Sobre o assunto eu sempre sinto aquela insatisfação e penso deve existir algo bem legal pra fazer, então eu, uma mente curiosa, estou sempre à procura de novas possibilidades, me senti igual seus "adolescentes" só que uma década abaixo risos.
Vamos tocando, não é boi nem uma guitarra mas.........

Aline postou 20 de maio de 2010 09:22

Todo mundo tem essa mesma percepção. Escolher o que eu vou fazer para o resto da minha vida quando eu tenho 17 anos é cruel! Uma idade que eu não tenho certeza nem do dia de amanhã, como eu vou saber o que eu vou querer fazer até ficar velha?! Se tivesse a opção de "ganhadora da mega sena", acho que seria a mais procurada!

Trabalhar é bom, mas no que vc gosta. Ganhar dinheiro é melhor ainda. Agora, dizer que trabalho enobrece o homem... isso é conversa de gte rica que acha que a frase é bonita e continua repetindo!

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo