Rock and Roll all night and party everyday

Postado em 18 de jan de 2010 / Por Marcus Vinicius

Não sei porque ainda não tinha falado do Kiss aqui, mas outro dia estava escutando um show deles enquanto malhava na academia e lembrei exatamente o porque dessa banda que é considerada poser por alguns, circense por outros e clássica pela maioria estar entre as minhas 3 bandas favoritas de todos os tempos desde que eu me entendo por gente: eles sabem fazer rock and roll.

Você pode até não gostar do som dos caras, mas é inegável que antes de ser apenas uma banda longeva, o Kiss é uma banda respeitada. Não existe rockeiro no mundo que não saiba que eles são influentes e deixaram sua marca no mundo do rock.

Gente tão diferente quanto Lenny Kravitz, The Replacements, Mötley Crüe, Cheap Trick, Julian Lennon, Nirvana, AC/DC e Van Halen (ambos já abriram shows do Kiss), Blind Guardian, Pantera (Dimebag Darrell tinha Ace Frehley tatuado no peito), Skid Row, Anthrax, Garth Brooks, Pearl Jam, Poison, Extreme, Dr. Sin, The Donnas, Iron Maiden (também abriu shows do Kiss), todos já admitiram publicamente serem fãs e/ou terem sidos influenciados de alguma forma pelo Kiss em suas carreiras.

Querem mais um exemplo? Acho o maior barato como fã ouvir o Weezer, que tem muito pouco a ver com o estilo do Kiss, cantando "I've got posters on the wall, my favorite rock group, Kiss. I've got Ace Frehley. I've got Peter Criss waiting there for me. Yes I do, I do", na música "In the garage". Porra! É muito legal isso!

Lembro bem que ainda era criança, mais ou menos naquela fase onde ainda não temos gostos muito definidos e se nossos pais disserem que o Reginaldo Rossi é o maior cantor do mundo nós acreditamos (os meus jamais fariam isso, é claro), foi quando conheci o Kiss.

Eles vieram pela primeira ao Brasil e foram recebidos com histeria pelos fãs enlouquecidos e pelos "conservadores" e religiosos que os acusavam de tudo, desde matar pintinhos com seus enormes saltos de sapato até possuir iniciais que diriam algo como "Kids (ou Knights) In satan Service" (Garotos ou Cavaleiros à serviço de satã).

Sabe como é, muito mais fácil pensar nisso do que acreditar que uma banda composta por caras que não escondem em nenhuma entrevista que sua motivação inicial era (e continua sendo) "pegar mulher" se chame simplesmente "Beijo".

O Kiss foi a primeira banda de rock que eu realmente me interessei, a ponto de ser deles o meu primeiro disco ever, um "Creatures of the Night" em vinil. Depois vieram outros discos deles e também o interesse por outras bandas tão diversas quanto Iron Maiden, The Cure, The Smiths, Marillion, U2...

Mas dentre tantas novas e antigas que eu curti na vida, o Kiss sempre estava lá, não apenas com seu lugar de direito como "a primeira de todas", mas como uma das minhas preferidas.

Seu som forte, suas letras poderosas, alegres e interessantes, seus shows que são verdadeiros espetáculos, eventos produzidos não só para ouvir, mas também para ver, as máscaras que impedem tanto que as eventuais trocas de músicos sejam sentidas assim como que a idade dos integrantes seja percebida (no Kiss, todos são eternamente jovens enquanto estão no palco), tudo isso contribui para a longevidade e para a legião de fãs que os acompanha por onde vão e compram de tudo, desde chaveiros até caixões (sim, caixões, é sério), enchendo os bolsos deles de dinheiro (outro grande interesse assumido pelo pessoal da banda sem falso moralismo algum).


"You wanted the best, you got the best! The hottest band in the world: Kiss!".

Como bem diz esta nada modesta frase de abertura dos seus shows, em 2009 eles finalmente retornaram ao Rio de Janeiro e eu então pude assistir a minha banda preferida ao vivo. Foi um momento não só de retorno à época em que eu passava noites com os amigos ouvindo seus discos e comprando revistas sobre eles, mas também ao mais puro e simples rock'n'roll, sem "climas intimistas" e nem arranjos complicados, apenas duas guitarras, o poderoso baixo de Gene Simmons e uma bateria.

Quatro caras tocando e um monte de loucos, de 15 até uns 60 anos ou mais, ali embaixo cantando e pulando debaixo de chuva.

O show deles terminou com a música que dá título a este post e que eu gosto tanto que tenho até esse refrãozinho gravado na carcaça do meu iPod, e toda vez que essa música toca onde eu estiver, eu me sinto como se estivesse novamente ali embaixo do palco, sob a chuva de papel picado que acompanha a sua execução.

E talvez esteja aí o maior segredo do sucesso desses mascarados: seus fãs tem sempre um beijo dentro do carro, uma transa inesquecível, um show fodástico, uma viagem alucinante, uma boa experiência relacionada às suas músicas e ao que o seu som produz em cada um deles.

Assim, não tem como ser diferente, é rock and roll all night and party everyday, há exatos 37 anos.

Esse post faz parte do sorteio que estou realizando. Faça seu comentário e concorra a um calendário 2010. :)

12 Comentários:

delaorden postou 18 de janeiro de 2010 03:06

belo post. Sei como é essa sensação. Tive aoportinudade de ver os Stones ao vivo em Barcelona em 1978(+-) e foi inesquecível. Valeu !

Mauricio postou 18 de janeiro de 2010 03:16

Parabéns pelo texto. Sou grande fã do KISS e compartilho do entusiamo em relação à banda. Poucas coleções completas me dão tanto orgulho quanto ter a discografia da "Hottest band in the world". Tive oportunidade de ir ao show deles em 99, com a turnê 3D Psycho Circus e na ano passado. Se não fosse o show do AC/DC, eles estariam no topo de todos os que eu já vi. Ninguém se apresenta num palco como eles. Esqueça a técnica, as letras profundas. O KISS, com suas melodias simples, fortes e diretas, e suas letras que pregam apenas diversão, é a trilha sonora pros melhores momentos da minha vida. E acredito que pra vida de muitos.

Scarlett postou 18 de janeiro de 2010 03:43

O Kiss é uma banda maravilhosa, difícil até de ser definida. Eu gosto deles desde que eu comecei a gostar de rock e jogar Guitar Hero. Eles me conquistaram com a linda Strutter, e depois com todas músicas. É muito bom saber que pelo menos o Paul e o Gene, estão juntos a mais de 30 anos com o Kiss, pois hoje em dia é complicado, é um entra e sai nestas bandas. Mas a sensação de ver o Kiss na ativa até hoje é sensacional. Gosto muito da In The Garage do Weezer!

Com meus pais eu dei muita sorte, porque eles gostam de rock, então eu já fui criada escutando Beatles, Black Sabbath...

Ah o show do Kiss em abril...
Com certeza ficou ótimo, que bom que você foi!!! Eu estava com muita vontade de ir mais não podia então nem fui!

Como que eu joguei e cantei no guitar hero "I wanna rock and roll all night and party everyday"...

Eu fico muito feliz, assim como o Kiss terem lançado em 2009 o Sonic Boom com as lindas "Yes I Know" e "Hot And Cold" o Guns ter lançado o Chinese Democracy, com a bela "Better" e o Duran Duran com o lindo show ao vivo em Londres, fazendo a gente relembrar a linda Save a Prayer ...

O rock é magnífico!

Abraços!
Scarlett Neves.

Nara postou 18 de janeiro de 2010 06:21

Tenho dó de quem acha que KISS é puro marketing, só digo isso.

Thais postou 18 de janeiro de 2010 06:40

De tudo, o que mais chamou atenção foi essa dos "caixões". Você passa uma vida ouvindo os caras e "nem a morte nos separa". Muito bom esse post, faz qquer um cantar o refrão com você.

@thatypalhano

Solange postou 18 de janeiro de 2010 06:48

Muito bom...Kiss me lembra os anos 80(divinos anos).Tinha muito programa de tv que mostrava os clipes das músicas.Hoje só se vê cantor em show.Nada de vídeos elaborados.
Mas o Kiss representava uma rebeldia divertida.Aquelas botonas,aquela língua enorme mandando o mundo se f...Tudo D+.Mas eles provam que o tempo não detona quem é bom(ótimo!).
Amo a alegria,as cores,o estilo e o rock viciante deles.
Bela homenagem!

Péricles postou 18 de janeiro de 2010 08:42

Eu não sou fã do Kiss, mas tenho que admitir eles são magnânimos na arte de fazer um show de rock, comparável aos lendários Beatles e Pink Floyd. Suas músicas inspiram até hoje vários nomes do cenário musical, seja do rock ou do pop.

Achei sua forma de redigir ótima e com uma ordenação de pensamento que é capaz de motivar o leitor a ir baixar alguns cds dos caras.

Parabéns e até o próximo post. Espero que seja sobre minha banda preferida: The Smiths!

Péricles (twitter: @valepordeus)

Reginaldo Nepomuceno postou 18 de janeiro de 2010 08:53

Responde aí: No show aí no Rio vcs também foram enganados pelo show pirotécnico na última música? Em SP saímos do show em transe, sem entender como uma bada poderia ser tão maravilhosa até na despedida do palco.

mvsmotta postou 18 de janeiro de 2010 08:55

Reginaldo,

Aquele show do final foi a cereja no bolo. Os caras arrebentaram.

Abraços!

Suely postou 18 de janeiro de 2010 09:08

Já postei um comentário, mas ele sumiu!!!
De qualquer modo, embora não seja fã do KISS não posso deixar de dizer que ouvir "I wanna rock'n roll and party everyday" sempre me dá vontade de sair dançando mundo afora, sem destino e sem nunca mais voltar prá casa!!!
Obrigada por despertar lembranças da minha adolescência, mais uma vez!!!

Rafael postou 18 de janeiro de 2010 09:32

Interessante post, gosto de Kiss, não acho a melhor banda do mundo (sou mais um ac/dc, um black sabbath, um iron maiden ou um judas priest), mas se tratando de banda influente ela com ctz está no topo.
Reza a lenda inclusive que suas caras pintadas foram na verdade uma cópia do visual do grupo Secos e Molhados, mas isso seria uma história de no mínimo 3 páginas hehehe =p

abraço

@rafaelempke

Bleffe postou 18 de janeiro de 2010 10:23

O Kiss foi a primeira banda de rock que eu realmente me interessei, a ponto de ser deles o meu primeiro disco ever, um "Creatures of the Night" em vinil. (2)

Dali em diante, minha vida mudou!!!

Em 96 assiti ao acústico MTV deles (até hoje o mais vendido) e, um ano depois, comecei a compor. Em 2002 fundei o Bleffe.

Será que fui influenciado???

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo