PT e FARC: uma negativa seria bem mais simples

Postado em 21 de jul de 2010 / Por Marcus Vinicius

Se por um acaso me acusarem, sei lá, de fazer parte de um grupo que tenta revogar a lei da gravidade ou então de ser favorável à disseminação da tuberculose, eu vou onde for possível e onde houver quem me escute e direi: sou totalmente favorável a Lei de Newton e juro por tudo que há de mais sagrado que eu quero que o Bacilo de Koch se exploda e que não tenho nada a ver com ele!

Pode ser que algumas pessoas - que já não vão com a minha cara - não acreditem e continuem pensando que eu desejo ver elefantes voando e o mundo habitado por tísicos, mas só o farão porque assim o querem, pois eu não terei me calado e, conseqüentemente, consentido com o malfeito.

E é justamente por isso que eu me incomodo com a postura do PT e de suas lideranças - incluindo aí sua criatura-candidata - em relação às "acusações" de que eles mantém ligações com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, aquele agrupamento de narco-terroristas que seqüestram, matam e praticam outros crimes sob a proteção da imensidão amazônica.

Desde que o candidato à vice-presidente na chapa de José Serra, o deputado Índio da Costa, disse que o PT mantém ligações com as FARC e - aí nesse ponto passando do tom - com o narcotráfico, já vi os mais variados dirigentes, líderes e áulicos do petismo reclamando de baixaria, dizendo que não vão descer a este nível, ameaçando com processo, citando outros fatos relacionados ao candidato do PSDB e ao partido do candidato a vice, o Democratas, denunciando manobras eleitoreiras, enfim, fazendo toda sorte de atitudes histriônicas de quem se acha "injustiçado", menos a única atitude que alguém nessa posição tomaria de imediato: negar veementemente a acusação.

O próprio José Serra - muito acertadamente - corrigiu o rumo deste debate dizendo que o PT não tem nenhuma ligação com o narcotráfico, porém tem sim, ligações conhecidas com as FARC.

E isto é inegável.

O PT é um dos fundadores do Foro de São Paulo, entidade da qual as FARC faziam parte. Lula já sugeriu que as FARC abandonassem a luta armada e aderissem à luta política, já ofereceu o território brasileiro para "negociações" entre os narco-guerrilheiros e o governo constitucional colombiano, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil se nega a condenar as ações do grupo.

Dilma Rousseff, quando era ministra da Casa Civil, requisitou a mulher de Olivério Medina, representante das FARC no Brasil, para trabalhar no Ministério da Pesca. A Revista Cambio, da Colômbia, publicou uma série de e-mails que estavam no computador do terrorista Raul Reyes, morto por forças colombianas no Equador, listando aqueles que seriam “os amigos” das FARC no Brasil, entre eles José Dirceu, Gilberto Carvalho, Celso Amorim, Marco Aurélio Garcia e Paulo Vannuchi, aquele dos "direitos humanos". Esta mesma ação do governo colombiano que matou Reyes, foi veementemente condenada pelo governo brasileiro na ocasião.

Enfim, reportagens e farta documentação sobre a ligação do PT com as FARC são públicas e notórias, porque então seus líderes fazem tanto estardalhaço? Nenhum político da oposição, jornalista ou outro cidadão qualquer sustentou a tese do envolvimento petista com o narcotráfico - o próprio Indio da Costa já voltou atrás, o que foi bom - então porque eles não se restringem ao esclarecimento - de uma vez por todas - sobre sua obscura relação com a guerrilha colombiana?

Seria tão simples o PT emitir um comunicado claro, direto, dizendo o seguinte: renunciamos e renegamos qualquer ligação com as FARC, repudiamos os atos terroristas daquele grupo e negamos qualquer tipo de relação com a guerrilha na atualidade.

E porque não fazem isso? Porque desta forma iriam contra a sua lei da gravidade particular, aquela em que tudo fica de ponta a cabeça e a vítima passa a ser a ré, um malfeito serve para explicar o outro, a negação ad nauseam termina por prevalecer sobre a verdade e a clareza é quase um pecado mortal.

Se alguém um dia acusar um petista de ser favorável a tuberculose, ele não vai negar e nem concordar, provavelmente vai ameaçar algum enfermo de processo ou então o próprio bacilo causador da doença.

6 Comentários:

Isabel postou 21 de julho de 2010 06:38

Ótimo texto! Está faltando ao PT mais transparência nas suas atitudes. E não é apontando os erros dos outros que se apaga os seus próprios erros.
Beijos.

Thomas postou 21 de julho de 2010 08:05

Não podemos deixar essa bola cair. Esse assunto não pode ser esquecido. Depois de um silêncio de 20 anos, precisamos aproveitar e divulgar para o máximo de pessoas que conseguirmos!

Flavio H Souza postou 21 de julho de 2010 08:16

Brilhante coluna. O PT não pode desmentir pq está ligado a FARC até o pescoço. O problema é o silêncio obsequioso da imprensa em relação a tudo que pode prejudicar a imagem do PT perante inocentes-úteis da burguesia.

Ery Roberto Correa postou 21 de julho de 2010 09:41

Motta, aplaudo-te. Quem mais seria capaz de traçar um paralelo tão claro, usando para tanto elementos tão singulares quanto a gravidade e a tuberculose?

Aliás, a tuberculose aqui coube de forma ímpar, eis que, nesse processo metafórico veste realisticamente a carcaça do PT.

Parabéns. Fiquei fã deste teu texto. Recomendei-o no Twitter. Abraço.

André Luís postou 21 de julho de 2010 20:46

Não assumo e não nego coisa nenhuma! Sou populista e não besta! Alias “besta é tu”.
É este o pensamento do PT! Mas, só do PT?

mvsmotta postou 21 de julho de 2010 20:47

Sim, André, mas o PT elevou isso ao máximo do cinismo, da cafajestagem e da sem-vergonhice.

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo