Que falta de sacanagem!

Postado em 3 de mai de 2010 / Por Marcus Vinicius

Primeiro vamos ao vídeo que inspirou este post, volto logo em seguida:


Isso que você acabou de assistir (ou que já havia assistido em algum outro lugar) virou hit no You Tube, Trending Topic no Twitter e sensação na internet, merecendo os seus 5 minutos de fama. Sim, porque nesse mundo virtual de celebridades efervecentes, os 15 minutos foram diminuídos para 5, caso contrário não caberia todo mundo.

Vou fazer uma pausa pra você poder parar de rir de tanta coisa ridícula junta. Pronto, melhor? Então vamos falar o mais próximo de "sério" que é possível sobre esses pré-adolescentes e adolescentes de hoje em dia.

Já dizia Nelson Rodrigues que o jovem tem "todos os defeitos do adulto e mais um: o da imaturidade". Concordo com ele e acrescento: alguns adultos continuam adolescentes mesmo depois de velhos.

Mas eles não são o assunto, o assunto hoje são os adolescentes propriamente ditos, esta geração tão bem representada nesse vídeo. Já tive essa idade e quem me lê, se não morrer antes ou se não estiver me acompanhando através de uma sessão espírita, também já teve ou terá. Lá pelos 12, 13 anos começamos a descobrir o mundo. Tudo é novidade, portas, janelas e zíperes começam a se abrir à nossa frente e, na ânsia pela liberdade necessária para tantas descobertas, viramos pequenos e insuportáveis rebeldes. Era assim no tempo dos nossos avós, foi durante o nosso tempo e assim será enquanto o sol brilhar.

Curtimos ouvir bandas de rock no último volume, nos trancamos no quarto, sofremos paixonites, só andamos em turma, tudo isso é comum, o que não é comum é a imaturidade extrema, a idiotice estratosférica, o linguajar de silvícola e a comunicação escrita digna de babuínos treinados que essa "galera" atual exibe com o orgulho de uma besta quadrada babando sua saliva asinina.

Escrevem como imbecis, comportam-se como imbecis e nem pra demonstrar rebeldia conseguem sair do circuito MTV. Podem me chamar de saudosista, podem falar o que bem entenderem, mas a turma que foi adolescente junto comigo tinha sim, ídolos roqueiros, enchia salas de espetáculo, andava atrás deles, mas era diferente.

Basta pegar uma letra, qualquer letra de qualquer música, da Legião Urbana, Plebe Rude, Camisa de Vênus, Paralamas do Sucesso, Titãs, Ira! e comparar com essas bandinhas cultuadas agora como Restart, NX Zero, Hori e o escambau, e teremos quase certeza que as mulheres grávidas de 1995 pra cá sofreram os efeitos de algum tipo de radiação.

Eram ídolos pela atitude, pelo que diziam, pela qualidade das suas letras e só. Porque vamos combinar, Renato Russo, o Nasi do Ira!, Herbert Vianna e Bi Ribeiro, a maioria dos Titãs, Marcelo Nova ou o Ameba da Plebe Rude não eram o que se pode dizer bonitos e nem seriam "ídolos teen" nesse atual cenário que parece exigir três talentos para se chegar ao sucesso: androginia, roupas ridículas e um péssimo corte de cabelo.

São bandas de rock tão rebeldes quanto um comercial da Nívea.

Cadê a cara de mau que os roqueiros exibiam em outros tempos? Imagino um adolescente de hoje em dia num show do Ozzy em que ele babava sangue ou num show do Kiss com o Gene Simmons mandando aquele sinal feio do dedo para a platéia. Acho que eles iriam chorar e correr pro Twitter dizendo que estão traumatizados.

Maldade pra esses adolescentes de hoje seria o Júnior se separar da Sandy.

Eu assisto um vídeo desses e fico preocupado, sério. Porque se esses serão os brasileiros de amanhã, fatalmente seremos governados por algum chimpanzé que fugirá do zoológico e se elegerá presidente. Preocupação nem tanto por eles, que provavelmente aprenderão um bocado e evoluirão através dos exemplos do primata, mas comigo, que serei velho num país dominado pelos imbecis.

Não sei se por causa da violência e da criação desses jovens, que são mais presos, vivendo em condomínios e prédios cercados por segurança, não sei se devido ao maior acesso à informação fácil (e inútil) na internet, se à ausência de boa leitura ou simplesmente porque andam colocando idiotizol na ração que dão pra eles, mas o fato é: não se fazem mais adolescentes como antigamente.

Esses de hoje, com essa cabeça que têm, quando muito andariam com as crianças de 3 ou 4 anos da minha época e isso é o mais grave: quando tiverem 30, terão chegado aos 15.

19 Comentários:

ED postou 3 de maio de 2010 09:02

FALOU TD!
Texto perfeito, concordo com td. Tenho menos de 20 anos, mas a maioria dos meus idolos musicais ja morreram. Me chamem de velho, chato, saudosista, museu...nao ligo! Me recuso a seguir algumas tendencias.
So a imagem central ja explica mta coisa.

andre postou 3 de maio de 2010 09:18

Parabéns pelo post, sou musico a 20 anos, cresci ouvindo rock na fm, hoje o que se vê é um bando de pseudo roqueiros, que só estão na mídia por causa da roupa e se preocupam mais com o cabelo do que com a musica, mais uma vez parabéns.
Keep on rocking in the free world!

Grace Bichara postou 3 de maio de 2010 09:25

Meu filho adolescente já tinha me mostrado esse video, tbm escandalizado com a idiotice alheia. Essa geração está nos preocupando, pq são futeis, acomodados, não tem a ânsia de mudar o mundo que a juventude sempre teve. Os "mais centrados" pensam em mudar, no máximo, a própria vida, ganhar dinheiro, ter uma boa profissão. Os outros são esses, bem exemplificados no video... Não existe mais militância estudantil, todos estão conformados com a corrupção, ninguém se revolta, ninguém se manifesta...
Talvez a revolução feminina não tenha sido tão boa, afinal. Mães ausentes, em tripla jornada, não conseguem passar valores aos filhos. Pais mais ausentes ainda, tentam compensar a falta de convivio com mimos e permissividades.
Deu no q deu... E tenho medo do q ainda está por vir.

Marise postou 3 de maio de 2010 09:44

Eu até queria comentar,mas estou em estado de choque!
Só posso dizer que o post está muito bom, bem escrito como sempre, e ....ASSUSTADOR!
Acho que estou um pouco distante deste "mundinho" porque não tenho mais esta faixa etária sob a minha responsabilidade direta.
Quando passei por isso, foi mais saudável e menos traumatizante. Como foi dito, as bandas eram outras, e a rapaziada estudava e se empenhava um pouco mais.
Bem sou do tempo em que "quando Freud não explica, Lampião entra em ação"...
Será que vou ter que usar esta minha premissa para os meus netos e tentar evitar esta contaminação de idiotice em massa?
Bem,se eu tiver força e tiver que usar..acho que usarei!
Beijos

Lucia Valle postou 3 de maio de 2010 09:55

Concordo com tudo! Estamos convivendo com uma geração de alienados que desde os anos 90 tem sua mentalidade crítica formada pela Malhação (a novela global).

P.s.Não podemos esquecer de "hits" de nossa época como "Ursinho Blau-blau" e Menudos (rsrsrsr), para fazer justiça também aos acéfalos de nossa época!
@LuciaValle

charlene postou 3 de maio de 2010 09:55

Concordo...concordo!!!
sobre as roupas e os cabelos eu nem falo nada..pq kiss, ozzy, axel, queen e demais usavam umas roupas bem "diferentes" tbem.
mas as músicas...ahh isso me deprime..não tem conteúdo, nem sentido..é triste como conseguem ouvir isso!!!
ao menos os rocks que eu ouvia (e minha mãe odiavaaaa) me faziam pensar em alguma coisa..sem falar nas letras do renato russo!!!
acho que fanatismo de forma alguma é positivo, assim como tem alguns rockeiros fanáticos ¬¬ tbem existem esses "emos"? ah nem sei oq são!!!
mas acho que o principal influenciador disso é a mídia...oq é malhação???=/
mas a família tbem tem uma grande responsabilidade de passar valores e mostrar que status..roupas..e tdo mais não é o mais importante...pq um dia essa fase vai passar..e se o adolescente tiver uma boa base familiar, ele vai acordar pra vida!!!!=P

Serena V. Dusk postou 3 de maio de 2010 10:47

Concordo, condordo e concordo!
Graças aos meus pais, meu ''tempo musical'' foi muito mais dividido entre Paralamas, Legião , Cazuza, Cássia, enfim, músicas que me fizeram compreender que essas bandinhas toscas (na MINHA época,kkk, CPM22, Detonautas, etc.) eram realmente toscas, rs, embora nem se compare com Restart, Hori, Hevo, Cine e o diabo a 4. A questão é que minhas influências me mostraram que não existia só aquilo, apesar de eu estar vivendo o começo dessa geração de idiotas. Pq querendo ou não, uma geração é formada pelo momento e pelas influências, embora todas tenham alienados e pensadores. Tivemos uma geração de revolucionários por que a repressão havia passado de todos os limites aceitáveis ao bem estar, e por que alguns se propuseram a influenciar a luta pela 'liberdade'. Temos uma geração de imbecis por que vivemos um momento imbecil, influenciados por gente imbecil, sem um significado maior pelo qual viver senão esperar o novo áiPhone e a Lady Gaga vir ao Brasil (pra tirarmos fotos com o áiPhone). A gente só vai pra frente quando a coisa aperta? Pode ser...

Anônimo postou 3 de maio de 2010 13:03

Bom,começando pelo começo.Estes jovens são filhos de pais e mães da minha geração(sou de 66).Então o que deu de errado?Eu tenho 3 filhos e não foi fácil afastar os meus filhos da influência maligna de, por ex, Xuxa,Faustão,novelas,Carla Perez,Big Brother,etc. E qdo. eles já estavam com o pé na porta, sai daí. Somos exilados (socialmente), faz dois anos,para que eu possa concluir minha missão.Sabe por quê?Porque este era e é o meu papel, formar 3 seres humanos em todas as suas dimensões:intelectual,moral,emocional e espiritual. Só que pra isso vc precisa de muito,muito tempo,paciência, amor e muita leitura sobre o tema.As crianças e jovens são exatamente o que fazemos deles.Todos tem sua cota de responsabilidade,inclusive quem não é pai ou mãe.Sinto pena destes jovens e debochar deles é o caminho mais fácil e cruel de se eximir de culpa.Estes jovens vivem num país de adultos sem ética, sem caráter, líder em corrupção e tudo de ruim que vem com ela. Diga-me como se comportam seus filhos e te direi quem és. Um abraço e gracias pelo espaço democrático, querido! Márcia de Noriê

Gizz postou 3 de maio de 2010 13:33

Já falei isso hoje mas repito,depois desse post perfeito.
Inteligencia é afrodisíaco,meu caro!Um tesão so teus escritos!
Acho, que nasci na época errada, se já achava o povo da minha geração meio alienado,essa turma de agora me faz perder a vontade de passar dos 60.
Esses pirralhos com cabelos de "argentinos" pós-xampu de torresmo, com essas vozes miadas são o fim da picada.E tem a audácia de chamar essa choradeira de rock!E vou te dizer isso tudo é reflexo de pais permissivos,que acham que filho é bicho de estimação,que você dá comida, coloca pra dormir e leva pra passear. Educação é com a escola,que deveria dar formação.A guria tem razão é uma "puta falta de sacanagem" tá passando da hora de alguém sacanear essas bandas lixo que se acham músicos e aparecer com algo realmente decente!

Raíssa Lima. postou 3 de maio de 2010 13:51

E está é a realidade, o mundo será governado por gente completamente estúpida e fútil, sendo bem econômica nas adjetivações.
Realmente amedronta.

TheNerdVader postou 3 de maio de 2010 13:53

hahahahaha! Muito bom! Muita falta de sacanagem e muita falta de inteligência!

Suely postou 3 de maio de 2010 15:50

Tá vendo porque é que sou tua fã declarada???
Dentro de mim, meu filho já curtia o som de Paralamas do Sucesso e Legião Urbana, minhas bandas preferidas, e muita MPB. E deu certo. Meu filho tem bom gosto musical e, de quebra, faz aulas de violão e baixo.
Muita coisa boa em matéria de som quem me ensina é ele.
Pagode, funk e chororô de emo não entram em nossa casa nem por decreto federal!!!
Ontem ele comentou comigo sobre esse vídeo, mas eu estava tão envolvida com "Orgulho e Preconceito" que não assisti.
Trabalho em uma escola e é realmente deprimente o nível (ou seria melhor classificar como desnível?)cultural da criançada.
Os pais não educam, não estabelecem limites, não estão nem aí... Transferiram essas responsabilidades para a Escola, que não tem obrigação de educar filho de ninguém e nem estrutura, caso quisess.
Infelizmente, posso garantir que o que vimos nesse vídeo é somente a ponta do iceberg. A situação é muito pior do que aparenta.
Aos 51 estou apavorada com o que espera por nossa geração quando essa cambada de crianças e adolescentes imbecilizados assumirem o poder...

Cissa postou 3 de maio de 2010 18:28

Como sempre, texto perfeito, com o qual todos nos identificamos. Sim, é aterrorizante constatar as influências artísticas que permeiam a geração atual. No entanto, concordo com a Márcia, quando diz que chega a ser cruel criticar e acusar esses adolescentes. Acho que eles são tanto vítmas de sua "imbecilidade" como nós. Não tiveram acesso a outros horizontes, são quase órfãos de pais e mães presentes... Só me pergunto: o que passa na cabeça desses pais além de suas próprias carreiras e bem-estar econômico??? Porque parecem ter tempo para levar seus filhos ao shopping e à Disney, mas daí a ensiná-los a observar, refletir, questionar, problematizar e mesmo "poetisar" o mundo... acho bastante improvável. Não temos como modificar o mundo que oferecem aos nossos filhos, mas podemos ensiná-los a fugir dos caminhos mais óbvios. Por isso, fico muito satisfeita quando minha filha de 10 anos não é a mais "popular" da turma dela do colégio... Ela curte Lady Gaga e Beyoncé sim... mas adora mitologia grega, ouve desde Cássia Eller, Renato Russo até Caetano e Tom Jobim. Não entende o que as amiguinhas dela vêm de tão interessante no tal do Bieber... E hoje mesmo veio correndo me chamar pra assistir com ela uma videografia do "The Cure". As opções estão por aí, basta selecionar o que e onde procurar. Há sempre um jeito de ir Contra a Correnteza...rs Parabéns pela reflexão, admiro muito vc.

Isabel postou 4 de maio de 2010 07:43

Eu ando meio por fora dessas idiotices de adolescentes, e só fico sabendo dessas "novidades" através de você. É mesmo preocupante. Concordo com os comentários da Grace: os jovens não têm mais a ânsia de mudar o mundo que a juventude sempre teve, estão mais preocupados com futilidades. Será que é por causa do fácil acesso às informações inúteis da internet, como vc colocou? Será que a culpa é dos pais ausentes? Não sei, mas só espero que comece s surgir uma geração um pouco mais politizada, ou então estaremos ferrados, rss.
Beijos

Jubarulho postou 4 de maio de 2010 15:44

Genial, como sempre! Li e tinha um comentário a postar, que foi se perdendo à medida em que fui lendo os comentários. Pq o que eu ia dizer já está aqui em 2 ou 3 comentários.

Mas eu queria fazer uma observação. Pode ser ignorância minha, mas pelo que tenho ouvido por aí, não tem nenhuma banda de rock ATUAL que seja suportável! Aí fica difícil, pq esses jovens não têm escolha.

Aliás, o meio musical está muito, muito, muito escasso. Isso somado à geração que não tem orientação pq os pais só trabalham dá nisso...

Como você, eu tenho medo.

Fany postou 5 de maio de 2010 17:14

"Acho que eles iriam chorar e correr pro Twitter dizendo que estão traumatizados." Ri com essa...
Mas é sério mesmo, música que é música hoje em dia ja era, é raro, porque o que se vê é banda totalmente aliciada pela gravadora que canta uma música que nem sequer fala alguma coisa, mas tão se achando os fodões... Me poupe! Quero ver hoje em dia um músico que protesta, que escreve o que sente... e o figurino é detalhe. Não! Se aparece isso hoje, é deixado de lado, porque ninguém se interessa...
Bem, viva o rock das antigas, nos CD's, é claro, porque esse já ta morto... infelizmente

Rodrigo[NightSpy] postou 6 de maio de 2010 05:08

Que adolescentes de hoje em dia são fúteis, acomodados entre outros defeitos é vísivel e fato.

Porem atrelar isto a um ritmo musical é forçar demais a barra, sei que muita gente concordou com o texto, e creio que grande parte é rockeiro e um pingo de saudosista tb( e quem não é?).

Pesquisem um pouco mais, destilar o ódio que todo rockeiro tem em bandas e ritmos que não lhe convêm(pq tudo isso no fundo é questão de gosto) ajuda a camuflar as verdadeiras causas do pq tais adolescentes são assim. (mídia, educação errônea dos pais "precoces", falta de educação adequada..entre outros muito mais importantes e significativos que um "estilo" musical).

PS: Apesar de eu ser de outra tribo(nasci e cresci ouvindo cartola, adoniram, benito de paula, entre outros), presencio a mesma coisa que vcs falam sobre os "emos" nos pagodes mela cueca de hj em dia...mas não jogo a culpa de tudo q vejo errado na mulecada nos tais pagodes.

Luciano Flores postou 6 de maio de 2010 06:58

Esses jovens são um resultado, uma consequência de vários "deslizes" de gerações anteriores, não só da geração anterior, das anteriores. Por isso fico com àqueles que assumem sua parcela de responsabilidade.Se ouvir boa música fosse garantia de gerarmos gerações melhores, esta atual, segundo eu entendi, devería ser o supra sumo. Porém não é o que se vê. Logo não vejo muita relação entre as músicas que os meus pais ouviram, que eu ouvi e ousso, com o comportamento que meus filhos tem ou terão. Claro existe gosto e influencia musical, mas a formação de uma pessoa vai muito além das influencias e gostos musicais a que está ou esteve exposta. Tem muita, muita gente que ouviu Legião e hoje não presta, assim como não dá pra afirmar que essa geração está condenada porque ouve música de qualidade duvidosa. Apesar de adorar música, não tive na adolescência nenhum ídolo, gostava da músicas, mas elas não induziam o meu comportamento, muito menos os artistas que as cantavam (graças a Deus). Os meus ídolos sempre estiveram mais perto de mim, dentro da minha casa, conversando comigo, orientando, presentes, atentos. Tenho certeza que isso sim faz a diferença.

@bocadelata postou 9 de julho de 2010 13:50

Meu Deus isso porque foi ''falta de sacanagem'', imaginem o estado deles se houvesse sacanagem. Sei lá mas das ''Antigas'' e ainda não entendi como se criam essas aberrações, e espero nunca entender mesmo.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo