Os donos de cachorrinho

Postado em 24 de jun de 2010 / Por Marcus Vinicius

Infelizmente não tenho como saber de onde são todas as pessoas que me lêem, aliás, me surpreenderia em saber que são mais do que os dedos das mãos, mas eu sou do Rio de Janeiro, moro e padeço no Rio de Janeiro, só que tenho quase certeza de que o que vou contar agora afeta moradores de várias cidades brasileiras e, quem sabe, até algumas do mundo.

Se você gosta muito de cachorros, pare de ler aqui. Dessa forma você talvez não vai sentir impulso de me xingar depois, se não gosta, se não liga para os au-aus ou se convive com opiniões diferentes, vamos lá.

Pra começar, eu não entendo o que leva alguém a coabitar com um cachorro de grande porte num apartamento, sinceramente, não entendo como alguém consegue conviver com qualquer cachorro num apartamento. Um gato tem sua caixa de areia, solta uns pelos aqui e ali, mas é um bicho ideal para viver dentro de casa, mas cachorro? Cachorros babam litros, tem uma morrinha assustadora, são espaçosos, carentes...

Mas tudo isso é problema de quem deseja conviver com um chafariz de saliva dentro de casa. A coisa complica é da porta para fora.

No meu prédio tem um sujeito que, da portaria, a gente já sabe que ele andou com o cachorro no elevador por causa do fedor que fica. O bicho parece que já morreu e só falta enterrar e o "sem noção" nem liga. Já falaram, pediram, conversaram, reclamaram e todo dia lá está ele, com seu animal que cheira a chorume andando pra cima e pra baixo.

Podem argumentar que esse é um caso isolado ou raro, mas tem mais, sempre tem mais. E quando o indivíduo é dono de um pitbull ou cão-fila, grande, agressivo, amedrontador e teima em andar na rua com aquela fera sem coleira, sem focinheira, sem um tiro de tranquilizante? O mala vai dizer "não precisa ficar com medo, ele não faz nada". É, não faz até o dia que fizer.

Aí ocorrem casos como o de um policial que deu um tiro na cabeça de um desses cachorros que estava atacando uma criança, e o dono do cachorrinho fica indignado, porque o sujeito "matou um pobre animal". Infelizmente o animal errado se deu mal, porque o cachorro pelo menos é irracional, já os donos de cachorrinho são quase irracionais.

Mas supondo que o cachorro não cheire muito mal e nem tenha vocação para atuar naqueles filmes de terror estilo "Vingança dos Dobermanns", sobram as necessidades fisiológicas do bicho, que geralmente são feitas no meio da rua.

Não sei como funciona em todas as cidades, mas no Rio de Janeiro as calçadas são os banheiros dos cachorrinhos. Quando o dono tem alguma consciência, anda com um saco plástico para recolher as fezes e jogar no lixo, o que é bom para a cidade mas torna ao meu ver ainda mais incompreensível o fato de alguém optar por ter um cachorro.

É como se você tivesse que trocar fraldas sujas de cocô o resto da vida, sem que o bebê crescesse nunca. Aliás, é pior, porque o cachorro cresce e você continua tendo que limpar o cocô que ele faz. Eu não consigo imaginar a infâmia do contato, ainda que separado pelo plástico da sacola, da mão da pessoa com aquele monte de bosta quente, recém depositada na calçada. Mas esses são os - poucos - conscientes.

Grande parte dos donos de cachorrinho deixa o presente ali, pra carimbar a sola do sapato de alguém que provavelmente optou por não ter cachorrinho em casa justamente para não ter que conviver com isso. Sem contar que o cheiro da urina fica, já que ninguém leva o seu pastor alemão para passear carregando junto balde, creolina e esfregão.

Finalizo com uma excelente tirada do humorista americano Jerry Seinfeld, que disse que se uma nave espacial chegasse ao Planeta Terra e visse um ser alimentando o outro, dando banho, recolhendo suas fezes, entre outras coisas, os ETs diriam para os cachorros: "levem-me ao seu líder".

Porque chega a ser engraçado quem ainda se acha "dono" deles depois dessa.

13 Comentários:

Lari postou 24 de junho de 2010 10:03

Apesar de adorar cachorros eu não desisti de ler o post. E te digo que é justamente por gostar deles que eu concordo com você. Tirando, claro, o jeito meio rude de falar dos animais, mas eu te entendo.
Eu não consigo entender como é que alguém que gosta de cachorro tem coragem de prender o bicho num apartamento. Claro, tem os pequenos que até vivem bem lá, mas a vida ali já é dificil prum poodle. Imagina um fila!! Quanto egoísmo dos donos!
Ainda bem que eu moro em casa!
(Ah, sou de BH. Aqui, as ruas também são banheiros de cães e gatos)

claudia postou 24 de junho de 2010 10:11

Oi,
Estou gostando de ler os seus textos, concordando com eles ou não.
Bom, eu moro em apto e tenho uma cachorrinha. Tenho plena consciência que é um tantinho egoísta para com a cachorra, já que ela foi comprada para satisfazer um desejo da minha filha.
Por outro lado, procuro me comportar como cidadã já que tentei escolher uma raça que não gosta muito de conversar (leia-se latir), que tem pelinhos nas patas (para não incomodar o vizinho do apto que fica embaixo do meu), ela é sempre transportada no colo, em respeito aos demais usuários das áreas comuns do edifício.
Fica mesmo a questão do pipis e pupus...me sinto como você disse mesmo e pior, uso aqueles tapetinhos higiênicos que não são nada ecologicamente corretos. Eu sei, vergonhoso, mas tento me redimir com todo o resto.
Enfim, prá mim é impossível não morar em apartamento, minha filha fica imensamente feliz com sua pet, eu tento não incomodar os outros e assim vamos vivendo.
À propósito, a cachorrinha não é babona e não é fedorenta e digo isso mesmo sem morrer de amores por ela.
De qualquer forma, compreendo seu ponto de vista.
Abraços,
Cláudia

to-deolho postou 24 de junho de 2010 10:14

Li até o fim e concordo Plenamente com você.
Acredito que os seres humanos estão tão infelizes consigo mesmos e transformam seu cachorro em bibelô de vitrine.
Hoje respiramos xixi ao andar pelas calçadas, fora que gramas postes, paredes vão sendo destruídos pela acidez do xixi.
Nós fazemos nossas necessidades fisiológicas antes de sair de casa porque os donos dos animais não fazem a mesma coisa antes de levá-los a passear?Como temos o vaso sanitário, que cada um coloque um jornalzinho em casa para seu animalzinho usá-lo e depois é só recolher as fezes jogar na privada, puxar a descarga e puft, some levado pelas águas. Se gostas do olho deve tb gostar da remela.
Para mim isto significa falta de respeito ao Próximo. Infelicidade

Blog do João Bigode postou 24 de junho de 2010 10:28

@ulisses_lol olha cara gosto de cachorro e de gato tenho dois de cada, mas dentro de casa só da pra viver com os gatos.Tenho privilégio de ter um quintal grande em casa.Presenciei uma cena inusitada dias desses quando vi no prédio de um amigo, um cara com um buldog inglês obeso nos braços, pois o condomínio só permite animais no colo.Taí uma boa saida pro seu condomínio, além de um bom castigo pro dono do cão fedorento.

Gabriela postou 24 de junho de 2010 10:28

Adoro cachorros, mas concordo 100% com o texto.
A propósito, moro em Recife e aqui enfrentamos os mesmos problemas.

Marília_dosAnjos postou 24 de junho de 2010 10:32

Moro no interior do Nordeste e não vejo isso por aqui.! Mas, já vi isso em Sampa, e é lamentável. Amo gato e adoro cão pequeno mas, não tenho nenhum. Qdo eu tiver na minha casa terei um. =]

Bjos =***

P.S.:Qm perguntou hein? kkkkk

PriAliança postou 24 de junho de 2010 10:34

É por essas e outras que, mesmo morando em uma casa, tenho um gatinho. E castrado. Não quero um "netinho" meu morrendo atropelado por aí (como acontece muito no meu bairro). Mike é silencioso, limpinho, sapeca na medida certa (divertido sem encher o saco) e, desde sua castração, não faz mais xixi fora da caixinha.

Amo cachorro também e minha casa até dá pra criar um de porte médio, mas eu passo mais de 12h por dia fora de casa. Nenhum cachorro seria feliz nessas condições. Eles merecem e precisam de muita atenção, afeto e energia.

Isabel postou 24 de junho de 2010 12:31

Eu adoro cachorro e concordo com vc em diversos aspectos. Na verdade, o problema não está no animal, e sim no dono. Eu jamais teria cachorro em apartamento, mesmo os de porte pequeno, pois não acho higiênico. Além disso, é um saco limpar suas fezes. E mesmo recolhendo com o saco plástico, fica o cheiro e até manchas das fezes na calçada. Mas, realmente, quem vai sair com água e sabão pra limpar? Sobre os pitbulls, no Brasil já há um projeto de lei para extinguir a espécie, o que eu acho excelente. Porém, ficam ainda os filas e similares, que são verdadeiros assassinos. Mas bem que poderia ter outra lei, mas para extinguir outro tipo de animal: os donos "sem noção"...
Beijos

Mari Cordeiro postou 24 de junho de 2010 13:08

Ai ai ai... assunto polêmico! Mas vamos aos comentários.
Concordo na falta de respeito pelos animais o fato de ter um cachorro de porte grande em apto, ter cachorro e não dar banho nele. É falta de respeito com todo mundo.
Andar com ele e deixar o cocô no meio da rua acontece em todo lugar, "até" aqui em Curitiba, a tal capital ecológica. Nisso tudo eu concordo com você.
Mas ter um cachorro tem muito suas vantagens... pelo menos essa é a minha opinião.
Engraçado que hoje mesmo eu postei no meu blog sobre a minha cachorrinha, dá uma passada lá e veja o lado bom da coisa.

André Luís postou 25 de junho de 2010 15:24

É... cachorro em apto, é maldade, ou doença emocional? A minha irmã mora em um bairro em Sampa, que não podemos andar em linha reta na calçada, devido a quantidade de coco de cachorro, é incrível, os moradores do lugar levam o au au, para fazer coco na frente da casa dos vizinhos,e todos tem cachorro.

Teresa postou 27 de junho de 2010 10:01

Tou até meio atrasada no comentário, mas é que só agora descobri vc ou melhor vc me descobriu qdo resolveu me seguir no Twitter. Eu? nem sei pq, ou vc tá querendo aumentar a frequência de visitas ao seu blog (o que conseguiu comigo) ou então algo nos meus posts te chamou atenção enfim, vamos ao ponto dos cães.
Apesar dos inúmeros avisos que você fez no seu texto, os leitores foram na maioria aqueles que gostam de cães, pelo menos os que postaram foram, e é engraçado pq quem gosta, gosta e ponto final e convive muito bem com críticas, mas sabe que cachorro é tudo de bom, limpar coco e baba faz parte (se faz isso com filho pequeno e muitas vezes até mesmo quando eles são grandes limpamos as merdas, mas isso é outro assunto). Assim como faz parte ter alguém que te entende , que te recebe com um largo sorriso (eles sorriem sim), que está sempre disposto para você também faz parte cuidar e ser cuidado. Concordo que muitas vezes o dono é que é o animal da relação, deixar calçadas sujas não é legal, mas muitas vezes encontramos dejetos e odores corroendo postes que são humanos (homem mija - detesto essa palavra - também em poste e como mija, argh).
Quanto ao seu prédio, acho que a sujestão de transitar com o animal no colo de um dos posts acima é muito inteligente e vc deveria sugeri-la no seu prédio. Além do que meu querido cães e humanos convivem na mesma moradia desde muito tempo, faraós eram enterrados com seus cães, tem tempo isso tem não?
Há a propósito moro no RJ e nãi tenho mais cães em casa, elas morreram há dois anos de velhinhas e foi muito dolorido para todos nós, ainda não nos recuperamos.

Jubarulho postou 27 de junho de 2010 18:58

Na verdade, mesmo gostando de animais, eu jamais deixaria de ler um post seu!

E concordo com tudo que vc disse! Acho que quem decide ter um animal em casa deve arcar com TUDO que ele faz, sem atormentar ninguém.

Por isso minha cachorrinha só faz suas necessidades EM CASA, na rua jamais! Pq é assim que, inclusive, os homens deveriam se comportar, né?

Outra, já tive cão de grande porte, nunca andei sem coleira. Mesmo sendo ele um brincalhão. Hj tenho uma pequenina super sociável, mesmo assim, JAMAIS sem coleira, pois há pessoas com fobia de cães e devemos respeitá-las.

Pra mim, onde há respeito tá tudo certo! O grande problema, como em outros quesitos, é a falta de respeito com o próximo.

Ótimo post! Beijos!

Gilberto Ulhoa postou 19 de setembro de 2011 14:55

tão fazendo uma série de animações sobre assuntos polemicos nesse site, esse dos cachorros é um deles, raxei de rir!!
http://temporadafora.com/vlog/episodio-2-campos-minados

 
Template Contra a Correnteza ® - Design por Vitor Leite Camilo