Primavera-Verão/Outono-Inverno

Postado em 17 de nov de 2009 / Por Marcus Vinicius

Estava folheando uma revista antiga na sala de espera de um consutório (sei que revista antiga de consultório parece pleonasmo, mas sigamos) e vi que um determinado chinelo (de uma fealdade ofensiva) seria a grande coqueluche do verão 2008.

Todos os que fossem vivos naquele ano, também terminariam o verão sem conseguir imaginar como seria a vida nas praias sem um carrinho simpático empurrado por um jovem uniformizado e munido de uma sombrinha estilosa que venderia salada de frutas, água de coco e outros acepipes naturebas.

Confesso que mesmo indo à praia com uma frequência bastante razoável e habitando a "Meca" veranil brasileira que é o Rio de Janeiro, manjedoura de tudo que é moda útil e inútil, feia ou bonita possíveis, não vi o tal chinelo enfeiando um pé sequer e nem achei a tal barraquinha modernosa.

Isso teoricamente serviria como prova cabal de que os experts nas modas e tendências não sabem de nada e apenas dão chutes a esmo, às vezes acertando o alvo, às vezes não.

Mas aí lembro uma cena, que eu particularmente acho deliciosa, do filme "O Diabo Veste Prada", quando a sempre lindíssima Anne Hathaway, interpretando a sua Andy, leva uma lição de moral de Miranda (vivida por uma das maiores de todas, Meryl Streep).

Na cena em questão a estagiária vivida pela Anne Hathaway faz pouco caso de uma reunião comandada pela chefe, como que toda aquela energia dispendida em favor de definir tendências fosse perda de tempo.

Aí então a chefe, o "diabo" em pessoa, explica para sua rebelde estagiária que o "azul cerúleo" do suéter que ela usa, com certeza escolhido numa cesta de uma loja de departamentos popular, havia sido uma cor que virou febre a partir de uma coleção Yves Saint Laurent.

Ela termina dizendo algo como "foram pessoas numa sala como esta, e não você, que escolheram a cor que agora você usa".

Isto faz pensar de verdade.

Somos nós mesmos que decidimos a "tendência" que faz sucesso, seja no vestuário como também em tecnologia como celulares, reprodutores de mp3, jogos, filmes, computadores, calçados, automóveis, etc, etc ou nós apenas decidimos o que queremos a partir do que nos é apresentado por quem realmente decide?

Esta é uma boa pergunta de difícil resposta, porém curiosa de procurar e ponderar.

No final das contas, o que nós realmente decidimos e escolhemos e o que os outros escolhem por nós?

Não parece difícil concluir que muitas "Mirandas" são quem na verdade definem boa parte de tudo o que consumimos pela nossa vida afora.

5 Comentários:

Maria Luíza Lenzi postou 17 de novembro de 2009 07:30

Eu diria que essa e' a pergunta de um milhão de dólares! Como fazer um sonho de consumo?

JulliHonorato postou 17 de novembro de 2009 07:43

Rss... Tu sabes o que acho mais engraçado da tal "Moda", é que algumas pessoas realmente ficam nas mãos de tais críticos que dizem o que é melhor e acabam esquecendo de se olhar no espelho pra ver se combina. Enfim, os que tem simacômetro ligado e ativo, com certeza sabe o escolher quer.

maribremecker postou 17 de novembro de 2009 08:29

Certamente, existem zilhões de pessoas por tráz da roupa básica que estou vestindo, mas elas somente mostram as alternativas, quem escolhe realmente é você, eles são a mente pensante para que apartir do que eles sabem dos desejos do consumidor e do que os estilistas gostariam de vender, para colocar de forma menos extravagante e mais "normal" tudo o que queremos ou vamos vir a querer a vestir.

http://maribremecker.wordpress.com/

Danilo B. postou 17 de novembro de 2009 08:52

Moda deveria ser encarada como arte, sem padrões, sem lógica, sem simetria, sem o feio ou o bonito, apenas como arte. E isso não acontece.

Um pequeno grupo de bichas e mulheres fúteis dita o que vc pode e não pode usar, baseando-se em gostos exclusivvamente pessoais e tendências que nem sempre tem a ver com o clima. Criam conceitos de certo e errado na moda como se estivessem criando leis morais. Tem coisa mais patética que isso?

Por mim a humanidade deveria abolir a moda como cultura. Não tem nada que torna o ser humano (principalmente as mulheres) mais fútil do que a moda.

carol postou 21 de dezembro de 2010 19:44

exato, é impossível não seguir a moda pq oq vão te oferecer numa loja de departamentos já é a "chepa" (xepa?) da moda! só se vc for rico e mande fazer suas roupas em costureira... aí vc pode até afirmar que tem "estilo"

e "moda" é um enigma tão grande q n se resume ao vestuário... quem viu o filme do FB (a rede social) deve ter saído da sala intrigado como eu: "pq uma ideia usada deu certo? pq as pessoas escolhem a rede X e nao a Y, se as duas oferecem os mesmos serviços?" - moda! a gente vai onde todo mundo está... essa vontade instintiva de pertencer a um grupo (por mais anti social que sejamos)

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo