O que é Twitter? Pra que serve o Twitter? Quem é Twitter?

Postado em 21 de dez de 2009 / Por Marcus Vinicius

"Muitas pessoas buscam na internet informações sobre seu microcosmo. Elas querem saber por que está faltando luz ou a razão do barulho na vizinhança e esperam que alguém saiba e coloque na rede."

A frase acima não é de algum dono de serviço de auto-falantes ou rádio comunitária e muito menos do dono de algum serviço de peixe-delivery, só que enrolado no jornal do dia, é de um dos criadores do Twitter, Biz Stone, dita em uma entrevista à revista Veja.

Outro dia falei aqui sobre a fixação que temos por criar listas dos "melhores" de tudo, não sou muito fã destas definições por achá-las superficiais e subjetivas, mas não tenho dúvidas que 10 entre 10 internautas apontariam o Twitter como o destaque, o fenômeno, a última bolacha do pacote da internet mundial (até que inventem outro biscoito, é claro).

Conheço muito pouca gente que tenha passado o ano de 2009 sem ouvir as perguntas do título.

E comigo não foi diferente. Há pouco mais de um ano atrás conheci o Twitter mais ou menos como a maioria das pessoas: ouvi falar em algum lugar, entrei e logo em seguida fiquei imaginando pra que diabos aquilo servia.

E creio que o processo que se deu comigo foi igual com todo mundo, ou seja, eu fui descobrindo a minha maneira de utilizar o Twitter, seja para absorver informação quanto para divulgar conteúdo ou simplesmente conversar fiado.

Fiz amizades e conheci pessoas que jamais teria conhecido se não fosse pelo site de microblog, algumas pessoas parece que conheço há bem mais do que esse ano que passou desde que cheguei.

Até este blog aqui, aconteceu e é levado a sério em muito pela divulgação que o Twitter me permite realizar e a consequente interação que posso desfrutar diariamente com quem me lê. Posso dizer que por causa do Twitter eu me interessei pelo blog e acabei vindo parar aqui.

O micro me trouxe ao macro.

O Twitter também trouxe ao nosso cotidiano expressões que nem imaginávamos que fossem se tornar tão corriqueiras como "retweet", "trending topics", "Follow Friday", os tão bem falados por uns quanto esculhambados por outros "scripts" e nos ensinou a outrora tão complicada diferença entre "followers" e "followings".

Sem contar que nos associou definitivamente ao símbolo da arroba, transformando-a quase em nosso prenome digital.

Virei o @mvsmotta , que segue e é seguido por outras tantas "arrobas".

Mas tirando este aspecto de "estilo", quem sabe até de comportamento, a frase do criador do Twitter que abre este post resume bem o segredo do sucesso e o porque da loucura que o site causou no mundo todo, este globalizado planetinha que agora pode mobilizar-se em razão das eleições no Irã, de uma cantora feiosa na Inglaterra ou simplesmente para demonstrar sua cabeça oca e emplacar um "chupa" nos Trending Topics.

O Twitter tornou-se não só algo "legal" de se usar, mas também necessário.

As pessoas passaram a procurar nele notícias sobre seu país, sua cidade e até seu bairro. Ele, em sua imensa e esmagadora universalidade, contribuiu para que os seus usuários voltassem para o seu microcosmo, por mais paradoxal que possa parecer e, no fim, a globalização levada às últimas consequências que o Twitter trouxe nos remeteu de volta à paróquia, à vizinhança, ao aspecto mais minimalista do nosso dia a dia.

Um cafezinho num bar agradável virou notícia, uma compra ou uma pechincha virou assunto, a feirinha da esquina que tem lichias em promoção virou manchete.

Buscamos o Twitter para saber do trânsito, das ridículas blitzes da tal Operação Lei Seca, dos novos escândalos políticos, dos últimos micos das subs-pseudos-protos-celebridades-lixão, para saber o que houve quando toda nossa cidade apagou e terminamos por descobrir que o país inteiro estava às escuras.

Barack Obama foi enaltecido por usá-lo, depois confessou que outros usavam por ele, mas tudo bem, o Twitter é esse sucesso todo também por isso: trouxe as "estrelas", os "famosos" e os "VIPs" para a praça, para o "pé-de-igualdade" com o anônimo, o "transeunte", o "comum".

No Twitter todos tem voz, todos podem fazer sua voz reverberar, tanto para o bem, quanto para o mal (a Xuxa que o diga).

Ele passou a pautar jornais, televisões, "orkutizou-se" e se transformou numa forma de comunicação rápida, eficaz, democrática e necessária.

E isto me leva à outra frase de Biz Stone, dita na mesma entrevista: "Nosso serviço é aquele tipo de coisa de que ninguém sabia que precisava até começar a usá-lo" .

Quando diz isso, ele sabe muito bem do que fala.

5 Comentários:

Raiana Reis postou 21 de dezembro de 2009 05:56

Assim como tudo em mundos reais ou virtuais o Twitter é uma ferramenta adaptável ao modo de uso de cada um, parece que todos começam de modo parecido, sem entender bem a 'bula' e logo descobrimos a serventia.Uma das minhas primeiras frases resumia o estranhamento... "Não me acostumo a esse mundinho das poucas palavras..." ainda o utilizo de forma 'tímida' mas realmente é um ótimo diferencial para divulgação dos macros blogs, só não devemos centraliza-lo como foco virtual, acredito nele como agregador 'informal' ainda não sendo um curinga, como pressupôs alguns artigos que já falam da "extinção dos e-mails".
Seu texto retratou muito bem e realmente cheguei ao blog através do @mvsmotta! Abraços, @raianareis ;)

Se desejar retribuir uma visita, meus blogs:
http://raianareis.blogspot.com
http://tocou.blogspot.com

luallessi_ Conversadeliquidificador postou 21 de dezembro de 2009 09:18

No começo eu não entendia muito bem pra que servia esse 'trem'...as vezes não entendo ainda, mas depois que a gente percebe que não precisa entender tudo que acontece por lá pra achar o 'trem' interessante,a nossa vida como 'arroba' fica mais fácil.

Gosto do twitter pela informação ligeira, se acessar pelo celular fica sabendo do mundo mesmo com a TV desligada.

Acho chato pra KCT (e olha que nem tenho) é quando transformam aquilo num orkut2, MSN2 sem dizer que tem gente que enche a timeline com coisas que, se fosse outra pessoa escrevendo, não iria interessar nem a ela.

Acho que a função mais interessante ali seria mesmo a troca de informações. Desde um filme interessante, links pra sites/blog com algo que a gente ache que vale a pena ser lido, promoções o povo adora rs agora o tal de 'bom dia/boa tarde/boa noite miguxos' ou 'to indo pro banho'...'já voltei do banho' ou o desfilar de 'mazelas' é um pé no saco até de quem não tem.

Enfim...Falo muita coisa lá que muita gente deve pensar 'dãããããã'.

Pro meu blog eu acho que ainda não fez muita diferença não...O povo não me curte tannnnnnnto a ponto de ir participar do Conversa de Liquidificador.

Mas, tirando a loucura que o twitter as vezes parece, é bem legal quando se aprende a 'circular' ali.

parla marieta postou 21 de dezembro de 2009 11:12

Concordo plenamente. Bonito vestido o seu. O sol inunda a sala. Agora falando sério, o twitter é muito legal e ao contrário de você, fui do blog ao twitter. Fui de curiosidade e agora não fico mais sem.
Beijocas

Alexandre Lucas postou 21 de dezembro de 2009 19:56

Maldita Inclusão Digital!

Bella postou 22 de dezembro de 2009 02:56

Meu caminho foi inverso ao seu. Comecei pelos blogs e fui parar no Twitter, inicialmente apenas para divulgar o blog.
Confesso que ainda não tenho muita paciencia com ele. Dinâmico demais pra minha cabeça de baiana que gosta de acompanhar tudo em detalhes. O (muito) tempo que fico off fico penso no que podem estar publicando e eu perdendo...paranóia!!!
Mas concordo: é muito bom saber, muitas vezes em primeira mão, o que acontece no mundo.
Beijão

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo