Brasileiro: o autêntico bunda mole.

Postado em 8 de jan de 2010 / Por Marcus Vinicius

Pra começar, antes de dar vazão ao seu ufanismo bananense leia até o final, depois se quiser me xingue à vontade.

Eu estava num supermercado outro dia, mais precisamente no caótico mês de dezembro, e as filas nos caixas eram intermináveis. Aquele monte de senhoras comprando castanhas, senhores comprando vinho e "galeras" comprando cerveja.

Se houvesse no lugar aquelas placas dizendo o tempo estimado de atendimento, elas deveriam indicar algo próximo da idade de Matuzalém. Pois bem, no meio desse "conforto" todo, uma caixa desliga sua máquina registradora, coloca uma plaquinha de "fechado" no seu posto e avisa que "está na hora do lanche".

Longe de mim pretender que uma caixa de supermercado morra de fome bem ali num dos templos da gulodice, tal qual morrer poeticamente de sede em frente ao mar, mas isso é problema dela. O problema do caixa fechado, que logicamente deveria ter sua operadora substituida, era do gerente da espelunca e o meu problema era só um: conseguir sair dali enquanto 2009 não acabava.

As pessoas que estavam na fila do caixa da mocinha que foi lanchar, eu incluído, começaram a reclamar de ter que mudar para outra fila, da demora no atendimento, de um monte de coisas, mas aquela reclamação tímida, meio que ao pé do ouvido, típica de um contínuo na fila de um café da manhã gratuito.

Como posso ser tudo, menos um cara "dócil", resolvi que aquele muro das lamentações não era o meu lugar e fui procurar o tal gerente, se é que aquele local possuia um.

Bom, sim, havia um gerente que estava ocupado batendo papo com os rapazes da entrega sobre as possíveis contratações do Botafogo. Fui obrigado a interromper a mesa redonda e falar com o dito cujo.

- Boa noite, o Senhor acha normal que um supermercado tenha filas deste tamanho, mal organizadas, entupidas de gente, lentas, e no meio disso tudo uma caixa saia para lanchar sem que ninguém a substitua?

- Senhor (lá veio ele com esse "Senhor", botam na sua b..., você sabe, e te chamam de "Senhor"), o Sindicato exige que elas tenham direito à uma pausa para o lanche.

- Amigo, não me interessa o Sindicato e nem o misto-quente da menina, ela que saia, mas é seu trabalho colocar alguém no lugar ou então você mesmo ir pra lá operar a caixa, já que não acredito que um gerente de supermercado não saiba fazer isso.

- Mas ela não vai demorar nada, em 10 minutos ela volta.

- Senhor (Rá! Agora era minha vez!), eu já estou aqui há uns 20 minutos e não faz parte dos meus planos dar mais 10 para vocês, mas já notei que essa conversa não levará a nada, me diz o telefone de reclamação do estabelecimento ou me entregue um livro para isso que eu não vou comprar mais nada aqui, porém vou relatar a forma absurdamente imbecil com a qual vocês tratam seus clientes.

- Tudo bem, Senhor (Bah, me devolveu a bola), vou pegar o livro.

Bom, depois do "desabafo", voltei pra fila para esperar o tal livro. E qual minha surpresa?

O livro chegou? O livro não veio? Nada disso! O gerente mandou que abrissem o caixa para me atender, isso mesmo, para que eu fosse atendido, somente eu e ele se livrasse do problema.

Chegou dizendo "Senhores, eu vou ter que abrir esse caixa 1 minuto para atender a este Senhor, mas por favor, permaneçam nos seus lugares".

Sabe o que aconteceu? Desculpem a caixa alta: TODOS OBEDECERAM!

Eu que precisei dizer: "Mas não mesmo! Que negócio é esse?! Quer dizer que porque eu reclamei você vai me tirar da fila e o resto das pessoas vai continuar na União Soviética? Nem pensar!".

Aí ele se tocou que havia deparado com um "sujeito pé no saco"(ou seja, eu) e abriu a fila para todos.

Moral da história: os políticos nos roubam, o Metrô nos trata que nem sardinhas em lata, a prefeitura deixa sua rua esburacada e mal iluminada mas te cobra impostos e multas cada vez mais leoninos, o Estado te cobra outros tantos impostos e te dá em troca um tratamento que nem chimpanzé de circo recebe, pedágios sobem, passagens sobem, os serviços só pioram, somos cercados de absurdos e excrescências diariamente e pouco ou nada melhora, sabe porque?

Porque temos no Brasil gente demais que fica quieta na fila do caixa, que vê alguém sendo privilegiado porque "defendeu seu lado" e não exige que defendam o lado delas também, gente que murmura reclamações mas não toma atitude nenhuma e, pior, quando alguém faz, ainda é taxado de "reclamão", "azedo", "baixo-astral".

Podem me falar "porque então você não vai pra rua protestar?". Porque eu seria um louco solitário que talvez conseguiria uns outros 50 loucos para andar atrás, se tanto.

E quanto ao resto? O resto murmura. Murmura e pasta.

29 Comentários:

Douglas Falsarella postou 8 de janeiro de 2010 05:11

Ótimo post, eu também não me calo nunca, sempre brigo por meus direitos. O problema no Brasil e que como vc disse a maioria se cala.
Aqui fazem o que querem e poucas pessoas vão atrás dos seus direitos.

Abraços

Guto Arruda postou 8 de janeiro de 2010 05:21

Parabéns pelo texto. O Brasil só reelege aqueles canalhas porque um monte de bundões votam neles, e agente é tratado que nem animal por empresas que não tem o minimo de respeito pelo consumidor porque poucos reclamam. Quer coisa mais vergonhosa o caso do Speed?? Será que todo mundo já esqueceu depois da Campanha de "Mea culpa" da Telefônica??
Acorda Povo!!!

Thiago Crescente postou 8 de janeiro de 2010 05:26

Concordo com você, mas cansei de reclamar e nada acontecer. até a polícia já me aconselhou a somente fazer propaganda contra o estabelecimento porque infelizmente eles não podiam fazer nada.

Enquanto os estabelecimentos estiverem ganhando dinheiro que o conssumidor se foda.

Minha atitude agora é simplesmente ir embora e não perdernenhuma oportunidade de difamar o lugar.

mvsmotta postou 8 de janeiro de 2010 05:28

Guto,

Na verdade as empresas (e os políticos também, porque não?) CONTAM com a bundamolice do brasileiro.

O Metrô Rio trata seus usuários que nem gado, aliás, pior do que gado, mas aí distribui umas passagens de graça e está tudo bem de novo.

Por isso esse país não passa de uma República das Bananas, com aspirações risíveis a virar "potência".

Só se for (im)potência.

Um abraço!

Revistada postou 8 de janeiro de 2010 05:42

É realmente dilacerante ser uma voz solitária no meio de uma multidão de zumbis, cegos, surdos, mudos e tapados. Já botei a boca no trombone como você e, infelizmente, me dei mal por ser dita como esquerdista, contestadora, mal-humorada e outros tantos adjetivos. Tem brasileiro que já nasce picado pela Tse-Tse, porque é tão sonolento e apático que é difícil acreditar.Alguns até fora do "padrão normal" de banananice.
Enfim, que vivam nessa morosidade, mas calada eu não ficarei. Jamais.

João Gusthavo postou 8 de janeiro de 2010 07:08

É por isso que eu não saio de casa, para exercer meu medíocre papel nesse mundo capitalista, sem o Código de Defesa do Consumidor. Qualquer um que tenha o rabo preso (e são praticamente todos) treme diante dele. O processo é lento, mas é a única arma realmente eficaz que temos pra acabar de uma vez por todas com os abusos a nós consumidores, o sangue correndo nas veias do sistema capitalista. Acreditem ele funciona, e eles sabem disso.

BLOG do CAD postou 8 de janeiro de 2010 07:22

É isso bota a boca!
faço igual.
Reclamo e não volto.
Fiz isso em 2004 (acho) nas casas bahia, fui para conhecer e detonei.
Por isso que estão encerrando as operações no RS!

Isabel postou 8 de janeiro de 2010 07:35

A prestação de serviços, especialmente no Rio de Janeiro, é muito ruim. E é muito cansativo a todo momento vc ter que reclamar, por isso às vezes deixamos pra lá. Nesse caso do supermercado, talvez eu largasse meu carrinho de compras no corredor do supermercado e fosse embora. Um problema comum é nos bancos, que nunca respeitam o limite de tempo máximo na fila. Toda vez que tenho que ir ao banco, sei que vou me aborrecer...
Bjs

Rafaewh postou 8 de janeiro de 2010 09:10

Eu estou entre os cinqüenta!
(Ri demais)
Concordo com tudo. Passei a reivindicar meus direitos a partir do dia que eu fiquei na fila do banco por 2 horas pra pagar um GRU no valor de R$ 0,02 centavos, pode crer que é verdade. Depois que descobri a tal lei que determina um tempo limite para o atendimento nunca mais esperei, tanto. Pego sempre minha senha com o horário da minha entrada. O gerente logo fica sabendo, e dá um "jeitinho" de colocar mais gente para atender. Chega!!!
Temos que pagar tantas taxas, tarifas, imposto, juros... e ... Pô, um bom atendimento digno e rápido é o mínimo!

Lucas postou 8 de janeiro de 2010 09:26

É o velho conformismo brasileiro! (@LucasCMendes)

edemar postou 8 de janeiro de 2010 09:27

Segundo pesquisas o Brasil totaliza 189,6 milhões de pessoas e por ai vão os números de bunda moles. é bem isso brasileiro se acha o rei da cocada preta o esperrrto mais deixa muito a desejar com os quadrados La do outro lado que em menos de 50 anos ergueram a segunda maior potencia mundial.francamente, vamos correr atrás das coisas sair as ruas exigir nossos direitos de cidadãos civilizados

Eder Lima postou 8 de janeiro de 2010 10:38

Apoiado.

As pessoas sempre reclamam de 'quem reclama'.

Se cobramos nossos direitos e respeito somos chamados e reclamões, chatos e etc.

Você tá mais que certo meu caro, tem que reclamar mesmo.

Sem mais!

Anônimo postou 8 de janeiro de 2010 10:39

Cara, gosto dos seus posts. Acho vc um chato de galocha, assim como eu tbm sou um. Parabéns pela crítica. Concordo com tudo o que disse.
Abraço.

Erko Bridee postou 8 de janeiro de 2010 10:46

Excelente post o/

se todos nós fizessemos o mesmo que você, o Brasil mudaria...

(@ErkoBridee)

Adoniram postou 8 de janeiro de 2010 10:46

Já fiz muito barraco em fila de banco com clientes folgados e com a gerentes incompetentes; loja de eletrodomésticos; hospital (já consegui tirar de um culto evangélico o diretor de um hospital pra fazer valer os direitos do meu pai, pois o médico receitou o já conhecido golpe "tome um Cataflan e vá pra casa" quando o caso dele foi internamento direto em UTI). Não deixo por menos mesmo. Médicos então, é bom nem falar. Um abraço.

Raquel postou 8 de janeiro de 2010 11:18

O Brasil é formado por:
Bundas-moles que aceitam tudo calados e contam suas desgraças para os jornais sorrindo, pelos que mamam nas tetas dos grandes aceitam tudo por interesse,pelos ignorantes que realmente não sabem que tem direitos e por meia dúzia de reclamões, pés no saco, que sabem dos seus direitos, cumprem com seus deveres e não querem apenas ser respeitados! Eu me incluo nos reclamões. Reclamar dá trabalho, mas ficar parado vendo o circo pegar fogo é vergonhoso!

PIPI postou 8 de janeiro de 2010 11:24

se fosse na minha terra..o povo começava logo a gritar ehehe :-D temos um temperamento muito forte :-D

parabéns pelo blog!
bom FDS!

Luiz Almeida postou 8 de janeiro de 2010 11:25

Eu concordo com tudo o que vocês escreveram. O problema, acho que vocês irão concordar comigo, é educação. Enquanto tivermos uma educação medíocre (claro que há exceções...mas para certo grau de elite), isso perdurará. Já pararam para pensar o quanto poderíamos ser a melhor nação do mundo? Essa idéia até hoje me persegue. Desabafei :-) #prontofalei ;-)

Abraços a todos e viva o Brasil.

PIPI postou 8 de janeiro de 2010 11:25

se fosse na minha terra..o povo começava logo a gritar ehehe :-D temos um temperamento muito forte :-D

parabéns pelo blog!
bom FDS!

Milady postou 8 de janeiro de 2010 11:27

Isso aconteceu mesmo? Desculpa, mas eu não estou acreditando que esse gerente estúpido fez isso! E Pior que as pessoas na fila iam aceitando feito vacas de presépio! Inacreditável! Que porra é essa?

Olha, eu não gosto de reclamar não, mas quando é necessário, vamos lá, colocamos uma senhora dose de paciência no saco e vamos ver o circo pegar fogo! Ainda mais aqui no Quadradinho que a mão-de-obra é mal remunerada e mal preparada, rapaz... é uma festa...

Mas confesso que estou embasbacada é com a atitude do gerente!

Solange Baumer postou 8 de janeiro de 2010 11:27

Bunda mole e boca aberta.Reclamam pra vizinha,pra pessoa do lado,mas não abrem a boca pra quem devem abrir.Você já fez o certo...foi em cima do dono do barraco.

mvsmotta postou 8 de janeiro de 2010 11:31

Milady,

Eu também fiquei embasbacado, sério.

Porque quando ele abriu o caixa pensei "vai adiantar a fila", mesmo porque haviam pessoas na minha frente, mas aí uma senhora me alertou "ele só está chamando o Sr".

Aí eu fiquei, como dizia minha avó, "uma arara".

Mas esse conformismo e essa bananice é retrato, como bem disse o Luiz Almeida, da falta de cultura do nosso povo.

São dóceis demais, mansos demais, gado demais.

Um abraço e obrigado pelo comentário!

Marcus

Carls Paiva postou 8 de janeiro de 2010 12:10

Mais um para engrossar a lista que já deve estar maior que 50 !!!
Já fiz o mesmo em fila do EXTRA MORUMBI em SP
Era a fila de atendimento prioritário, com 3 caixas e um deles fechado. A data: 24-DEZ Detalhe: o ar condicionado não dava conta em refrescar o volume de pessoas que havia na loja.Insuportável!!!
Para as moças dos caixas era um dia normal, com total tranquilidade... Não davam conta das pessoas passando mal na fila...
PROTESTEI: chamei o Gerente para que tomasse providencias: abrisse mais um caixa, trocasse as caixas lerdas. Uma delas era estagiáris...
Eu mesmo fiquei ao lado de uma das caixas incentivando para que fosse mais rápida e ágil
O povo gostou !!!! Fiz até discurso insuflando a massa a protestar, lutar por seus direitos e deixar de ser BUNDA MOLE !!!

Nicholas Pufal postou 8 de janeiro de 2010 13:26

Achei o blog através do Twitter, e adorei o teu post. Tu deveria ser colunista, ou escrever em algum meio de comunicaçã, pois pra aturar tanto desaforo, e sem que a nossa saúde seja abalada, só levando na ironia como teu post mesmo.

Assino embaixo.

Eu nao gosto de me estressar. É tanta coisa errada nesse país, que parece que para a coisa mais imbecil do mundo a gente tem que se estressar por aqui... Atividades banais, se a gente não tiver controle, podem acabar com a nossa atitude.

Agora, se chega em um ponto extremo como esse, realmente não dá pra aguentar... E nem deve mesmo, pq se nao vira a evolução do cocô.

kacau postou 8 de janeiro de 2010 14:43

Sinto muito ter de lhe dizer isso mas...seja bem vindo ao clube!

De acordo que muitas pessoas não reclamam por puro comodismo mas também temos que admitir que as classes mais baixas tem medo e vergonha de reclamar de seus direitos por razões óbvias.Infelizmente,independente da classe social murmuros não resolvem problemas nem geram mudanças.Digo isso porque já fui assim,do tipo passiva,enquanto minha mãe dava grandes espetáculos todas as vezes que presenciava injustiças como essa.Hoje já não questiono seus meios,é protestar ou se calar para sempre.


Carolnatale

zambof5 postou 8 de janeiro de 2010 15:20

se as pessoas tivessem voz ativa, como a sua nesse caso, o collor não estaria na ativa, o Bigodinho do amapá não seria presidente do senado, o deputado que matou 2 pessoas em curitiba com seu carro ainda estaria preso, a globo não passaria tanta merda na tv, e tantas outras idiotices que vemos por ai.

boa matéria.

Dayse postou 8 de janeiro de 2010 17:15

parabéns pelo texto, vc fez a coisa certa ir diretamente ao que parecia ser a solução, mas não foi,os estabelecimentos tbm precisam ter cuidado com seus funcionários em termos de atendimento ao cliente por que ao que me pareceu ele ao inves de tentar solucionar o problema ele levou para o lado pessoal e quis te humilhar.

Gisele postou 9 de janeiro de 2010 05:01

E o troco??? Se vc não paga no cartão...quem disse que eles têm os centavos do troco para te dar? Exijo mesmo!!!!! Esses dias me olharam como se eu fosse um ET...mas estou nem aí...sou brasileira e já desisti deste país de bosta e de bundas moles...nós brasileiros somos umas putas que se vendem por uns trocados do governo e depois fica amordaçado!

Nádia Alcalde postou 9 de janeiro de 2010 10:21

Eu concordo que o brasileiro é bunda mole sim, eu não era... reclamava sempre por estas coisas...mas aí nada estava mudando e eu estava me tornando estressada demais, chegava a passar mal quando tinha que ir ao banco resolver alguma coisa...passo mal até hoje..mas respiro fundo e resolvi aceitar e ser bunda mole também!! Acho que fico mais feliz assim, me contento apenas em reparar as coisas absurdas do dia a dia, a falta de informação das pessoas e tudo o mais de indignante...levo uma palavra cruzada e espero chegar minha vez..

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo